Fale com este blog

E-mail: ercio.remista@hotmail.com
Celular: (91) 8136-7941
Para ler postagens mais antigas, escolha e clique em um dos marcadores relacionados ao lado direito desta página. Exemplo: clique em Santarém e aparecerão todas as postagens referentes à terra querida. Para fazer comentários, eis o modo mais fácil: no rodapé da postagem clique em "comentários". Na caixinha "Comentar como" escolha uma das opções. Escreva o seu comentário e clique em "Postar comentário".

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Um pequeno dicionário para a política

Por João Amoêdo - Folha de SP
Um dos principais problemas do nosso quadro politico atual é a falta de representatividade. A política, que deveria ser uma oportunidade de prestação de serviços à comunidade, se transformou em um ótimo emprego. É uma função que tem estabilidade, muitos benefícios, nenhuma cobrança e onde muitos apresentam —como principais qualificações— algum carisma e muito cinismo.

Neste quadro, o apego ao cargo e o desejo de perpetuação é tão presente que parte considerável dos nossos representantes deturpam o significado de algumas palavras ou frases que utilizam com frequência, com a intenção de mascarar a verdade.

Baseado nessa constatação e para fazermos as escolhas conscientes em 2018 é importante entender o correto significado das expressões. Seguem alguns exemplos:
  • Agenda positiva: medidas de curto prazo, nem sempre positivas, destinadas a melhorar os níveis de aprovação do governo.
  • Campeões nacionais: empresas brasileiras que obtém benefícios em troca de doações a partidos e políticos.
  • Cidadão: indivíduo que trabalha mais de cinco meses por ano para pagar impostos e recebe serviços públicos de péssima qualidade.
  • Custo da democracia: justificativa para meter a mão no seu bolso visando obter recursos, de forma compulsória, para financiar campanhas políticas daqueles que você voluntariamente não apoiaria.
  • Debate eleitoral: evento centrado em ataques pessoais, onde não se discute propostas para o país. Geralmente, aquele que mais distorce os fatos e da forma mais convincente é o vencedor.
  • FDD - Fundo Especial de Financiamento da Democracia: fundo criado com dinheiro dos nossos impostos para estabelecer a ditadura dos partidos.
  • FGTS, uma conquista do trabalhador: empréstimo compulsório realizado pelo trabalhador para o governo a taxas abaixo de mercado.
  • Fidelidade: submissão temporária em troca de algum privilégio fornecido pelo outro, sempre às custas do pagador de impostos.
  • Golpe: palavra de ordem para reunir a militância
  • Horário eleitoral gratuito: propaganda política que custa aproximadamente R$ 800 milhões aos cofres públicos.
  • Legado: obras faraônicas, superfaturadas e abandonadas.
  • Liberdade do indivíduo; conceito desconhecido pelos políticos, que entendem que devem apenas nos "proteger".
  • Medidas impopulares: ações necessárias que retiram privilégios de determinados grupos para que não se onere as próximas gerações.
  • Perseguição política: condenação, dentro da legalidade, por crime de corrupção.
  • Político: cargo, praticamente vitalício, com liberdade para obter privilégios e com milhares de súditos para pagar as suas contas.
  • Presidenta: termo incorreto para designar um presidente do sexo feminino e que também identifica o alinhamento ideológico do usuário.
  • Setor estratégico: desculpa utilizada para manter uma empresa estatal, que não traz nenhum beneficio para a população, e é comumente utilizada pelos políticos para a venda de favores.
  • Tesouro Nacional: instituição citada quando o governo quer iludir o cidadão de que o custo daquela ação não sairá do seu bolso.
A renovação política em 2018, não pode ser apenas de nomes, ela deve ser principalmente de ideias e atitudes. Precisamos de representantes de fato, com coerência e princípios para que tenhamos uma comunicação verdadeira, sem necessidade de traduções.

Nenhum comentário:

Postar um comentário