Fale com este blog

E-mail: ercio.remista@hotmail.com
Celular: (91) 8136-7941
Para ler postagens mais antigas, escolha e clique em um dos marcadores relacionados ao lado direito desta página. Exemplo: clique em Santarém e aparecerão todas as postagens referentes à terra querida. Para fazer comentários, eis o modo mais fácil: no rodapé da postagem clique em "comentários". Na caixinha "Comentar como" escolha uma das opções. Escreva o seu comentário e clique em "Postar comentário".

domingo, 7 de maio de 2017

“Só o que garante Temer hoje é a Globo”, diz Palmério Dória

 "O clã dos Dória de Santarém se orgulha de não ter nada a ver com ele. Nós somos Dória do Baixo Amazonas, ele é da Bahia. Não temos nada a ver com essa gente." (Sobre o João Dória, prefeito de São Paulo)
Autor de reportagens memoráveis em revistas como Realidade ("Uma cidade chamada Democracia"), Interview ("O namorado brasileiro de George Michael") e Caros Amigos ("Por que a imprensa esconde o filho de 8 anos de FHC com a jornalista da Globo?"), dentre muitas outras que escreveu em publicações como Ex-, Careta, O Nacional e de best-sellers como "A guerrilha do Araguaia", "Honoráveis Bandidos" e "O Príncipe da Privataria", os dois últimos em parceria com Mylton Severiano da Silva, o jornalista Palmério Dória afirma, nessa entrevista exclusiva ao 247, que "Temer está por um fio" e só não caiu até agora porque a Globo não quis. Mas que "não tem como ele resistir até 2018".

Palmério responsabiliza "as quatro grandes irmãs da mídia" pelo golpe que levou Temer ao poder e diz que ele só continua no Palácio do Planalto por causa delas. Denuncia a era do pensamento único na Globo: "Eles limaram todas as vozes destoantes". E aponta uma solução: a população cercar a Globo (e a Folha de S.Paulo) para exigir que elas informem "o que interessa ao povo brasileiro". "A Globo News é criminosa", afirma. "Ela pratica crimes de imprensa 24 horas por dia".

Não perdoa seus colegas jornalistas. "A Globo News importa agora da Folha todos os meliantes", diz, referindo-se a Renata Lo Prete, Natuza Nery e Valdo Cruz. Diz que Elio Gaspari, "um ítalo-brasileiro mais ítalo que brasileiro, apostava todas as suas fichas em Joaquim Barbosa e agora aposta em Moro para presidente da República". Diz que Leilane Neubarth "é burra como uma porta", que Ruy Castro "quer preencher a lacuna que Ferreira Gullar deixou" e que Clovis Rossi "fala da bile que tomou conta do país, para a qual ele contribuiu". A respeito de Moro, cunhou uma frase lapidar: "Não tem nada pior que Moro"!
(Fonte: Brasil 247)

Um comentário:

  1. Palmério Dória é um jornalista que honra à classe, não importa sua origem, se paraense ou baiano. A nota que antecede a matéria não interessa. Ou a quem interessa?

    ResponderExcluir