Fale com este blog

E-mail: ercio.remista@hotmail.com
Celular: (91) 8136-7941
Para ler postagens mais antigas, escolha e clique em um dos marcadores relacionados ao lado direito desta página. Exemplo: clique em Santarém e aparecerão todas as postagens referentes à terra querida. Para fazer comentários, eis o modo mais fácil: no rodapé da postagem clique em "comentários". Na caixinha "Comentar como" escolha uma das opções. Escreva o seu comentário e clique em "Postar comentário".

quinta-feira, 20 de julho de 2017

"Faço cara de coitadinho para Temer", diz Wlad

No site O Antagonista
O deputado federal Wladimir Costa,  explicou ao jornal O Globo como Michel Temer se comporta nas audiência com deputados:

"Ele (Temer) não propõe nada, ele pede apoio, mostra cópia da denúncia, diz que é inócua, mas não oferece nada. Vai que alguma pessoa queira gravá-lo novamente numa situação dessas. Ele diz que vai ver o que pode fazer. 'O que for possível ajudar no seu estado, vamos fazer'. Ele vê quais são os ministérios, quem pode resolver. O presidente encaminha. Faço cara de coitadinho para ele."

Temer não vai se esquecer de Wlad
O deputado Wladimir Costa (SD-PA) é dos políticos mais sinceros em atividade. Ele disse o seguinte ao jornal O Globo, acerca das numerosas audiências de Michel Temer com deputados, faltando menos de um mês para a votação da denúncia da PGR pela Câmara:

"Somente alguns parlamentares hipócritas não vão assumir, mas é obvio que, após a reunião com o presidente, a gente vem com aquela história: 'Mas, presidente, eu gostaria de trazer demandas do estado, do município, do governo do estado' . A gente aproveita o barco e pede. Na realidade, não é o governo que está atrás disso, os parlamentares é que estão procurando, pedindo audiência, aproveitando a oportunidade. O Temer tem que ser assim. Aos amigos, as flores; aos inimigos, coroa de espinhos." E arremata:

"Se (Temer) me der alguns cargos, eu quero. Quero indicar, tenho até os nomes, tenho até currículos no gabinete. Tomara que ele leia essa reportagem e se lembre do 'Wlad' que tem ecoado sua voz a nosso favor e me dê umas indicações importantes para o estado."

Não é a regra do jogo
Além de revelar o pagamento de propina a Renan Calheiro, Jader Barbalho e ao deputado Anibal Gomes, o lobista Jorge Luz rebateu, em depoimento a Sérgio Moro, a versão defendida por vários acusados de que eles teriam sido compelidos a comprar vantagens na Petrobras. 
“Eu tenho visto que o senhor fica muito zangado quando as pessoas vêm aqui e dizem: ‘é a regra do jogo’. Não tem santo nessa história. Se há um cobrador, alguém está disposto a pagar.”

Moro confisca bens e bloqueia R$ 606 mil do ex-sindicalista Lula

 
O juiz federal Sérgio Moro determinou o bloqueio de R$ 606 mil pertencentes ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O dinheiro estava distribuído em quatro contas, nos bancos do Brasil, Caixa Econômica Federal, Bradesco e Itaú.

No total, foram bloqueados R$ 606.727,12. Havia R$ 397.636,09 no Baco do Brasil, R$123.831,05 na Caixa Econômica, R$ 63.702,54 no Bradesco e R$ 21.557,44 no Itaú.

O confisco inclui três imóveis do petista e um terreno. Também foram arrestados dois automóveis. O bloqueio foi realizado pelo Banco Central.

“Na sentença foi decretado o confisco do apartamento como produto do crime. Neste processo, pleiteia o sequestro de bens do ex-Presidente para recuperação do produto do crime e o arresto dos mesmos bens para garantir a reparação do dano. Este Juízo reputou prudente sentenciar o caso antes de decidir o pleito de constrição”, diz trecho do despacho.

Na condenação de Lula, o juiz exigiu o pagamento de R$ 16 milhões, valor esse referente a uma suposta conta da empreiteira OAS com o PT. Com a determinação de Moro, restam ainda cerca de R$ 13,7 milhões a serem descontados.

Em 2016, o Ministério Público Federal havia solicitado o sequestro de bens. De acordo com o órgão, Lula é o comandante do maior esquema de corrupção instalado no país.

Novo ataque ao Tesouro

Editorial - Estadão
Mais um golpe contra o Tesouro será consumado, se parlamentares devedores de tributos, com R$ 532,9 milhões em atraso, aprovarem o projeto do novo Refis tal como foi aprovado, na semana passada, na Comissão Mista da Medida Provisória (MP) 783. Votarão, nesse caso, para conceder a si mesmos um benefício tão indecoroso quanto prejudicial à recuperação das contas públicas e da economia, destroçadas pelos erros e desmandos cometidos por Lula da Silva e exacerbados por Dilma Rousseff. O Executivo enviou ao Congresso, neste ano, por meio de MPs, dois programas de renegociação de débitos fiscais. Os dois foram desfigurados pelo relator, o deputado Newton Cardoso Jr. (PMDB-MG), convertidos em prêmios à sonegação e inutilizados para os propósitos do governo.

As propostas de renegociação deveriam servir a dois objetivos. A longo prazo, deveriam permitir a recuperação de uma parcela significativa dos créditos fiscais em atraso. De imediato, deveriam proporcionar uma importante receita adicional: para participar, os devedores deveriam pagar neste ano uma entrada substancial.

A primeira tentativa fracassou em março, quando a MP 766 foi deformada pelo relator, com perdão de multas e juros e alteração de prazos e parcelas. O Executivo deixou caducar a MP, buscou entendimento com os parlamentares e enviou a de n.º 783. O deputado Newton Cardoso Jr. repetiu a façanha, incluindo no texto perdão de até 99% de juros e multas e deformando, mais uma vez, a proposta. A comissão aprovou a versão desfigurada, em mais uma exibição de desprezo pelos bons costumes e pelo interesse público. Se aprovado no plenário, o projeto deverá ser vetado pelo presidente.

O próprio relator é sócio e diretor de empresas devedoras de R$ 51 milhões, segundo informação da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) divulgada na quarta-feira pelo Estado. A dívida total de R$ 532,9 milhões em atraso inclui apenas compromissos classificados como “irregulares” pela PGFN. Vários parlamentares vinculados a esse débito já se beneficiaram de Refis anteriores. “Regulares” são os compromissos ligados a esses programas, se estiverem sendo normalmente pagos.

O esquema previsto na MP 783, a segunda destroçada pelo relator, deveria render neste ano pagamentos iniciais no valor de R$ 13,3 bilhões. Com a deformação da proposta, a arrecadação inicial deve ser de R$ 420 milhões, pouco mais de 3% do valor planejado pelo governo. Essa perda tornará muito mais difícil atingir a meta fiscal definida para este ano, um déficit primário, isto é, sem a conta de juros, de R$ 139 bilhões. É um buraco enorme, mas, apesar disso, alcançar esse alvo será um avanço importante na direção do reequilíbrio de receitas e despesas primárias. Esse avanço é indispensável para atingir o objetivo mais ambicioso de conter e reduzir o peso da dívida pública.

Parlamentares têm-se esmerado em dificultar esse ajuste e, portanto, em atrapalhar a recuperação econômica. Além de deformar o novo Refis, desfigurando as MPs 766 e 783, opõem-se à reoneração das folhas de pagamentos a partir deste ano, programada para uma receita adicional estimada em R$ 2 bilhões.

A arrecadação continua insuficiente para o cumprimento da meta fiscal deste ano. A receita de junho foi 3% maior, descontada a inflação, que a de um ano antes – um reflexo das melhoras observadas até maio na produção industrial, no consumo e na massa de salários.

O resultado de junho pode ter sido animador, mas a arrecadação acumulada no primeiro semestre, de R$ 648,58 bilhões, foi apenas 0,77% maior que a de janeiro a junho de 2016 – e o crescimento se deveu à receita de royalties. Os impostos e contribuições administrados pela Receita Federal proporcionaram uma arrecadação 0,2% menor que a de um ano antes.

Diante desse quadro geral, já se fala, no governo, em aumento de tributos – talvez R$ 10 bilhões – para o cumprimento da meta fiscal. Difícil será impor esse aumento sem prejudicar a recuperação apenas iniciada e ainda frágil. Quem se preocupa com isso? Os parlamentares centrados nos próprios interesses?

Homenagem aos avós

No dia 26 de julho é comemorado o Dia dos Avós. A data é em homenagem ao dia, na tradição católica, de Santa Ana e São Joaquim, avós de Jesus Cristo

Para comemorar essa data, este blog quer conhecer os vovôs e vovós de vocês, leitores (as). Mande a mais bonita imagem com eles, citando seus nomes.

Para participar, basta mandar as fotos para os endereços abaixo, a partir de hoje e até o dia 25:
E-mail: ercio.remista@hotmail.com
Watsapp: (91) 989174477

Clonando Pensamento

 "Era menina, mas adorava ir ao E-29 Show! A dupla Ércio e Edinaldo marcou a comunicação de Santarém, numa época em que o talento era ao natural, sem o glamour do marketing. Por isso serão sempre lembrados como os "caras" que marcaram a vida de muitos santarenos... numa época que hoje sentimos saudades..." (Vânia Pereira Maia, empresária santarena, diretora da Televisão Tapajós)

Colosso do Tapajós: Tá demorando muito, Governador!

Há exatamente um ano (20.07.2016), fiz uma postagem (abaixo) neste blog, sobre o atraso das obras de revitalização e ampliação do estádio de futebol chamado de "Colosso do Tapajós", em Santarém. De lá pra cá, pouca coisa mudou.

Em 02.02.2013, no site da Agência Pará, foi postada a notícia transcrita abaixo, porém, até esta data ainda não foi concluída a obra tão esperada pelos santarenos.

"O governador do Pará em exercício, Helenilson Pontes, esteve no dia 28.01.2013 em Santarém, município da região oeste, entregando obras e assinando a Ordem de Serviço para reforma e ampliação do estádio Colosso do Tapajós.
Ele seguiu para o estádio Colosso do Tapajós, onde cumpriu o primeiro compromisso da agenda de trabalho no município. Assinou a Ordem de Serviço que autoriza a reforma e ampliação do ´Colosso`, para atender aos padrões exigidos pela Federação Internacional de Futebol (Fifa).
Joaquim Passarinho, titular da Seop, mostrou a maquete do novo estádio, que transformará Santarém em um polo esportivo na região
O governo do Estado investirá na obra R$ 18,8 milhões, visando dobrar a capacidade atual - de 10 mil para 20 mil pessoas -, todas sentadas em cadeiras numeradas. Também será construído o anel de cobertura do estádio, estacionamento, dois níveis de arquibancada, tribunas e novas cabines para equipes de televisão. O consórcio União Paraense, vencedor da licitação, deverá concluir a obra até 2014."

Lobista do PMDB confessa propina de R$ 11,5 mi a Renan, Jader e Anibal

Renan, Jucá, Jader e Jorge Luz
O lobista do PMDB Jorge Luz afirmou ontem, 19, em interrogatório que para políticos ‘não importa’ de onde vem o dinheiro. Luz confessou ter intermediado pagamento de R$ 11,5 milhões em propina para os senadores Renan Calheiros (PMDB-AL) e Jader Barbalho (PMDB-PA), o ex-ministro Silas Rondeau e o deputado Anibal Gomes (PMDB-CE).

Os valores, segundo o lobista, teriam sido pagos em troca do suposto apoio para fortalecer os ex-diretores da área Internacional Nestor Cerveró e de Abastecimento, Paulo Roberto Costa, na estatal. Jorge Luz foi questionado por Moro se, durante reuniões com políticos, era apontado o caminho do dinheiro, se os valores saíram de doações eleitorais ou de contratos da Petrobrás.

“Repare só o seguinte, juiz Moro, o que aconteceu. Quando foi ser tratado o apoio, para os políticos não importava da onde vinha. Para eles, tanto faz. ‘X’ e pronto, R$ 11,5 milhões. Está todo mundo falando de US$ 6 milhões, não sei o que. Para mim, são R$ 11,5 milhões, que podem ter sido na época US$ 6 milhões, não sei. Então, houve uma discussão, era 10 milhões, passou para 6, depois para… ou seja, houve uma discussão, queriam 4 e acabaram chegando a um acordo”, relatou.

“Quem discutia era o dono do dinheiro, que eram os diretores, o diretor, mas acertado Cerveró com Paulo, porque apesar de o Paulo não ter recursos, eu lembro disso, Paulo não tem mais nada, não tinha como pagar, o Cerveró assumiu e depois fizeram um encontro de contas, não sei explicar ao senhor como porque eu não participava desse acordo”, afirmou.

Jorge Luz foi direto. “O político sabe que quem está com a mão na massa é quem tem o dinheiro. Para ele, se vem da P10K, P 10 mil, PV 20 mil, 30 mil, para ele não importa.”

A Sérgio Moro, o lobista relatou que foi informado por Fernando Soares, o Fernando Baiano, apontado como operador do PMDB, que os dois agentes públicos estariam ‘balançando’ em seus cargos por volta de 2005, e , por isso, pediu ajuda aos parlamentares. Em troca da suposta solicitação, os três teriam pedido propinas.

O lobista é réu acusado de intermediar propinas de R$ 2,5 milhões de executivos da empreiteira Schahin para funcionários da Petrobrás no âmbito de contratos da estatal.

Ele e seu filho, Bruno, também são investigados neste processo por intermediar valores indevidos a políticos do PMDB.

A Moro, o lobista alegou que conhecia Jader e Renan ‘desde os anos 80’, e que voltou a contatá-los após ter recebido um pedido de ajuda de Fernando Baiano para ajudar os dois diretores da Petrobrás, em 2005. Segundo Luz, os agentes estavam ‘balançando no cargo’ e Baiano via nele uma chance de ‘aproximação com o PMDB’.

De acordo com o lobista, ele chegou a entrar primeiro em contato com Aníbal Gomes, que seria ‘muito ligado ao Renan’. O deputado teria tido uma primeira conversa com Jader, Renan e Silas Rondeau (ex-ministro de Minas e Energia do governo Lula). Com a resposta positiva dos peemedebistas a ajudar Cerveró e Paulo Roberto Costa, teriam ‘começado as negociações’.

“Havia um pedido alto para que houvesse esse apoio, o apoio se traduziria em ajuda financeira, e em uma oportunidade de que esses políticos pudessem participar de operações que viessem a surgir no decorrer do tempo. Isso aconteceu, acertaram. havia sido pedido um número, discutiram, e o Fernando e o Anibal – porque o Fernando representava os diretores e o Anibal os políticos – chegaram ao valor de 11,5 milhões de reais”, afirmou.

Jorge Luz afirmou a Moro que ainda houve uma reunião para que os diretores da Petrobrás tivessem certeza de quem seriam os beneficiários da propina. “Estávamos eu, o Cerveró o Paulo Roberto Costa, Anibal, Jader. Eu não tenho certeza se o Renan estava”.

Segundo Luz, o dinheiro vinha de uma ‘negociação que tinha sido feita entre o Fernando Soares junto com a Samsung, através de seu representante, Júlio Camargo’.

O lobista ainda disse a Moro que ‘sempre havia atrasos’ nos pagamentos e começou a existir um ‘desgaste’ entre Aníbal Gomes e Fernando Baiano. “O Aníbal pedia, pedia, e o Fernando, pelas razões que alegava, não podia, tava atrasado”.

“O Aníbal passava as contas para o Fernando, o Fernando passava para o Julio Camargo e o Julio fazia os pagamentos. O controle dos 11 milhões eu não tenho porque eu não participei. Eu participei de toda a estruturação e, quando em determinado momento a relação passou a ficar muito difícil, eu passei a ser intermediário na recepção das contas que o Aníbal passava e eu entregava ao Fernando. isso foi feito. Os 11 milhões e meio vieram”.

Amigos para sempre

Dia do Amigo Imagem 4
Hoje (20), DIA DO AMIGO, é uma ocasião propícia para fazermos como os bancos: avaliar e recadastrar as nossas amizades para, se for o caso, expurgarmos do nosso convívio aquelas que não merecerem mais crédito em termos de lealdade e de confiança. Aquelas que são movidas apenas pelo interesse, que só querem ser ajudadas e que esquecem os favores recebidos, que não são solidárias nos momentos difíceis, que são ingratas, enfim, que desmerecem o nosso bem-querer. Por outro lado, devemos continuar valorizando as amizades sinceras, leais, solidárias na alegria ou na tristeza, na abastança ou na miséria.

Amigos(as), BOM DIA! E que sejamos, como diz a canção, “na primavera, ou em qualquer das estações, nas horas tristes, nos momentos de prazer, amigos para sempre...”

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Deputado 'brigão' do Pará defende Lobão para ministro da Cultura

O deputado Wladimir Costa (SD-PA)
No jornal O Estado de SP (Estadão)
Depois de chamar um grupo de artistas de “vagabundos da Lei Rouanet” no plenário da Câmara na semana passada, o deputado Wladimir Costa (SD-PA) promete lançar uma campanha para que o músico Lobão seja convidado a assumir o Ministério da Cultura. “Vou falar com o presidente Michel Temer e fazer uma campanha nas redes sociais. Ele é o único que pode enfrentar esses artistas que enriqueceram mamando na lei Rouanet”, afirma o político que também declarou fidelidade absoluta a Temer e avisou que vai soltar fogos dentro da Câmara se o plenário barrar o pedido para investigá-lo, no próximo dia 2 de agosto. O deputado, que também é cantor e apresentador de programa policial, diz “não fugir do pau e ser brigão mesmo” – e que gostaria de dizer pessoalmente aos artistas tudo o que disse na Câmara dos Deputados. “Onde eles quiserem, com dedo na cara e peito aberto. Pode chamar Caetano, pode chamar Wagner Moura, Glória Pires, Chico Buarque...”.

A ira do deputado contra parte da classe artística começou quando um grupo, que tem como uma das coordenadoras a produtora e atriz Paula Lavigne, lançou uma campanha pela internet chamada 342 Agora – com a intenção de pressionar deputados para votarem a favor da admissibilidade da denúncia contra o presidente Michel Temer. Do ponto de vista de Costa, os artistas do 342 “são um bando de aproveitadores, pseudoesquerdistas, comprados pelo PT. Eles abraçaram a causa petista para abocanhar a lei Rouanet”.

“Por que esse ódio ao Temer? Por que o Temer cortou a verba, a mamata, que ia para essa gente. Ele vai mudar a lei Rouanet. Vamos redesenhar a lei. E não deixar nada para esse bando de vagabundos e oportunistas”, bradou. “Esses artistas são insanos e perigosos. Nunca tiveram responsabilidade com a cultura brasileira”, continuou ele, no mesmo tom.

Ao telefone, Costa ironizou a participação de Caetano Veloso cantarolando uma versão de Sozinho, música de Peninha, mas sucesso na voz de Caetano: “Às vezes no silêncio da noite/ Eu fico imaginando você/ Falso esquerdista patife/tarado por lei Roanet/ O Caetano malvado, também se aproveitou/Nunca pensou nos pequenos/ Neles, pisoteou...”

'Compostura'. Paula Lavigne respondeu às provocações do deputado: “Só posso lamentar essa falta de compostura de um deputado federal, que deveria usar a tribuna do plenário da Câmara para propor ideias e projetos que melhorem a vida dos cidadãos, ao invés de promover ataques a uma classe de profissionais que trabalha duro”, disse. “Ele deveria, mais do que tudo, conhecer as leis e saber que injúrias e ataques à honra de cidadãos são crimes. Não pretendemos bater boca em relação a uma fala de tão baixo nível”.

Costa tem uma postura histriônica como deputado. Na votação do impeachment de Dilma Rousseff, ele soltou um rojão de confetes logo após o seu voto (pelo afastamento da então presidente). Na Comissão de Constituição de Justiça (CCJ), além de atacar os artistas do 342, chamou o relator Sergio Zveiter (PMDB-RJ) de burro. “Burro, incompetente e mal-intencionado. Qualquer estudante de Direito sabe que ele errou naquele relatório”, diz. Costa também atacou outros parlamentares e gritou que a deputada Benedita da Silva (PT-RJ) usaria “calcinha de plástico”.

Emendas. Tanto empenho em defender o mandato do presidente levantou suspeitas. Um levantamento feito pela Associação Contas Abertas, e divulgado pelo Jornal Nacional, da TV Globo, mostrou que o governo liberou em junho R$ 134 milhões em emendas para 36 dos 40 deputados que votaram a favor de Temer na CCJ. Desse montante, R$ 4 milhões seriam para emendas de Costa. “Disseram que o governo liberou R$ 4 milhões para o meu Estado por causa do meu voto na CCJ. Ora, vou lá brigar e arrancar o cabelo de Temer. Meu Estado é pobre, precisa é de R$ 100 milhões", precificou.

Em julho de 2016, o deputado chegou a ter o mandato cassado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Pará por gastos irregulares de campanha. Pouco depois, a decisão foi revertida pelo Tribunal Superior Eleitoral.

Costa, que diz ter “53 anos de idade, mas tesão de 20”, gosta de cultivar a fama de brigão e polêmico. É possível encontrar vídeos do deputado cantando uma espécie de lambada, sob a alcunha artística de Wlad (como ele gosta de ser chamado). Nas redes sociais, fez fotos fantasiado de índio e outras tantas sem camisa. Sobre as consequências de suas declarações, Costa é sucinto: “Não arrego”.

Decreto dispensa reconhecimento de firma em órgãos federais

O reconhecimento de firma de documentos a serem entregues em órgãos públicos federais só será necessário se houver dúvida quanto à autenticidade ou previsão legal das informações. A medida foi oficializada nesta terça-feira (18/7) pelo Decreto 9.094/2017, publicado no Diário Oficial da União.

“Exceto se existir dúvida fundada quanto à autenticidade ou previsão legal, fica dispensado o reconhecimento de firma e a autenticação de cópia dos documentos expedidos no País e destinados a fazer prova junto a órgãos e entidades do Poder Executivo federal”, prevê o dispositivo em seu artigo 9º.

Outra mudança é que a apresentação de documentos poderá ser feita por meio de cópia autenticada não sendo necessária a conferência com o original.

A autenticação de cópia de documentos, especifica a norma, poderá ser feita pelo próprio servidor público que receber a documentação, a partir do documento original. Em caso de falsificação de informações, continua, serão adotadas medidas administrativas, civis e penais.

Liberação de verbas: Sempre foi asssim

Critica-se a liberação de emendas parlamentares como fosse fato inédito. Todos os governos em maus lençóis agem assim. No mesmo espaço de tempo que Michel Temer liberou R$1,8 bilhão, Dilma pagou R$3,2 bilhões para tentar se livrar do impeachment.

Barrigas cheias
Os deputados cariocas Alessandro Molon (Rede) e Chico Alencar (Psol) reclamam da liberação, mas levaram quase R$ 10 milhões em emendas. Eles e os que votaram contra Temer na CCJ receberam R$55,7 milhões. 
(Fonte: Diário do Poder - Claudio Humberto) 

Mais aqui >Oposição protocola representação na PGR contra emendas de Temer

Brasileiros apoiam redução do Senado e Câmara

 
Cerca de 1,4 milhão de pessoas já opinam favoravelmente à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 106/2015 que reduz o número de membros da Câmara dos Deputados de 513 para 386, e do Senado Federal de 3 para 2 por unidade da Federação (de 81 para 54 senadores). Segundo os números do E-Cidadania, no portal do Senado, apenas 8,2 mil pessoas (0,005% do total) são contra a PEC. 

Em 2003, Câmara e Senado empregavam 8.648 pessoas. O número de parlamentares não se alterou, mas dobrou o de servidores: 16.381. O custo anual da folha da Câmara, em 2016, foi de R$4,3 bilhões, dos quais pouco mais da metade (R$2,7 bi) se referem a servidores ativos.

Funcionários do Senado custam ao contribuinte R$3,3 bilhões por ano. São R$1,6 bilhão para da ativa e R$1,7 bilhão para os inativos.

Parabéns, GIGI

Esta é a Giovanna, minha querida neta, que hoje (19) está mudando de idade. Parabéns, Gigi!
Eu e ela, remistas de amor e paixão

Moro compara Lula a Cunha

SAO PAULO - SP - 04.10.2016 - O juiz Sergio Moro, durante 5 Forum Nacional dos Juizes Criminais, realizado no hotel Renaissance, em Sao Paulo. (Foto: Danilo Verpa/Folhapress, PODER) ORG XMIT: SERGIO MORO 
Em decisão que responde ao primeiro recurso do ex-presidente Lula na ação que o condenou por corrupção, o juiz Sergio Moro negou, ontem (18), todos os pedidos da defesa e ainda comparou o petista ao ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Moro voltou a refutar a tese de que Lula nunca foi o proprietário de fato do tríplex no Guarujá (SP).

O magistrado comparou o caso do petista ao de Cunha –pois "ele [Cunha] também afirmava, como álibi, que não era o titular das contas no exterior que haviam recebido depósitos de vantagem indevida".

"Em casos de lavagem, o que importa é a realidade dos fatos segundo as provas, e não a mera aparência", escreveu.

Segundo o juiz, que negou omissão, obscuridade ou contradição na sentença, as questões trazidas pelos advogados "não são próprias de embargos de declaração".

O depoimento do executivo Leo Pinheiro, da OAS, contestado pela defesa, foi considerado por Moro "consistente com as provas documentais do processo", ao contrário dos álibis do ex-presidente, segundo o juiz.

Pinheiro afirmou que a compra e reforma do apartamento para Lula foram deduzidas de uma "conta-corrente de propinas" que a OAS mantinha com o PT –o que, para a defesa, é uma tese "fantasiosa".

Moro ainda escreveu que as declarações das testemunhas de defesa, que falaram sobre o aparato anticorrupção construído durante o governo do petista, "não excluem a constatação de que o ex-presidente foi beneficiado materialmente em um acerto de corrupção".

O despacho também esclareceu que a indenização de R$ 16 milhões, arbitrada pelo juiz na sentença, serão destinados à Petrobras, para reparação dos danos do crime.

O juiz, por fim, abriu prazo de oito dias para que o Ministério Público Federal apresente as razões de apelação da sentença. A defesa de Lula também deverá apelar. O caso ainda será julgado pelo TRF (Tribunal Regional Federal) em Porto Alegre. (Folha de SP)

Com morte de 'Getulinho', suicídio atinge três gerações da família Vargas

Morreu, nesta segunda-feira, Getúlio Dornelles Vargas Neto, neto do ex-presidente Getúlio Vargas, aos 61 anos. O corpo do advogado, um dos fundadores do Partido Democrático Trabalhista (PDT), foi encontrado em seu apartamento, no bairro Moinhos do Vento, bairro nobre da capital gaúcha. A Polícia Civil afirma que Dornelles cometeu suicídio. Ele repetiu o gesto do pai, Maneco Vargas, e do avô Getúlio Vargas, ex-presidente da República, que se mataram com um tiro no peito. 
Três gerações da família Vargas foram abaladas por suicídio. Assim como o seu avô, o presidente Getúlio Vargas (1882-1954), e o seu pai, Manuel Antônio Vargas (1916-1997), o advogado Getúlio Dornelles Vargas Neto (foto) tirou a própria vida, aos 61 anos. Ele tinha o mesmo nome do avô.

"Getulinho", como era chamado por amigos, foi encontrado morto em seu apartamento no bairro Moinhos de Vento, em Porto Alegre, na última segunda-feira (17). A Polícia Civil investiga o caso, mas confirma que a causa da morte foi suicídio com um tiro na região da têmpora. Ele deixou uma carta para os familiares, mas não revela a motivação.

Modernidade: No jogo do bicho, o 'vale o escrito' não vale mais

Por Alvaro Costa e Silva, jornalista - Estadão
Um leitor estranha que no Rio ainda haja bicheiros, e que estes comandem a Liga Independente das Escolas de Samba. Não só aqui, meu caro, mas em todo o Brasil o jogo do bicho, criado em 1892, continua poderoso. E tão visível que ninguém mais repara, por corriqueiro. Em cada esquina tem um ponto. Já faz parte da paisagem.

Em sua "História do Brasil pelo Método Confuso", publicada em 1920, Mendes Fradique escreve que ele foi "convertido em uma instituição nacional permanente, sob a guarda das autoridades civis e militares". As apostas, feitas em papeluchos, sempre honradas: quem ganhava recebia em dinheiro vivo. O bicho tinha até sua "Constituição", em parágrafo único: "Vale o escrito".

Outro dia sonhei que havia um jacaré debaixo da cama. Resolvi tentar a sorte. No ponto, encontrei uma mocinha segurando uma maquineta, semelhante às de pagamento com cartão de crédito. O "bicho eletrônico" possui software, sistema operacional, chips e rede de intranet. O escrito não vale mais. Vale o impresso. 

Dia Nacional do Futebol Imagem 2
Você sabia que nesta quarta-feira é o Dia Nacional do Futebol? Pois é, num desses momentos em que falta algo melhor para fazer, se resolveu instituir uma efeméride para celebrar o esporte mais popular do país. A data refere-se à fundação do Rio Grande, pioneira equipe gaúcha de 1900, pouca coisa mais velho do que a gloriosa Ponte Preta (11 de agosto do mesmo ano).

terça-feira, 18 de julho de 2017

Neymar fora do Barcelona. É muita grana!

A maior transação da história do futebol pode ser confirmada em breve. Segundo o portal Esporte Interativo, Neymar teria aceito a proposta do Paris Saint-Germain e estaria de saída do Barcelona.

O negócio com o clube catalão já estaria fechado e o anúncio do atacante brasileiro pode ser feito nas próximas semanas pelo clube francês.

Segundo a imprensa espanhol, Neymar "estava infeliz no Barcelona" e que o clube parisiense se mostrava disposto a pagar a multa rescisória de 222 milhões de euros (R$ 809 milhões).

O salário de Neymar deve ser ficar em torno de 40 milhões de euros (R$ 148 milhões) por ano ao craque. Isso supera o que Tevez fatura na China (38 milhões de euros, o equivalente a R$ 140,6 milhões). O valor é bem maior que os 15 milhões de euros (R$ 55,5 milhões) que Neymar recebe hoje, e também muito acima do que ganham Messi (24 milhões de euros, ou R$ 88,8 milhões) e Cristiano Ronaldo (21 milhões de euros, R$ 77,7 milhões).

Alter do Chão é um paraíso

Neste mês de férias, uma sugestão: visite Santarém, a famosa Pérola do Tapajós, e programe ida à  Alter do Chão para desfrutar dos prazeres que a vila balneária oferece, como por exemplo, o banho nas águas do rio Tapajós, na famosa Praia do Amor. Ano passado (foto) eu estive lá e adorei.

Anotem e acreditem que é pura verdade isto que alguém já disse: "Alter do Chão é a coisa mais parecida com estar no céu, no paraíso. Praia belíssima, água cristalina e gostosa, sol maravilhoso"

14 anos sem Edwaldo (Didi) Martins

Década de 70, em um evento social no Tropical Hotel de Santarém, Graça Gonçalves, Ubaldo Correa, Ercio Bemerguy e Edwaldo Martins.
Hoje, 18 de julho, completam-se 14 anos da morte do colunista social Edwaldo de Souza Martins. Didi, como era carinhosamente chamado, foi meu amigo e companheiro de trabalho no Banco da Amazônia.

No dia 5 de junho do ano (2003) do seu falecimento, Didi, mesmo enfermo e falando com dificuldade, telefonou-me para dizer: "Parabéns, mocorongo!" (era o dia do meu aniversário). Foi a última vez que conversamos. Na ocasião, disse que sentia falta do bolinho de piracuí e da caldeirada de tucunaré que muitas vezes saboreou no Bar/Restaurante Mascote e no Tropical Hotel (hoje, Barrudada Hotel). Falou sobre a sua admiração e o seu grande amor por Santarém, fazendo referências elogiosas à maneira como era sempre recebido e tratado pelos seus inúmeros amigos da Pérola do Tapajós, citando Graça Gonçalves, Ubaldo/Eunice Correa, Luiz Rodolfo/Marcia Carneiro, Aristeu/Betânia Conrado, Paulo/Socorro Lisboa, entre outros.
Edwaldo e o casal Aristeu (Betânia) Conrado
Edwaldo era mesmo fã da terra santarena, e sempre divulgava e enaltecia as belezas da cidade e a hospitalidade de seu povo. Simples, sincero, profissional respeitado e muito querido, dono de um coração cheio de amor e bondade. Por tudo isso, ele deve estar, agora, em bom lugar. Descansa em paz, DIDI.

Após empate com o Clube do Remo, torcedores do Fortaleza se revoltam e agridem jogadores com chutes e pontapés

Domingo (16), após empate em 1 a 1 com o Clube do Remo, quarto jogo seguido sem vitória, os zagueiros Edimar e Adalberto, o volante Wellington Reis e o atacante Jô saiam do vestiário quando foram cercados por cerca de dez homens, que agrediram os atletas com chutes e pontapés. A situação só foi contornada com a chegada da Polícia Militar.

Apesar da revolta de alguns torcedores, o Fortaleza está em segundo lugar no seu grupo. O clube divulgou nesta segunda-feira uma nota oficial lamentando o corrido.

"O Fortaleza se solidariza com atletas que foram agredidos na saída do estádio Presidente Vargas O Fortaleza tem em sua essência o branco da paz, diria Jackson de Carvalho, autor de nosso hino. Por isso nos causa uma tristeza profunda noticiar que alguns atletas do clube foram covardemente agredidos na saída do estádio Presidente Vargas. Atos como esses são resultado de atitudes individuais e isoladas, que em nada representam a grandiosidade e a lealdade da torcida tricolor. O clube tem feito tudo para estimular e promover a paz, com ações inovadoras, que vêm sendo elogiadas em todo o país. Seguiremos neste caminho. A paz é uma conquista. Aos agressores, nossa indignação. E não só isso: o clube vai trabalhar pela identificação e tomará as providências cabíveis".

Caixa prevê adesão de 5,5 mil funcionários a programa de demissão voluntária

 
A Caixa reabriu ontem (17) as inscrições para o Programa de Desligamento Voluntário Extraordinário (PDVE), com prazo de adesão até o dia 14 de agosto. A diretoria do banco espera adesão de 5,5 mil funcionários entre os que se enquadram nas regras estabelecidas como aposentados ou quem tem pelo menos 15 anos de empresa.

Em fevereiro, foi aberto um PDV com o objetivo de alcançar 10 mil funcionários, dentre os cerca de 30 mil que trabalhavam na empresa. Segundo a Caixa, 4.429 participaram do programa no início do ano. Agora o programa espera completar os 10 mil, estabelecendo o limite de 5,5 mil desligamentos voluntários.

O incentivo financeiro, de caráter indenizatório, será equivalente a dez remunerações base do empregado, limitado a R$ 500 mil. O benefício será pago em parcela única, sem incidência de Imposto de Renda (IR), recolhimento de encargos sociais e contribuição à Fundação dos Economiários Federais (Funcef).

Podem aderir ao programa os empregados aposentados pelo INSS até a data de desligamento, quem estiver apto a se aposentar pelo INSS até 30 de dezembro, quem tiver, no mínimo, 15 anos de trabalho na Caixa até a data de desligamento e quem tiver adicional de incorporação de função de confiança/cargo em comissão/função gratificada até a data de desligamento.

Segundo o banco, o objetivo é ajustar a estrutura ao cenário competitivo e econômico atual, buscando mais eficiência. A opção pela adesão fica a critério do empregado. A Caixa analisará a proposta e poderá acatá-la ou recusá-la. O desligamento ocorrerá por meio de rescisão do contrato de trabalho a pedido, dispensando-se o cumprimento de aviso prévio. O desligamento dos funcionários que aderirem ao PDV deve ocorrer de 24 de julho a 25 de agosto, segundo informou o banco.

Conselho Regional aprova vacinas em farmácias

 
O presidente do Conselho Regional de Farmácia do Pará, Daniel Jackson Pinheiro Costa, afirma que é desnecessária para a população a polêmica criada em volta da regulamentação de as farmácias oferecerem serviços de vacinação no País. Atualmente, além da rede pública de saúde, somente as clínicas de vacinação particulares podem oferecer o serviço. Contudo, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) está elaborando regulamentação que trata sobre os requisitos mínimos para as farmácias aplicarem a vacina. A norma já passou por consulta pública. Segundo Daniel Costa, com a entrada das farmácias na rede de imunização, o brasileiro vai dispor de mais unidades de serviços de vacinação e por menor preço.

Daniel Costa assegura que a regulamentação da Anvisa para as farmácias só trará ganhos à sociedade em geral. “A vacina é um medicamento e ninguém entende mais de medicamentos do que o farmacêutico, então, nós não vemos o porquê dessa polêmica. Ela é desnecessária. As farmácias estão preparadas do ponto de vista técnico, legal e agora só falta a questão sanitária para que a gente tenha essa regulamentação’’.

‘’Eu falo em nome do Conselho Regional de Farmácia que isso até está demorando até demais, pois é um clamor da sociedade no sentido de se ter um campo maior de serviço. Existem cerca de 70 mil a 75 mil farmácias no Brasil e são somente 750 clínicas de imunização, se 10% das farmácias brasileiras oferecem o serviço, nós já vamos ampliar em mais de 10 vezes a possibilidade de acesso à população aos programas de imunização’’, argumenta o titular do CRF Pará.

Daniel não aceita o argumento de que as farmácias não estão preparadas para oferecer o serviço de imunização. As farmácias são estabelecimentos de saúde, regulamentados e fiscalizados em todo o Brasil e existem regras para a aplicação de injetáveis, diz Daniel, adiantando que haverá também regras para as vacinas e as farmácias estão preparadas para cumpri-las com rigor.

Sobre a necessidade de uma avaliação imunológica e alergológica do paciente, antes da vacinação em si, o que segundo alguns médicos é uma competência exclusiva de um profissional médico, Daniel Costa afirmou que o farmacêutico tem um papel específico no processo de vacinação. “Eu garanto a presença de farmacêuticos nas farmácias, e tenho dados inclusive da fiscalização oficial sobre isso. Eu gostaria de ter esses dados por parte dos órgãos de medicina. Farmacêutico não faz diagnóstico, ele tem de fazer a anamnésia (ato de relembrar os antecedentes do paciente) do ponto de vista da aplicação dentro de um protocolo, que aí, sim, os governos municipal, estadual e federal farão as adequações porque isso é inevitável. Esse protocolo para a adesão dos pacientes aos processo vacinal sem dúvida alguma será instalado. Então essa questão de dizer que é preciso fazer uma análise, é tentar colocar barreiras onde elas não existem, porque se nós fizermos uma inspeção agora em dez clínicas de imunização, será que nós vamos encontrar médicos em todas? E nos postos de saúde?’’, questiona.

PREÇOS
Além disso, ele alega que se as farmácias dispuserem do serviço de vacinação, os preços da imunização vai cair no Brasil. Daniel disse que o Conselho tem dados que revelam que o valor médio de uma vacina encontrado nas clínicas de imunização é 300% acima do que está sendo aplicado pela própria agência reguladora. “A gente entende que a democratização, a amplitude do serviço e a concorrência vai permitir um preço mais acessível à população. Eu até já vi alguns comentários de que as farmácias terão de ter uma câmara fria, isso não é problema algum. O custo de um câmara fria é muito baixo, perto do que a farmácia pode investir para ter mais clientes’’, argumentou o presidente.

Para o médico Newton Bellesi, a medida, no entanto, precisa ser vista com cautela. “O paciente deve estar no foco principal, não o estabelecimento. Vacinação é muito segura, mas não completamente desprovida de riscos. Existem certos riscos, e alguns são fatais, caso não tenha médico no momento para atender o paciente. O atendimento, em casos de reações adversas, é atribuição do médico. No caso, teria que modificar as leis para que o farmacêutico pudesse atender. O farmacêutico, geralmente, não é preparado para atender este tipo de coisa. Ele é preparado para atender o receituário, para preparar remédios, organizar a farmácia, não para este tipo de atividade”, explica. (Ormnews)

Isto é incrível!

Os clubes paraenses, sem exceção, estão endividados, notadamente com compromissos pendentes junto à Justiça do Trabalho, mas os dois "grandes", Remo e Paysandu, não param de contratar jogadores com salários altíssimos. No Paysandu, por exemplo, o atacante Marcão ganha R$ 60 mil/mês, o Bergson R$ 52 mil. Entre salários, direitos de imagem e auxílio-moradia, o Papão da Curuzu contabiliza uma folha salarial em torno de R$ 750 mil/mês.

Kakay: “O combate nos limites da legalidade”

O artigo a seguir é de autoria do criminalista Antônio Carlos de Almeida Castro (Kakay), advogado de réus do mensalão e da Lava Jato. Segundo o autor, é um alerta a partir dos “abusos que começam a ser apontados pela imprensa internacional”.

"Há três anos eu venho fazendo palestras por todo o Brasil, e mesmo no exterior, onde aponto que o Legislativo brasileiro está acuado, impotente, sem voz por ter os seus principais líderes investigados. O Executivo com uma profunda crise de legitimidade, e vivemos uma época de Super Poder Judiciário. Que legisla. Que ocupa todos os espaços, pois não existe vácuo na política.

Um momento agravado por um Ministério Publico que, embora exercendo um poder fundamental, se apaixonou pela sua própria força, pela sua imagem e apostou na espetacularização do processo penal, de forma messiânica e até banal. É claro que todos devem ser investigados, processados e condenados se houver provas.

Mas o Ministério Público detém a pauta do Executivo, do Legislativo e do Judiciário. Investiga sem compromisso com o tempo, super expoē a todos, permite vazamentos que levam a prejulgamentos, usa a mídia de maneira punitiva e irresponsável.

Males peemedebistas

Editorial - Folha de SP
O senso comum apontará o PT, decerto, como o partido mais devastado pela Lava Jato e por escândalos de corrupção diversos —o que, dada a projeção nacional de seus expoentes atingidos, será impressão das mais razoáveis.

É interessante observar, todavia, o que acontece com a mais enraizada das legendas nacionais, o PMDB, cuja resistência se deve, no mais das vezes, ao poder de caciques e oligarquias locais.

Deixe-se de lado, por um momento, a batalha do presidente Michel Temer para se manter no cargo; as agruras peemedebistas, assim como o poder político da sigla, são bem mais descentralizadas.

Conforme noticiou esta Folha, nada menos que dez presidentes de diretórios regionais do PMDB (alguns licenciados) são alvos de inquéritos ou processos, sob suspeita de corrupção ou outros crimes.

Desse grupo, Geddel Vieira Lima (BA) cumpre prisão domiciliar, e Henrique Eduardo Alves, preventiva. Ambos foram ministros do governo Temer.

Todos são nomes fortes na economia interna do partido, a exemplo de Eunício Oliveira (CE), presidente do Senado, Renan Calheiros (AL), Romero Jucá (RR), Jader Barbalho (PA) e Jorge Picciani (RJ).

Faça-se a ressalva óbvia e necessária de que, nesta etapa, não há culpa estabelecida de nenhum dos listados. Ainda assim, a amplitude dos casos não deixa de ser reveladora dos rumos tomados pela sigla ao longo de décadas.

Nascido como oposição consentida ao regime militar, o antigo Movimento Democrático Brasileiro reunia ideologias e grupos heterogêneos, sob o denominador comum de combate ao autoritarismo.

Depois de naufragar em sua primeira experiência de governo nacional, com José Sarney, o PMDB se manteve forte no Legislativo, nos Estados e nos municípios. Ao longo dos anos, tornou-se epítome do vazio programático e do fisiologismo que grassam na vida partidária do país.

Quem quer que ocupasse o Planalto, o PMDB emprestava seu peso, ou parte dele, à sustentação do governo, em troca de cargos e verbas. Tal capacidade de adaptação deriva do DNA da sigla, um conglomerado de líderes regionais a atuar com ampla liberdade, reduzida coordenação e nenhuma ascendência uns sobre os outros.

Pelos mesmos motivos, dificilmente se verá entre peemedebistas a iniciativa de punir dirigentes que incorram em malfeitos. Os próximos anos dirão se isso será um trunfo ou uma fraqueza.

Lula e Bolsonaro

Por Eliane Cantanhêde - Estadão
Enquanto o prefeito João Doria estuda as falas e trejeitos de Emmanuel Macron e tenta mimetizar a eleição dele no Brasil, o deputado Jair Bolsonaro vai tentando, devagar e sempre, seguir a trilha de Donald Trump, que era tão absurdo, ninguém acreditava e chegou lá. Uma surpresa mundial. Ou melhor, um susto.

A imprensa americana – e, por conseguinte, a brasileira – não viu Trump, não acreditou em Trump, ridicularizou Trump e, no final, foi obrigada a engolir a vitória dele para a presidência da maior potência mundial. Agora, a opinião pública nacional não acredita, não vê e não leva Bolsonaro a sério. O risco é ser novamente surpreendida.

Homem de comunicação, Doria é um craque midiático e está todos os dias nas capas de sites e de jornais, nos programas mais populares de TV e em rádios de diferentes regiões. Bolsonaro é quase ausente da mídia nacional, mas faz sua divulgação no corpo a corpo em aeroportos, nas chegadas a cidades de todo o País e em reuniões fechadas.

“Anfíbio” que passou parte da vida na caserna e está no seu sétimo mandato na Câmara, viaja muito, abre filas de curiosos ávidos por selfies com ele, agita voos de lá para cá e é recebido como candidatíssimo, não raro com a improvisação de palanques e megafones. As pessoas começam a se perguntar: “E o Bolsonaro, hein?”

As respostas oscilam em três categorias: há os que o apoiam porque sentem ojeriza pela política e uma vaga nostalgia da ditadura militar; os que têm verdadeira ojeriza ao próprio Bolsonaro e ao que ele representa; e um grupo crescente que nem é tão a favor nem tão contra, mas manifesta curiosidade diante dele.

A eleição de Bolsonaro para a Presidência é altamente improvável, porque ele representa um nicho, não a maioria, e porque ele é pouco conhecido e campanhas são cruéis e reveladoras. São o momento de mostrar as fragilidades e até “os podres” dos candidatos. No mínimo, o que ele entende de economia, negociação política e administração pública?

Mas Bolsonaro está crescendo. Segundo o DataPoder360, que entrou no complexo mundo das pesquisas neste ano, ele já tem 21% e está em empate técnico com o líder Lula (23%), num cenário em que Doria e Marina Silva estão com 13% e 12%. Num outro cenário, com Geraldo Alckmin no lugar de Doria, Lula tem 26% e Bolsonaro, novamente, ostenta 21%. Alckmin fica em terceiro, com 10%, e Marina em quarto, com 6%.

A esta altura, as pesquisas não projetam resultados, apenas apontam tendências, e uma tendência clara é que Bolsonaro está no jogo, um jogo perigoso não só por causa dele. Há um consenso de que a eleição de 2018 será entre candidatos não enrolados na Lava Jato, caso do próprio Bolsonaro, Marina, Doria e Ciro Gomes, o lanterna, por enquanto, mas o líder das pesquisas é considerado também o líder da Lava Jato: o ex-presidente Lula.

Condenado pelo juiz Sérgio Moro, ele poderá se candidatar se o TRF-4 absolvê-lo ou simplesmente não julgá-lo antes do registro da chapa no TSE. Também poderá se o tribunal confirmar a sentença de Moro, mas a defesa entrar com recurso e um tribunal superior der liminar favorável. Os petistas se mobilizam para mudar as regras do jogo com a chamada “Emenda Lula”, que altera o prazo para a prisão de candidatos, de 15 dias para oito meses. Um escândalo.

São dois riscos: a vitória de Lula seria o fim e a desmoralização da Lava Jato, mas, sem ele na eleição, o primeiro nas pesquisas pode passar a ser Bolsonaro. Não é para eleger Lula nem os Bolsonaros da vida que o Brasil faz a faxina que faz. Quem será em 2018, ninguém sabe. Mas quem não deve ser, todos precisamos saber. É melhor prevenir do que remediar.

Saneamento atrai investidores

Editorial - Estadão
A grande dificuldade do País para ampliar o sistema de saneamento básico – cujas deficiências comprometem a saúde de milhões de brasileiros, sobretudo crianças – na velocidade necessária para o cumprimento da meta de universalização dos serviços até 2033 está se transformando numa oportunidade de investimentos para empresas e fundos com grande volume de recursos em caixa. O modelo de concessões e outras formas de desestatização de ativos no setor de infraestrutura desenhado no ano passado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para atrair capitais privados colocou os programas de saneamento básico em 18 Estados entre os que interessam aos investidores. Como mostrou reportagem do Estado, consultorias privadas estimam que as concessões ou as Parcerias Público-Privadas (PPPs) na área de saneamento sob as novas regras podem movimentar de R$ 20 bilhões a R$ 30 bilhões.

Brasil corrupto

Um levantamento feito pela AML Consulting, especialista no mercado de soluções e serviços de prevenção à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo, revelou que há mais de 187 mil pessoas físicas e empresas envolvidas em falcatruas ligadas a corrupção no Brasil. A plataforma utilizada pela consultoria contém dados de mais de 730 mil perfis. Mais de 140 mil estão envolvidos em casos de formação de quadrilha e 94 mil aparecem ligados a fraudes.

Batizada de Risk Money, a plataforma reúne informações sobre pessoas físicas e jurídicas que requerem especial atenção, dentre elas as associadas a crimes financeiros ou infrações penais que antecedem à lavagem de dinheiro. Outra seção contempla Pessoas Expostas Politicamente (PEPs) e seus relacionados, além de pessoas ligadas ao terrorismo. As PEPs são indivíduos que ocupam ou já ocuparam cargos, empregos ou funções públicas de relevância, além de seus familiares e outras pessoas do seu círculo de relacionamento. Elas podem ser eleitas, como governadores e prefeitos, ou nomeadas, como reitores de universidades e ministros. A lista segue as recomendações do Grupo de Ação Financeira contra Lavagem de Dinheiro.

Há diferença?

E sobre essa onda de modernidade, de mudanças de hábitos, comentava-se ontem em uma mesa de um restaurante da Estação das Docas, que a esposa de um conhecido empresário o flagrou saindo de um motel com uma "talentosa" universitária. Aos gritos, fez o maridão parar o carrão e, dirigindo-se à acompanhante, disse: "Desce daí para apanhar, sua prostituta vagabunda!" - A ofendida, sem perder o charme e a formosura, replicou: "Epa! Epa! Me respeite! Eu não sou isto não, sou ´garota de programa`.

Diante deste "barraco", a pergunta que não quer calar é esta: há alguma diferença entre ser "garota de programa", put..., prostituta, ou rapariga, como era chamada antigamente? Você decide, leitora(a)!

Nas próximas eleições a bandeira do Estado do Tapajós irá tremular

E os movimentos em prol da criação do Estado do Tapajós, estão parados, acabaram? Tudo indica que sim, pois não se fala mais nisso, nada está sendo feito ou divulgado para reacender a chama do sonho da emancipação. Mas, aguardem! Nas eleições do próximo ano, surgirão muitos candidatos se esgoelando, fazendo inflamados e comoventes discursos, dizendo que querem ser eleitos para defenderem intransigentemente a criação do novo Estado. Dirão, ainda, que agirão impulsionados pelo amor, pela imensa paixão que sentem pelo povo de Santarém e dos demais municípios do Oeste do Pará. Sem dúvida alguma, assistiremos muitos cabos eleitorais derramando lágrimas de emoção, fazendo o público acreditar em tudo o que os seus candidatos dizem nos palanques eleitoreiros. Espera-se que os eleitores façam valer a sua dignidade e não se deixem mais uma vez serem iludidos por falsas promessas.

Buraqueira

Diversos veículos, em Belém, exibem adesivos com os dizeres "Velocidade controlada por buracos". Realmente, o sistema viário da capital paraense está repleto de imperfeições, tanto no centro como nos bairros da periferia, necessitando urgentes reparos. Mande fazer isto, já, prefeito Zenaldo!
E um leitor (Arnaldo Nascimento - bairro Jurunas) deste blog, diz através de e-mail: "A cidade de Belém está suja e malcuidada. O trânsito é uma bagunça. Os guardas da tal SEMOB não cumprem a sua principal função, que é orientar o trânsito. Só fazem ameaçar os condutores de veículos com o talão de multas para, em seguida, negociarem a famosa ´ponta`".

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Será que o médico pedófilo é doido?

Parentes do médico Álvaro Cardoso Magalhães, preso no início do mês, suspeito de cometer estupro de vulnerável e pedofilia contra duas crianças em Santarém, no Oeste paraense, deverão entrar na Justiça para pedir autorização para que ele seja submetido à um exame de verificação de sanidade mental.

Segundo o apurado pela polícia, Álvaro cometia os abusos contra duas meninas, uma de dois anos e oito meses, e outra de apenas três meses. Duas mulheres acusadas de acobertas as atividades criminosas do médico também foram presas, sendo que uma delas é mãe da bebê vítima do abusador.

De acordo com o portal O Estado, familiares do acusado querem autorização para contratar peritos para submeter o teste. Uma avaliação apontando que Álvaro sofre de transtornos mentais poderia ser utilizada em juízo apontar a impossibilidade do agente responder pelos crimes, substitutindo um possível cumprimento de pena na prisão por internação em um hospital psiquiátrico.

Segundo o cógido brasileiro, o juiz não é obrigado a acatar o laudo pericial sobre sanidade mental.

(Dól com informações de O Estado)

Em 2018 salário mínimo será de R$ 979,00

O Congresso Nacional aprovou semana passada a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) do Governo Federal que estipula o salário mínimo de 2018 em R$ 979,00. Um aumento de 4,5% (R$ 42,00 – apenas). Agora só falta a sanção do presidente Michel Temer.

Pelas projeções do Governo Federal o salário mínimo vai passar de R$ 1 mil só em 2019, indo para R$ 1.029,00.  O aumento do salário mínimo de R$ 937 para R$ 979 em 2018 terá impacto de R$ 12,7 bilhões nas contas do governo no próximo ano. Os números foram levantados pela Agência Brasil com base em estimativas do Anexo de Riscos Fiscais da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).

Segundo o Departamento Intersindical de Estatística e de Estudos Socioeconômicos (Dieese), o salário mínimo necessário deveria ter sido de R$ 3.727,19 em junho. A entidade calcula o valor mês a mês, com base na determinação constitucional de que o salário mínimo cubra as despesas de alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e Previdência de um trabalhador e de sua família.

Só pra lembrar: Certa vez, o general-presidente João Figueiredo, ao visitar uma escola da área periférica de Brasília, uma das crianças lhe fez a seguinte pergunta: "Se o senhor ganhasse salário mínimo, o que faria? - Figueiredo respondeu: "Daria um tiro na cabeça!" - O diálogo foi amplamente explorado pela imprensa e considerado como uma atitude sem o menor sentimento humano  e de solidariedade  do então presidente da República para com aqueles que ganham e vivem (?) de salário mínimo. 

Clonando Pensamento: O pastor Lula

“Um brilho cego de paixão e fé, faca amolada.” Diante da cena de um líder cansado, roufenho, enumerando fantasias diante de uma plateia reduzida, anestesiada aos fatos, aplaudindo bovinamente nas pausas pré-fabricadas e entoando cantos religiosos, só me vinham à cabeça os versos de Milton Nascimento.
Lula deixou o terreno da política e está operando na seara do messianismo. Na quinta-feira passada, ao se defender da condenação a 9 anos e 6 meses de prisão, parecia mais um pastor de igreja neopentecostal do que um ex-presidente da República. (Vera Magalhães - Estadão)

Maioria aprova Lula condenado, diz pesquisa

Levantamento feito pelo Instituto Paraná Pesquisas mostra que 65,5% dos entrevistados consideram justa a sentença de nove anos e meio de prisão dada pelo juiz Sérgio Moro para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Outros 32,4% não concordaram com a decisão, e 2,1% não souberam dizer ou preferiram não opinar. A pesquisa ouviu 2.330 pessoas, de forma online, entre os dias 12 e 13 de julho. A maior concordância  foi na faixa de 16 a 24 anos (74,7%). A região que menos apoiou a sentença aplicada por Moro foi o Nordeste, com 44,6%.
Leia também>Lula, a eterna vítima

Globo transmitirá votação de denúncia contra Temer ao vivo e sem interrupções

A TV Globo transmitirá ao vivo toda a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer na Câmara dos Deputados, marcada para o dia 2 de agosto. Mesmo que seja em horário nobre, interrompendo novelas, jogos e séries.
NOME E SOBRENOME
A emissora abrirá a transmissão a partir do primeiro parlamentar a votar, e manterá a narração ao vivo até o último deputado declarar sua posição no microfone.
ISONOMIA
No impeachment de Dilma Rousseff, no dia 17 de abril de 2016, um domingo, a emissora ficou seis horas no ar -das 17h46 às 23h50. O afastamento de Fernando Collor também foi transmitido de forma ininterrupta.
ACELERA, MAIA
E Rodrigo Maia, presidente da Câmara, já definiu o rito da votação: ele abrirá a sessão com 52 parlamentares em plenário. Quando o número chegar a 257, se já tiverem discursado acusação e defesa e parlamentares, encerra a discussão. E abre a votação quando 342 deputados, ou 2/3 da Casa, estiverem presentes.
ATÉ O FIM
Caso não se atinja esse quorum, Maia convocará uma nova sessão. E assim sucessivamente, até que o quorum seja atingido

Parlamentares do PT viajaram por nossa conta para apoiar ex-presidente

Ao menos sete parlamentares do PT abandonaram o serviço em Brasília para ir a São Paulo participar do “lançamento da candidatura” a presidente de Lula, após o petista ser condenado a 9 anos e meio de cadeia por corrupção. Passagens custam em média R$ 1 mil. Cada parlamentar ganha R$ 34 mil de salário, mas ainda assim repassam aos contribuintes (nós, brasileiros) custo das passagens aéreas para visitar o corrupto ex-presidente. Foi assim, também, para os parlamentares petistas participarem do velório de dona Marisa Letícia, esposa de Lula.

As deputadas Benedita da Silva (PT) e Jandira Feghali (PCdoB) se deram folga na quinta-feira (13) e foram visitar Lula, o condenado.

Além de deputados, os senadores Gleisi Hoffmann, Lindbergh Farias, Paulo Rocha e José Pimentel também foram aparecer na foto.

Lava Jato na balança

Editorial - Folha de SP
Escolhida pelo presidente Michel Temer (PMDB) para substituir Rodrigo Janot no comando do Ministério Público Federal, Raquel Dodge passou sem problemas pela sabatina a que foi submetida no Senado na última quarta-feira (12).

Após mais de sete horas de questionamentos na Comissão de Constituição e Justiça, a futura primeira mulher a ocupar a Procuradoria-Geral da República terminou aprovada por unanimidade, fato inédito no colegiado. Em seguida, teve seu nome endossado por 74 senadores –há dois anos, Janot, cujo mandato se encerra em 17 de setembro, obteve 59 votos favoráveis.

Infelizmente para Dodge, o apoio extraordinário não equivale a um atestado de excelência pelos serviços prestados. Ao contrário, reflete a expectativa, compartilhada pela maioria dos congressistas, de que a Operação Lava Jato arrefeça sob nova direção.

Não é de hoje que Dodge se apresenta como contraponto ao atual procurador-geral. Quando Janot foi reconduzido ao cargo, em 2015, ela já aparecera na lista tríplice formada por iniciativa da categoria. Na disputa deste ano, deixou claras suas críticas em relação à falta de transparência nos acordos de delação premiada e suas divergências quanto à divulgação antecipada de investigações ainda em curso.

Ademais, seu nome tem sido vinculado nos bastidores a personagens do círculo próximo de Temer, como o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, e o ex-presidente José Sarney (PMDB).

Mais uma conta amarga do PT

Editorial - Estadão
A passagem do Partido dos Trabalhadores (PT) pelo governo federal continua provocando efeitos nefastos para o País. O mais conhecido é a crise econômica, com suas consequências sobre o emprego, o consumo, o crédito, a atividade industrial, etc. A herança maldita petista continua afetando, de variadas formas, a vida de todos os brasileiros.

Além dessas consequências gerais dos anos do PT no Palácio do Planalto, há outras que atingem especialmente algumas pessoas, como é o caso dos déficits dos fundos de pensão de estatais e empresas de economia mista. Os frutos da má gestão dos petistas fazem com que trabalhadores e aposentados dessas empresas tenham seus vencimentos descontados mensalmente como forma de diminuir o rombo dessas entidades de previdência complementar.

Conforme informa o Estado, cerca de 142 mil funcionários e aposentados da Caixa Econômica Federal (CEF) e dos Correios são descontados mensalmente para cobrir os déficits dos fundos Funcef e Postalis, respectivamente. Além deles, até o fim do ano, 77 mil funcionários da Petrobrás também deverão arcar com parte do salário para cobrir os erros da gestão petista no fundo de pensão. O porcentual a ser descontado ainda não foi definido. Um dos planos da Fundação Petrobrás de Seguridade Social (Petros) tem déficit de R$ 26,8 bilhões. 

Mulheres, fiquem por dentro da nova moda.



Impossível não notar a invasão de robes, também conhecidos como roupões ou penhoares, pelas passarelas e ruas mundo afora. A tendência dá sequência ao hibridismo entre pijama e ready-to-wear iniciado com o boom das camisolas usadas nas ruas como vestidos, e homenageia Marlene Dietrich e Greta Garbo, as primeiras a introduzir, nos anos 1930, a peça como opção confortável para circular pelas rodas do cinema.

O conceito amadureceu entre os estilistas e hoje a peça usada sobre pijamas é base para versões de casacos, vestidos ou até como saída de praia. 

Cura para a morte

Nelson Rodrigues dizia que dinheiro compra até amor verdadeiro, mas será que garante também a vida eterna? O que pode parecer um absurdo para muitas pessoas é uma ideia tratada com seriedade por alguns dos homens mais ricos do mundo, que estão investindo pesado na tentativa de descobrir uma “cura” para a morte.

Hoje (17), na minha página no Facebook

Ô gente fofoqueira! Eis o que manda dizer uma leitora "anônima", do meu blog: "Aquela conhecida madame que sempre se constituiu em um padrão de elegância nos ambientes chiques e sofisticados da Pérola do Tapajós - Santarém, andando sempre ´nos trinques`, trajando os mais modernos modelitos de grifes famosas ou confeccionados pelas melhores estilistas da cidade, sempre com decotes ousados para realçar os seus fartos e bonitos seios e saias curtas para mostrar as suas belas pernas, hoje faz pena vê-la usando trajes bem simples e de estilo totalmente recatado. É a pura caracterização do que disse alguém: ´Uma das tristezas da velhice é só poder se vestir para se cobrir...`"

A liberdade de imprensa e o direito de opinião devem ser respeitados. Contudo, muitos picaretas - falando ou escrevendo - têm tido uma postura recalcada, rancorosa, irresponsável e, sobretudo, desalinhada do bom senso, da decência, da ética e da verdade. É preciso uma alta dose de simancol.

As canções românticas de Roberto Carlos participam de todos os romances, de todos os amores. "Você foi/ o maior dos meus casos/ de todos os abraços/ o que nunca esqueci...".
Ah, uma boa dor de cotovelo é ouvindo o RC, o Rei. Quem nunca passou ou passa por isso, não sabe o que é viver.


domingo, 16 de julho de 2017

Maceió ganha escultura do ator Paulo Gracindo

 
Ao lado dos filhos do ator eternizado na história da dramaturgia brasileira por personagens como Odorico Paraguaçu, da novela O Bem Amado, o prefeito de Maceió, Rui Palmeira (PSDB) inaugurou sexta-feira (14) a estátua de Paulo Gracindo, na orla da praia de Pajuçara. A obra de arte é assinada pelo escultor mineiro Léo Santana.

Do post: 
Ainda tenho a esperança de ver uma estátua do maestro Isoca e do poeta Emir Bemerguy, na orla da Avenida Tapajós, em Santarém, olhando o encontro das águas dos rios Tapajós e Amazonas. Pense nisto, prefeito Nélio Aguiar.

Dilma gastou mais que Temer no toma lá, dá cá

Contra o impeachment, Dilma liberou R$3,2 bilhões em emendas
O presidente Michel Temer se utilizou da mesma estratégia da antecessora: Dilma pagou R$ 3,2 bilhões em emendas parlamentares individuais às vésperas da votação do processo de impeachment, em abril e maio de 2016. Uma portaria do período antecipou o pagamento de R$ 1,8 bilhão àqueles que a julgariam uma semana depois. Em maio, com o impeachment no Senado, Dilma liberou mais R$ 1,4 bilhão. 

O Orçamento prevê distribuição de R$96,6 bilhões em emendas em 2017; R$87,5 bilhões para bancadas e R$9,1 bilhões em individuais. O governo Temer liberou, até julho, cerca de R$ 1,8 bilhão de um total de R$ 6,3 bilhões previstos no orçamento para as emendas individuais.

Mais de 61% (R$ 1,1 bilhão) do valor liberado pelo governo Temer em emendas foi para o Fundo Nacional de Saúde, não para parlamentares.

“No desespero, tentam qualificar a aglutinação como compra de votos”, justificou o então líder do governo, Humberto Costa (PT), em 2016.

Após condenação de Lula, Marina se apresenta como candidata ao Planalto em 2018

No dia seguinte à condenação do ex-presidente Lula, Marina Silva chamou líderes da Rede no Congresso para uma conversa sobre 2018. Até então enigmática sobre sua disposição em concorrer ao Planalto, deu sinais de que decidiu entrar no páreo. Quer montar, desde já, uma agenda de candidata. Marina disse que há “um grande vácuo” na política e afirmou que a Rede precisa apresentar uma “alternativa aos polos”. Nesta segunda (17), participa de encontro com artistas no Rio.
 
Na conversa com aliados, quando o assunto foi a possível filiação Joaquim Barbosa e Carlos Ayres Britto, Marina disse que atua para ter os dois ex-presidentes do STF nos quadros do partido. Ambos são vistos como nomes ideais para compor uma chapa com ela em 2018.

Clonando Pensamento: Treinadores de futebol

"Os treinadores e a imprensa, com razão, têm criticado muito as frequentes demissões de técnicos. Porém, parte da imprensa contribui para isso, ao supervalorizar os treinadores nas vitórias e nas derrotas, como se tudo o que ocorre no jogo seja decorrente das condutas dos comandantes. (...) O caminho seria criar regras para evitar que clubes e técnicos rompam contratos durante a temporada. (...) Treinadores e todos os que trabalham no esporte não podem querer ser também mais importantes que o futebol, mais reais que a realidade, mais sábios que a sabedoria." (Tostão)

Um documento histórico

Editorial - Estadão
A sentença assinada pelo juiz Sérgio Fernando Moro, da 13.ª Vara Federal de Curitiba, que condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a nove anos e seis meses de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, além de uma pena acessória de sete anos de inabilitação para o exercício de cargos públicos, constitui um importante documento do processo de consolidação da democracia no País.

O ineditismo da peça condenatória – a primeira proferida contra um ex-presidente da República pela prática de crimes comuns – já seria, por si só, razão suficiente para atribuir-lhe a devida adjetivação histórica. Trata-se de um marco incontrastável do primado da igualdade de todos os cidadãos perante a lei, um dos pilares democráticos consagrados pela nossa Constituição.