Fale com este blog

E-mail: ercio.remista@hotmail.com
Celular: (91) 8136-7941
Para ler postagens mais antigas, escolha e clique em um dos marcadores relacionados ao lado direito desta página. Exemplo: clique em Santarém e aparecerão todas as postagens referentes à terra querida. Para fazer comentários, eis o modo mais fácil: no rodapé da postagem clique em "comentários". Na caixinha "Comentar como" escolha uma das opções. Escreva o seu comentário e clique em "Postar comentário".

sábado, 1 de abril de 2017

Poetando: Santarém Saudade

Autor: Nicolino Campos (foto), no jornal "O Momento", edição de 24.10.1980.
O progresso, chegou, Santarém!
Com seu porto e suas estradas,
Sua TV, suas velas de regatas,
Sua onda de motores, um vai, outro vem...
Tu gostaste Santarém?!
Foi pra teu bem?!Hein?! Hein?! Hein?!
Responde depressa, Santarém.

E agora Santarém???
Onde estão as canoas de velas belas,
Metidas no muruci,
Onde estão as catraias, os táxis das praias;
Cadê Dona Bibi, que fazia Paumary!
Onde estão as lavadeiras,
Mulheres velhas, meninas brejeiras,
E a roupa lavada, na corda esticada,
E à tarde, a pelada gostosa, comendo na areia.
A Serra Piroca, coitada!
Perdeu seu cume, quase morreu
Decapitada
Duma baita dentada
Que o progresso lhe deu.
E a Vera Paz? Essa mesma, acabou!
E o cais do porto taí
Carreando dinheiro, espantando jaraqui.
Laguinho aterrado, Irurá loteado,
Maria José é proibida!!! Avião tá de saída...

Santarém, e a tua arte como vai?!
Cadê os trabalhos das bonequeiras,
As “caretas”, tantas obras belas, gentis.
Os castiçais,os Santos de madeira,
As custódias, os turíbulos,
E o velho altar da Matriz.
As cuias do Fona, os trabalhos das rendeiras!!!
Como tudo isso desapareceu,
Por que Santarém não tem museu!?
E o trapiche, a Igreja de São Sebastião,
O Teatro Vitória?!
Olha, Santarém! Quem não guarda
Seu passado morre para a história!

Dona Dica! Suas bolsas, seus leques!
Laurimar! Tuas esculturas, pinturas!
Isoca! Teus hinos, tuas valsas, esse tesouro!
João Sena, tuas jóias, quais finas rendas d´ouro.
Paulo Rodrigues, Emir, João Santos,
Ezeriel, Frei Ambrósio, outros tantos...
Sem museu, sem biblioteca, sem cuidados
Onde ficam essas obras de artistas renomados!

Ainda resta: a festa da Conceição,
De São Raimundo, de São Sebastião.
As noites de Serenata na “Aldeia” enluarada.
As fogueiras na praia,
Das turmas em piracaia
E o Amazonas e o Tapajós
Abraçando Santarém, abraçando todos nós,
Lembrando o Padre Poeta Manoel,
Murmuro, pelos olhos escorrendo o coração
- Eu te amo Santarém, meu bem... meu bem...

2 comentários:

  1. Verdadeiros versos de Nicolino, tudo é verdade !
    Vivi parte disso quando jovem em Santarém, minha terra querida onde está meu coração.
    Saudade mata, mata sim !

    ResponderExcluir
  2. Bom dia Ércio

    Mais uma vez quero externar minha eterna gratidão pela tua Amizade sincera com Papai; pelas justas e lucidas homenagens em teu conceituado, respeitado e melhor Blog do Pará - para mim e milhares de seus leitores - fico feliz juntamente com todos meus irmãos e familiares.
    Grato de coração, vida longa e seja eternamente feliz...

    Sérgio Campos

    ResponderExcluir