Fale com este blog

E-mail: ercio.remista@hotmail.com
Celular: (91) 8136-7941
Para ler postagens mais antigas, escolha e clique em um dos marcadores relacionados ao lado direito desta página. Exemplo: clique em Santarém e aparecerão todas as postagens referentes à terra querida. Para fazer comentários, eis o modo mais fácil: no rodapé da postagem clique em "comentários". Na caixinha "Comentar como" escolha uma das opções. Escreva o seu comentário e clique em "Postar comentário".

terça-feira, 9 de maio de 2017

Poetando com João Carlos

 
Por João Carlos Bemerguy Camerini, meu querido sobrinho.
Vaidade das vaidades
Responda-me, rainha das fantasias
Qual o mistério da dualidade?
Como foi penetrar a ilusão
Justo no coração da humanidade?

Espreitas todos os meus passos
Sei bem que não estou sozinho
Quem tem carne teme os teus laços
Ó! Devoradora de passarinhos

Conhecedora de nossas fraquezas
É famoso o teu faro canino
Luxúria, glória e riquezas
São os pecados de qualquer menino

Gostar do que é certo: ai!
É esta a dificuldade que sinto
Mas, a cada dia chego mais perto
De achar a saída desse labirinto

Das máscaras do ego, eu hei de me livrar
Os enigmas do eros, decifrarei um por um
Pelejarei nos campos, nos bordéis, no mar
Esta batalha não entrego, de jeito nenhum!

A vida sem ti torna-se pesada
Grande é o apego da materialidade
Olha, que a melancolia não é nada
Senão o lamento da tua saudade

Sem tuas sombras o sol é severo
E depois de ti resta coisa pouca
Mas ainda prefiro este sertão sincero
Que as mentiras de tua existência oca

Então, pulei logo naquela engenhoca
Que no Pará se conhece por tipiti
Pro tempo espremer igual mandioca
Minh’alma, até sobrar só o tucupi

E quando vier a vitória, lá no final dessa história
Só restará na memória aquela velha ladainha:
Que o céu não chega de graça
O universo não passa d’um punhado de farinha

Nenhum comentário:

Postar um comentário