Fale com este blog

E-mail: ercio.remista@hotmail.com
Celular: (91) 8136-7941
Para ler postagens mais antigas, escolha e clique em um dos marcadores relacionados ao lado direito desta página. Exemplo: clique em Santarém e aparecerão todas as postagens referentes à terra querida. Para fazer comentários, eis o modo mais fácil: no rodapé da postagem clique em "comentários". Na caixinha "Comentar como" escolha uma das opções. Escreva o seu comentário e clique em "Postar comentário".

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Joesley Batista conta como a JBS se tornou, em menos de 4 anos, a maior produtora de carne bovina do mundo.

Do blog "Direto da Fonte" (Sonia Racy) - Estadão
Esta foi a primeira entrevista que Joesley Batista deu na vida. Foi em agosto de 2008, quando o grupo JBS faturava US$ 20 bilhões (hoje são US$ 170 bi) e já obtinha 80% de sua receita no exterior. 
Na linha ‘Vale a Pena Ler de Novo’, aqui vai a reprodução:
 
Ao me receber na sede da JBS – no antigo edifício do frigorífico Bordon –, Joesley Batista, presidente global da empresa, se mostra algo desconfortável. Pudera, não gosta de sair na imprensa, defende que o grupo tenha imagem institucional e procura ser totalmente no profile. “Foto? Nem pensar. Não queremos a família como a cara da empresa. Ela hoje tem presidente executivo (Marcus Pratini de Moraes) e estrutura própria”, justifica.
 
Mesmo assim, aceita contar parte da história do grupo, que se mistura umbilicalmente com a da família. O nome Joesley vem de uma mistura de José, seu pai, com Wesley, seu irmão. Foi o pai José que começou do nada a empresa que hoje fatura algo como US$ 22 bilhões por ano e está espalhada pelo mundo.
 
Espantados? O fato é que os frigoríficos brasileiros começaram um círculo virtuoso da desvalorização cambial para cá. Exportaram muito, construíram muito e aumentaram muito a capacidade instalada e os abates. “Isso era bom para o frigorífico e ruim para o produtor. Hoje está bom para o produtor e ruim para os frigoríficos”, analisa Joesley, lembrando que a bolha estourou.“Infelizmente, vamos reviver uma onda de falências no Brasil”, avisa. As margens de lucro estão diminuindo e as dívidas, aumentando. “Nossa sorte é que hoje o Brasil representa somente 20% da nossa receita. Portanto, estamos preparados para viver pelo menos três anos com margem zero por aqui.” A seguir, trechos da conversa.

Como seu pai, aos 50 anos de idade, resolveu passar para os filhos a empresa que construiu do zero?  
Isso é muito moderno. Mas, acredite, não foi nada programado. Aliás, quando comecei a trabalhar no Grupo, meu pai já não estava mais na empresa. Estava só o Júnior, meu irmão mais velho. Eu tinha sido gerente de uma fábrica pequena em Goiás e gerente-geral de um frigorífico nosso.
As meninas também trabalham na empresa? 
Trabalham sim, os cunhados, não. Minha mãe criou os filhos praticamente sozinha. Meu pai viajava muito. A partir dos meus 16 anos, ele assumiu a responsabilidade pelos filhos homens e minha mãe continuou a cuidar das meninas. Ele nunca foi de levar os filhos para ver boi. Pelo contrário, até bem grandinho eu não sabia diferenciar boi de vaca. Foi só aos 16 anos que começamos a acompanhá-lo. Meu pai sempre foi um homem duro e prático. Nunca adiantava pedir opinião para ele. Achava que tínhamos de resolver tudo sozinhos. E até hoje é assim.
Mais aqui >Entrevista de Joesley Batista

Nenhum comentário:

Postar um comentário