Fale com este blog

E-mail: ercio.remista@hotmail.com
Celular: (91) 8136-7941
Para ler postagens mais antigas, escolha e clique em um dos marcadores relacionados ao lado direito desta página. Exemplo: clique em Santarém e aparecerão todas as postagens referentes à terra querida. Para fazer comentários, eis o modo mais fácil: no rodapé da postagem clique em "comentários". Na caixinha "Comentar como" escolha uma das opções. Escreva o seu comentário e clique em "Postar comentário".

terça-feira, 4 de julho de 2017

PF prende Geddel

O ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) foi preso na Bahia, ontem, 3, pela Polícia Federal,  no âmbito da Operação ‘Cui Bono?’. A detenção do peemedebista, que será levado para Brasília, foi decretada pelo juiz federal da 10ª Vara, Vallisney de Oliveira.

A informação é da Procuradoria da República, no Distrito Federal. A prisão é de caráter preventivo e tem como fundamento elementos reunidos a partir de informações fornecidas em depoimentos recentes do doleiro Lúcio Bolonha Funaro, do empresário Joesley Batista e do diretor jurídico do grupo J&F, Francisco de Assis e Silva, sendo os dois últimos, em acordo de colaboração premiada.

No pedido enviado à Justiça, os procuradores afirmaram que Geddel tem agido para atrapalhar as investigações. O objetivo de Geddel seria evitar que o ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e o próprio Lúcio Funaro firmem acordo de colaboração com o Ministério Público Federal. Para isso, segundo os investigadores, tem atuado no sentido de assegurar que ambos recebam vantagens indevidas, além de ‘monitorar’ o comportamento do doleiro para constrangê-lo a não fechar o acordo.

Aliados do presidente Michel Temer admitem que ele já esperava a prisão de Geddel Vieira Lima a qualquer instante. Essa certeza veio com a prisão no dia 6 de junho do ex-ministro do Turismo Henrique Alves. Assim como Alves, Geddel não tem mandato ou posto no governo federal para lhe garantir prerrogativa de foro e estava vulnerável. Para esses aliados, Temer reconheceu que a prisão piora o clima político no momento em que a Câmara vai analisar se autoriza ou não abertura de processo contra ele no Supremo Tribunal Federal.

Geddel saiu da Secretaria de Governo em 2016, mas deixou lá seu chefe de gabinete. Carlos Henrique Sobral foi mantido na vaga pelo ministro Antonio Imbassahy e, até ontem, era interlocutor frequente do ex-chefe.

O ex-ministro também costumava trocar WhatsApp com Nara de Deus, secretária pessoal de Temer. A PF apreendeu os celulares de Geddel ontem por determinação da Justiça Federal de Brasília.

Sem freios, Em 2015, Geddel Vieira Lima, rebateu o ator José de Abreu que o questionou se ele iria para a cadeia. “Só se for para visitar sua mãe”, disse, na ocasião na sua conta do Twitter.

Nenhum comentário:

Postar um comentário