Fale com este blog

E-mail: ercio.remista@hotmail.com
Celular: (91) 8136-7941
Para ler postagens mais antigas, escolha e clique em um dos marcadores relacionados ao lado direito desta página. Exemplo: clique em Santarém e aparecerão todas as postagens referentes à terra querida. Para fazer comentários, eis o modo mais fácil: no rodapé da postagem clique em "comentários". Na caixinha "Comentar como" escolha uma das opções. Escreva o seu comentário e clique em "Postar comentário".

segunda-feira, 24 de julho de 2017

Rosangela Moro: ‘Lá em casa, sou eu que mando’

Em entrevista a VEJA, a advogada paranaense Rosangela Maria Wolff de Quadros Moro conta como a Operação Lava-Jato impactou sua vida, sua família e seu marido famoso, o juiz Sergio Moro, com quem está casada há dezoito anos. “O que mudou na nossa rotina foi o assédio e o interesse das pessoas”, diz. Leia trechos:
Quando a Lava-Jato entrou na vida da senhora? Nunca. A força-tarefa não chegou em casa. Quando o Sergio leva trabalho para casa, ele se tranca no escritório. Na vida dele é claro que a operação acarretou um volume alto de trabalho. Mas o que mudou na nossa rotina foi o assédio e o interesse das pessoas.
O assédio a Moro lhe desperta ciúme? Sou ciumenta, sim. Mas, se acontecer algo, serei a primeira a saber — e por ele, que me conta tudo. O Sergio é um homem muito certinho, prega bons exemplos, trabalha sempre com a verdade. Uma vez, estávamos em um restaurante e ele recebeu um bilhete com o telefone de uma mulher: “Me liga”, estava escrito. Ele me mostrou e demos risada. Não tenho controle sobre o assédio e os sonhos que as mulheres venham eventualmente a ter com ele. Isso não me preocupa. O que me preocupa é a postura dele em relação a isso. E posso garantir que nunca fui desrespeitada.
Sergio Moro dispõe de tempo para a família? Como temos duas crianças, assim que ele chega em casa, elas passam a ser o centro das atenções. Não ficamos falando da força-tarefa. A gente se senta e assiste a um filme. No fim de semana, vimos Fragmentado, um filme em que o protagonista tem várias personalidades. O máximo que o Sergio faz é trancar-se no escritório que tem em casa e ficar lá trabalhando. Mas nada do que ele faz ali resvala na sala, para as crianças.
Em alguns relacionamentos, sempre há um que manda e o outro que obedece. Isso acontece na sua casa? Lá em casa, sou eu que mando. As rédeas estão comigo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário