Fale com este blog

E-mail: ercio.remista@hotmail.com
Celular: (91) 8136-7941
Para ler postagens mais antigas, escolha e clique em um dos marcadores relacionados ao lado direito desta página. Exemplo: clique em Santarém e aparecerão todas as postagens referentes à terra querida. Para fazer comentários, eis o modo mais fácil: no rodapé da postagem clique em "comentários". Na caixinha "Comentar como" escolha uma das opções. Escreva o seu comentário e clique em "Postar comentário".

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Associação da PF quer processar Lula por denunciação caluniosa

Parte de trás, da esquerda para a direita: René Ariel Dotti, advogado da Petrobras (a empresa é assistente de acusação), Roberto Teixeira e Valeska Teixeira Martins (advogados de Lula)À frente: Cristiano Zanin Martins (advogado de Lula), Luiz Inácio Lula da SilvaÀ direita, de cima para baixo: Carlos Fernando Lima (procurador), Júlio Noronha (procurador), Roberto Pozzobon (procurador), Sergio Moro e servidora (não identificada) 
A Federação Nacional dos Policiais Federais anunciou ontem (11) que vai processar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por denunciação caluniosa. Para a federação, durante o depoimento ao juiz Sergio Moro na quarta-feira (10), o ex-presidente fez "insinuações de que a Polícia Federal teria plantado provas em seu apartamento".

A entidade não diz a que trecho do depoimento se refere. Em um dos momentos do interrogatório, no entanto, Lula é questionado por Moro sobre um termo de adesão datado de 2004, sobre a aquisição de uma cota de um apartamento no edifício onde fica o tríplex que é objeto da ação.

"Consta que foi apreendido em seu endereço em São Bernardo do Campo", informa Moro. Lula então diz: "Não me mostraram isso, quem apreendeu não me mostrou no apartamento em São Bernardo do Campo".

Depois de pegar o papel em mãos, o ex-presidente pergunta: "Tá assinado por quem?" Ao ouvir a resposta de Moro – "Não está assinado" – devolve o papel e diz. "Então, senão está assinado, doutor..."

Moro então quer saber se Lula teria alguma explicação para o documento ter sido apreendido em seu apartamento. "Não sei, talvez quem acusa saiba como foi parar lá. Não sei como que tem um documento lá em casa se a adesão é de 2004, quando minha mulher comprou o apartamento em 2005", afirmou.

Para a federação, "é muito grave tentar desmerecer e desacreditar as provas trazidas por agentes públicos". Para a entidade, a afirmação é uma "afronta à Polícia Federal" e uma "alegação absurda".

A Fenapef diz que "não vai permitir que essa alegação coloque em dúvida o profissionalismo dos colegas federais ofendidos". "Lula fez uma denunciação caluniosa contra a PF."

A entidade finaliza a nota dizendo que, "se houver consequências para os colegas em razão da fala inconsequente de Lula, a Fenapef sairá em defesa deles na Justiça contra o ex-presidente."

Nenhum comentário:

Postar um comentário