Fale com este blog

E-mail: ercio.remista@hotmail.com
Celular: (91) 8136-7941
Para ler postagens mais antigas, escolha e clique em um dos marcadores relacionados ao lado direito desta página. Exemplo: clique em Santarém e aparecerão todas as postagens referentes à terra querida. Para fazer comentários, eis o modo mais fácil: no rodapé da postagem clique em "comentários". Na caixinha "Comentar como" escolha uma das opções. Escreva o seu comentário e clique em "Postar comentário".

quinta-feira, 10 de maio de 2018

Vale a pena ler:Feliz dia das mães para quem?

Por Ruth Manus - Estadão
Sim, adoraria escrever um texto afetuoso e otimista sobre o dia das mães, falando sobre esse amor desmedido e sobre a maravilha que é tê-las por perto. Mas hoje não consigo. Nesse Brasil, palco de tantos espetáculos de horror, não dou conta de fingir que está tudo bem e que esse deveria ser um domingo alegre de celebração.

A questão é: quem são as mães do Brasil? As mães do Brasil não são exatamente como a minha. Nem são as mães das propagandas dos shopping centers, nem as dos comerciais de perfumaria, nem nenhuma daquelas que nos mostram, numa tentativa de nos convencer que as mães do Brasil são aquelas, belas, serenas e sorridentes. Não são. A maioria esmagadora das mães brasileiras é de mães angustiadas. Mães que vivem com medo. Medo do dinheiro não durar até o fim do mês, medo de não receber a pensão, medo do seu filho negro não voltar vivo para casa, medo do seu filho gay apanhar enquanto volta do trabalho, medo de perder o emprego por ser uma mulher com filhos e não ter a quem recorrer.
 
Quase 27% das mães brasileiras encaram a criação dos filhos sozinhas, sem um apoio paterno. Reparem bem, mais de ¼ das mães do Brasil são mães solteiras. Há, no Brasil, quase 6 milhões de crianças sem pai registrado. As preocupações que assolam a vida de uma mãe que se vira sozinha com trabalho, dinheiro, saúde e educação não me parecem deixar muito espaço para essas festividades dominicais. 
 
O Brasil é mesmo ininteligível. Vemos os números de feminicídios e crimes de ódio crescerem, enquanto fingimos que está tudo sob controle. As mulheres correm riscos e os filhos delas também. Não me parece um cenário para muitas comemorações.
 
Que o dia das mães, assim como o dia das mulheres, não seja apenas um dia de flores, chocolates e presentinhos. Que seja um dia de reflexão e debate sobre a condição das mulheres no Brasil, como mães angustiadas, como profissionais ameaçadas, como figuras discriminadas exatamente por serem mulheres e por serem mães.

Nenhum comentário:

Postar um comentário