Fale com este blog

E-mail: ercio.remista@hotmail.com
Celular: (91) 8136-7941
Para ler postagens mais antigas, escolha e clique em um dos marcadores relacionados ao lado direito desta página. Exemplo: clique em Santarém e aparecerão todas as postagens referentes à terra querida. Para fazer comentários, eis o modo mais fácil: no rodapé da postagem clique em "comentários". Na caixinha "Comentar como" escolha uma das opções. Escreva o seu comentário e clique em "Postar comentário".

terça-feira, 27 de junho de 2017

Como diz o velho ditado, "recordar é viver"

Para esquecer um pouco as bandalheiras, os atos de corrupção de políticos e governantes brasileiros, enfoco algumas recordações dos anos 60 e 70, com algumas coisas pinçadas do blog da Tais Luso.
 
-Lembro da alegria de muitas famílias da região do Baixo Amazonas (Santarém, Óbidos, Alenquer...) ao casarem suas filhas com médicos, militares e funcionários do Banco do Brasil e Banco da Amazônia. Eram considerados "bons partidos". Hoje, infelizmente, funcionários do BB e BASA não são mais considerados aquela Brastemp (e nem a Brastemp é mais aquela geladeira).
-As missas dos domingos eram todas bonitas: o padre mandava tudo em latim. Não se entendia bulhufas, mas os fiéis adoravam responder ao Dominus Vobiscum: - Et cum spiritu tuo. Em Santarém, na missa das 8h, na Igreja Matriz, os estudantes do Dom Amando traduziam mais ou menos os termos latinos, isto graças às aulas ministradas pelo Irmão Francisco.
-Enquanto os Beatles pediam paz ao mundo, em suas canções, o nosso Roberto Carlos mandava brasa: e que tudo vá pro inferno.
-As mulheres (Filhas de Maria) comungavam de véu branco ou preto. Hoje, se pega a hóstia na mão, com vestido decotado e se entra na igreja de bermudão e sandália havaiana. Que coisa feia, né não?

Nenhum comentário:

Postar um comentário