Fale com este blog

E-mail: ercio.remista@hotmail.com
Celular: (91) 8136-7941
Para ler postagens mais antigas, escolha e clique em um dos marcadores relacionados ao lado direito desta página. Exemplo: clique em Santarém e aparecerão todas as postagens referentes à terra querida. Para fazer comentários, eis o modo mais fácil: no rodapé da postagem clique em "comentários". Na caixinha "Comentar como" escolha uma das opções. Escreva o seu comentário e clique em "Postar comentário".

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Dirceu recebeu 'tratamento diferenciado' do STF, diz Dallagnol

Curitiba, Parana, Brasil, 26-04-2017, 15h00 - Entrevista com o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da forca tarefa da operacao Lava Jato no Ministerio Publico Federal. Deltan lanca hoje o livro "A Luta Contra a Corrupcao", sobre os tres anos de atuacao nos casos investigados na operacao. (Foto: Theo Marques/Folhapress - FSP-PODER)
Coordenador da força-tarefa do Ministério Público Federal na Lava Jato, o procurador Deltan Dallagnol (foto) afirmou que a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) de soltar o ex-ministro José Dirceu é "incoerente".

Em publicação nas redes sociais, Dallagnol disse que "chama a atenção" que os mesmos ministros que decidiram pela saída de Dirceu da prisão –Gilmar Mendes, Dias Toffoli e Ricardo Lewandowski– "votaram para manter presas pessoas em situação de menor gravidade, nos últimos seis meses".

O procurador citou três casos: o de um ex-prefeito do Piauí acusado de corrupção "em menor vulto e por menos tempo" que Dirceu, o de um acusado por tráfico preso com "162 gramas de cocaína e 10 gramas de maconha" e o de um réu primário, "encontrado com menos de 150 gramas de cocaína e maconha".

Em cada um dos casos, ele citou decisão de um dos ministros. Em seguida, fez uma "conclusão": "Diz-se que o tráfico de drogas gera mortes indiretas. Ora, a corrupção também", disse Dallagnol.

"A mudança do cenário, dos morros para gabinetes requintados, não muda a realidade sangrenta da corrupção. Gostaria de poder entender o tratamento diferenciado que recebeu José Dirceu, quando comparado aos casos acima."

O procurador ainda afirmou que, embora os cidadãos depositem sua esperança no STF, elas "foram frustradas".

Segundo ele, "fica um receio" porque estão presos desde 2015 o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, os ex-diretores da Petrobras Renato Duque e Jorge Zelada, Marcelo Odebrecht, o ex-presidente do PP Pedro Correa e os ex-deputados André Vargas (ex-PT-PR) e Luiz Argôlo (ex-SD-BA).

"Todos há mais tempo do que José Dirceu. Isso porque sua liberdade representa um risco real à sociedade. A prisão é um remédio amargo, mas necessário, para proteger a sociedade contra o risco de recidiva, ou mesmo avanço, da perigosa doença exposta pela Lava Jato", disse o procurador.

Nenhum comentário:

Postar um comentário