Fale com este blog

E-mail: ercio.remista@hotmail.com
Celular: (91) 8136-7941
Para ler postagens mais antigas, escolha e clique em um dos marcadores relacionados ao lado direito desta página. Exemplo: clique em Santarém e aparecerão todas as postagens referentes à terra querida. Para fazer comentários, eis o modo mais fácil: no rodapé da postagem clique em "comentários". Na caixinha "Comentar como" escolha uma das opções. Escreva o seu comentário e clique em "Postar comentário".

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Maia rebate críticos a emendas sugerindo que disputem eleições

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, na sessão de votação da chamada PEC dos Precatórios, em Brasília (DF), nesta quarta-feira 
Após críticas do Ministério Público e do Supremo Tribunal Federal (STF) ao desfigurado pacote medidas contra corrupção aprovado na madrugada desta quarta-feira (30) na Câmara, o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), os rebateu dizendo que, se quiserem, podem disputar eleições em 2018.

Depois de horas de sessão, deputados votaram por emendas que acabaram tirando o propósito original do projeto, que ficou meses em uma comissão, e ainda colocaram uma medida para punir juízes e membros do Ministério Público por abuso de poder.

"Eu tenho muita certeza que, no sistema democrático, nós precisamos trabalhar de forma harmônica com os outros Poderes, mas temos a independência para legislar. Essa independência ninguém vai subtrair de cada um de nós. Aqueles que queiram participar do processo legislativo, que é cativante e apaixonante, em 2018 nós teremos eleições. Podem participar e estar aqui conosco", afirmou Maia, em discurso no plenário, na noite desta quarta.

"O que não podemos aceitar é que a Câmara seja um cartório carimbador de parte da sociedade", completou.

Antes, em entrevista coletiva, o presidente da Câmara rejeitou que o pacote aprovado tenha sido uma retaliação aos investigadores e juízes envolvidos na Operação Lava Jato.

"Isso não existe. Porque o resultado não foi do jeito que gostariam, querem tirar a legitimidade? Quem legisla é o Poder Legislativo", declarou. Aos jornalistas, Maia não quis, no entanto, comentar especificamente a ameaça de renúncia feita pela Força Tarefa de Curitiba e minimizou a manifestação de Carmen Lúcia, dizendo que respeita as instituições e as opiniões diferentes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário