Fale com este blog

E-mail: ercio.remista@hotmail.com
Celular: (91) 8136-7941
Para ler postagens mais antigas, escolha e clique em um dos marcadores relacionados ao lado direito desta página. Exemplo: clique em Santarém e aparecerão todas as postagens referentes à terra querida. Para fazer comentários, eis o modo mais fácil: no rodapé da postagem clique em "comentários". Na caixinha "Comentar como" escolha uma das opções. Escreva o seu comentário e clique em "Postar comentário".

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Liberação de emendas parlamentares: Petistas reclamam, mas a presidente Dilma fazia assim, também.

Os oposicionistas, principalmente do PT, dizem que estão in-dig-na-dos com o fato de o presidente Temer liberar recursos de verbas parlamentares aos deputados federais, seus aliados, para assegurar votos a seu favor da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. Esquecem os "indignados", que a presidente Dilma, do seu partido (PT), fez o mesmo, muitas vezes, para garantir apoio na votação de interesse do seu governo. Abaixo, alguns exemplos:
Dilma libera R$ 1 bilhão em emenda
Às vésperas do fim do recesso parlamentar, o governo autorizou a liberação de cerca de R$ 1 bilhão referente a restos a pagar de emendas parlamentares de 2014 e anos anteriores. A primeira liberação de recursos a parlamentares neste ano é uma tentativa do governo de acalmar deputados e senadores em meio às crises política e econômica, que devem ser acentuadas neste segundo semestre.

Dilma diz que só libera dinheiro de emendas se Congresso aprovar Lei do Calote
O Planalto condicionou nesta segunda-feira a liberação de R$ 444,7 milhões em emendas parlamentares individuais à aprovação, pelo Congresso, do projeto de lei que flexibiliza a meta do superávit primário, a economia para o pagamento de juros da dívida pública.

Governo Dilma libera emendas em troca de voto contra impeachment
O líder do DEM no Senado, Ronaldo Caiado (GO), ingressou com um mandado de segurança preventivo no STF (Supremo Tribunal Federal) nesta quinta-feira (7) para pedir à Corte que barre o pagamento de emendas parlamentares de forma seletiva. O senador acusa o governo de liberar emendas seguindo critérios políticos para alguns deputados como forma de barganha em busca de votos para barrar o impeachment da presidente Dilma Rousseff.
"Nos últimos dias, a presidente Dilma Rousseff contingenciou R$ 21 bilhões de todas as emendas de bancadas estaduais e de comissões e também R$ 4,2 bilhões da educação, R$ 2,3 bilhões da saúde e quase todos os outros ministérios. Ao mesmo tempo, ela liberou para empenho e pagamento R$ 6 bilhões para emendas individuais de deputados e senadores, uma semana antes da votação do impeachment", afirmou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário