Fale com este blog

E-mail: ercio.remista@hotmail.com
Celular: (91) 8136-7941
Para ler postagens mais antigas, escolha e clique em um dos marcadores relacionados ao lado direito desta página. Exemplo: clique em Santarém e aparecerão todas as postagens referentes à terra querida. Para fazer comentários, eis o modo mais fácil: no rodapé da postagem clique em "comentários". Na caixinha "Comentar como" escolha uma das opções. Escreva o seu comentário e clique em "Postar comentário".

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Removendo o Passado: Orfanato São José

Quem é daquele tempo haverá de recordar que o Orfanato São José (foto), localizado no planalto santareno, acolhia em regime de internato inúmeras meninas pobres, menores de idade, proporcionando a todas elas a chance de estudarem gratuitamente e, se demonstrassem vontade e vocação, poderiam seguir a carreira religiosa, tornando-se freiras. Em contrapartida, todas elas tinham tarefas diárias a cumprir, como serviços de limpeza, cozinhar, fazer trabalhos manuais para venda nas quermesses, etc. Hoje, segundo fui informado, isso não mais existe. Se essa prática continuasse, logo, logo, a direção do orfanato iria ser acusada de exploração do trabalho infantil, exigindo-se o pagamento de direitos trabalhistas e outras sanções. É, ou não é?

Bons tempos aqueles... Havia escolas públicas com ensino de excelente qualidade e com vagas suficientes para crianças e adultos. Não era distribuída merenda escolar, mas os índices de freqüência de alunos e professores às salas de aulas eram satisfatórios. Um pedaço de pão com ovo, com manteiga ou goiabada que o estudante sempre levava no bolso da farda, era suficiente para dominar a fome na hora do recreio.

Os pais tomavam conhecimento das faltas à sala de aula e do desempenho escolar de seus filhos através dos boletins que eram expedidos ao final de cada mês e devolvidos devidamente assinados.

O uso da farda era obrigatório, e os estudantes vestiam, com orgulho, o modesto fardamento confeccionado em tecido de cor caqui, com a inscrição EP (Escola Pública) no bolso da camisa.

E, os livros ? Eram permanentes, contendo, num só volume, várias matérias - português, matemática, história, geografia e conhecimentos gerais - destinados às diversas séries do curso primário, o que permitia, por exemplo, se em uma família estivessem dois irmãos estudando em uma mesma escola, aquele que concluísse o 2º ano primário, os seus livros passavam a ser usados pelo irmão que havia passado do 1º para o segundo ano. Com essa metodologia, os pais se livravam das grandes despesas anuais com a compra de novos livros. Infelizmente, isso mudou para pior, e agora os livros são descartáveis e caríssimos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário