Fale com este blog

E-mail: ercio.remista@hotmail.com
Celular: (91) 8136-7941
Para ler postagens mais antigas, escolha e clique em um dos marcadores relacionados ao lado direito desta página. Exemplo: clique em Santarém e aparecerão todas as postagens referentes à terra querida. Para fazer comentários, eis o modo mais fácil: no rodapé da postagem clique em "comentários". Na caixinha "Comentar como" escolha uma das opções. Escreva o seu comentário e clique em "Postar comentário".

sábado, 15 de abril de 2017

Helder Barbalho chegou a pedir R$ 30 milhões para campanha. Ficou com R$ 1,5 milhão, acusa delator.

 
A Odebrecht cogitou não dar nada ao então candidato do PMDB ao governo do Pará, Helder Barbalho, depois de ele ter solicitado R$ 30 milhões para a sua campanha em 2014, disse em delação premiada o executivo Mário Amaro da Silveira. No final das contas, a campanha do peemedebista teria recebido R$ 1,5 milhão via caixa 2.

Silveira ocupou o cargo de diretor-superintendente da Odebrecht Ambiental no Estado do Pará, tendo concentrado suas atividades em uma empresa adquirida pela empreiteira, a Saneatins, que na época tinha a concessão do serviço de saneamento de cinco municípios paraenses.

Apelidado de “Cavanhaque”, Barbalho é um dos oito ministros do presidente Michel Temer que são alvos de inquéritos instaurados pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), com base nas delações de executivos e ex-executivos da Odebrecht.

Barbalho e o senador Paulo Rocha (PT-PA) serão investigados em um mesmo inquérito no STF sob a suspeita de participarem de uma esquema criminoso de corrupção e lavagem de dinheiro.

Fora de cogitação

O delator contou ter se encontrado em setembro de 2014 com Barbalho e Paulo Rocha no Tryp São Paulo Jesuíno Arruída, no Itaim Bibi, para tratar de contribuições para a campanha.

“O Helder Barbalho comentou que conhecia a atuação da empresa e que ele tinha um grave problema de saneamento no Pará, que seria uma das prioridades dele, e cogitava adotar uma solução privada (em seu eventual governo)”, comentou Mário Amaro da Silveira.

Segundo o delator, o peemedebista queria a ajuda da Odebrecht para resolver o problema de saneamento no Pará, caso fosse eleito.

“E ao final dessa conversa, eles explicitaram as dificuldades econômicas da campanha e fizeram um pedido de R$ 30 milhões. Eu falei, ‘Vou levar isso até a nossa presidência lá por dever de ofício, mas acho que é uma coisa totalmente fora de cogitação”, contou Silveira.

Segundo o delator da Odebrecht, o valor pedido foi sendo gradualmente reduzido ao longo da conversa para “pelo menos 20, pelo menos 10, pelo menos R$ 5 milhões”. “A gente até cogitou de não dar nada, um cara que pede R$ 30 milhões, né, mas depois, o Fernando (o ex-presidente da Odebrecht Ambiental Fernando Reis) falou assim, ‘Vamos oferecer o que a gente tem conta de oferecer”, afirmou Amaro.

Segundo Reis, a contribuição para a campanha foi “pedida como caixa 2 e feita como caixa 2”. No final das contas, a Odebrecht pagou R$ 1,5 milhão em três parcelas.

Relação

A expectativa era a de que o pagamento de caixa 2 para Helder Barbalho resultasse numa melhor relação entre as concessões privadas da Odebrecht no Estado e a Companhia Estadual de Saneamento do Pará (Cosanpa), caso o peemedebista vencesse a disputa pelo governo estadual.

“A Cosanpa faz o que pode para perturbar. Existe um corporativismo nas companhias estaduais contra os operadores privados. As companhias estaduais não gostam de perceber que estão perdendo terreno para operadores privados”, disse Reis.

Helder Barbalho acabou derrotado no segundo turno das eleições pelo tucano Simão Jatene.

Outro lado
Em nota, o ministro negou que tenha cometido ilegalidades. Barbalho reafirma que todos os recursos que recebeu como doações para sua campanha em 2014 foram devidamente registradas junto ao TRE-PA, que aprovou todas as suas contas. Afirmou que não tinha e não tem qualquer ingerência sobre a área de saneamento no município de Marabá. (AE)

Nenhum comentário:

Postar um comentário