Fale com este blog

E-mail: ercio.remista@hotmail.com
Celular: (91) 8136-7941
Para ler postagens mais antigas, escolha e clique em um dos marcadores relacionados ao lado direito desta página. Exemplo: clique em Santarém e aparecerão todas as postagens referentes à terra querida. Para fazer comentários, eis o modo mais fácil: no rodapé da postagem clique em "comentários". Na caixinha "Comentar como" escolha uma das opções. Escreva o seu comentário e clique em "Postar comentário".

sábado, 29 de julho de 2017

INSS: Pente-fino para aposentados vai começar em agosto

 
A segunda fase do pente-fino do INSS — para aposentados por invalidez com mais de 55 anos de idade e 15 anos de benefício — vai começar entre fim de agosto e começo de setembro. A estimativa do Ministério de Desenvolvimento Social é de que após a conclusão do levantamento de dados de segurados em auxílio-doença o instituto enviará as primeiras cartas a aposentados por incapacidade para fazer perícias médicas. O presidente do INSS, Leonardo Gadelha, confirmou ao DIA, em entrevista exclusiva no dia 24, o início das novas convocações.

De acordo com o ministério, serão chamados 1,04 milhão de aposentados por invalidez em todo o país para agendar perícia nas agências do INSS. Inicialmente, o pente-fino abrangeria um total de 1,175 milhão de segurados. Mas devido à alteração da legislação que implementou o programa, a idade de quem deixaria de ser convocado baixou de 60 para 55 anos e 15 anos de recebimento do benefício.

Daí a diferença de mais de 170 mil pessoas que ficarão de fora. Ao receberem a correspondência, os segurados terão cinco dias úteis para agendar a perícia pela central de atendimento 135.

Atualmente, o INSS está convocando beneficiários do auxílio-doença com 60 anos ou mais. De acordo com o MDS, as revisões são feitas de acordo com a capacidade das agências e, assim que as perícias de auxílio acabarem, aposentados por invalidez serão convocados. Segundo o ministério, no Estado do Rio, 39.901 cartas foram enviadas para segurados em auxílio- doença de um público-alvo total de 41,1 mil.

O governo estima economizar R$ 2,6 bilhões por ano apenas com os cancelamentos de 159.981 mil auxílios-doença. De acordo com a pasta, até 14 de julho foram feitos 199.981 exames. Outros 20.304 foram cancelados pelo fato dos beneficiários não terem comparecido às agências. A expectativa é de que a economia seja maior com a conversão de 31.863 benefícios em aposentadoria por invalidez; 1.802 em auxílio-acidente; 1.058 em aposentadoria por invalidez (com acréscimo de 25% no valor do benefício). Há ainda 5.294 pessoas encaminhadas à reabilitação profissional.

Nenhum comentário:

Postar um comentário