Fale com este blog

E-mail: ercio.remista@hotmail.com
Celular: (91) 8136-7941
Para ler postagens mais antigas, escolha e clique em um dos marcadores relacionados ao lado direito desta página. Exemplo: clique em Santarém e aparecerão todas as postagens referentes à terra querida. Para fazer comentários, eis o modo mais fácil: no rodapé da postagem clique em "comentários". Na caixinha "Comentar como" escolha uma das opções. Escreva o seu comentário e clique em "Postar comentário".

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Filhos ingratos

Por: Ercio Bemerguy
Que coisa! Um cidadão que eu conhecia desde os meus tempos de moleque em Santarém, mesmo tendo perdido a esposa que faleceu logo depois do nascimento do décimo filho do casal, conseguiu, com muito sacrifício, trabalhando diuturnamente como motorista de táxi, criar muito bem a filharada após mudar-se para Belém.

Pois bem, graças ao esforço desse pai-herói, todos os seus seis filhos, obtiveram o canudo de papel e desenvolvem atividades em suas respectivas áreas profissionais (médico, engenheiro, economista, advogado, dentista e administrador) e são considerados ´bem de vida`.

As quatro filhas, mesmo sem formação de nível superior, também trabalham e ganham bons salários. Todos constituíram famílias e o patriarca, já beirando os 80 anos, vivia sozinho, mas extremamente feliz e despreocupado em sua modesta casinha num bairro da periferia da capital paraense. Suas despesas (alimentação, medicamentos, luz, água, etc.) eram cobertas com os dois salários mínimos que recebia mensalmente como aposentado. Uma ´diarista` lavava a roupa e limpava a casa duas vezes por semana. Poucas vezes recebia a visita dos parentes, e, na última vez que isso ocorreu, o filho mais velho, credenciado pelos irmãos e pelas irmãs, comunicou a decisão de todos: “Papai, entenda que temos as nossas famílias para cuidar. Infelizmente, nenhum de nós tem condições de estar sempre aqui para ajudá-lo. É muito dispendioso contratarmos uma pessoa para fazer companhia ao senhor que não está muito bem de saúde. Resolvemos vender esta sua casa e, com o dinheiro, pagaremos a sua hospedagem em um asilo e, para isso, até já reservamos a sua vaga”. E, dois dias depois, o “velho”, mesmo contrariado, foi conduzido à sua nova morada.

Decorridos um pouco mais de seis meses, quase cego, tristonho, solitário, vivendo (?) em um quartinho desconfortável, o resultado foi a morte do infeliz. Uma pena! Mas, a realidade é está: um pai, por mais pobre que seja, consegue criar e manter dez filhos, mas, dez filhos não conseguem manter dignamente um pai. O nome dessa gentalha? Ingratidão!

Nenhum comentário:

Postar um comentário