Fale com este blog

E-mail: ercio.remista@hotmail.com
Celular: (91) 8136-7941
Para ler postagens mais antigas, escolha e clique em um dos marcadores relacionados ao lado direito desta página. Exemplo: clique em Santarém e aparecerão todas as postagens referentes à terra querida. Para fazer comentários, eis o modo mais fácil: no rodapé da postagem clique em "comentários". Na caixinha "Comentar como" escolha uma das opções. Escreva o seu comentário e clique em "Postar comentário".

sexta-feira, 24 de abril de 2015

Lula faz vídeo para incentivar atividade física

Enquanto o PT e o governo se preocupam com tentativas de impeachment, manifestações de rua, denúncias de corrupção, crises com o Congresso e o fraco desempenho da economia, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva explorou nas redes sociais um tema no mínimo inusitado: o condicionamento físico. "Estou preocupado com a sua saúde. Então, um conselho que eu te dou é, levanta", diz Lula, com moletom e camiseta suada, toalha amarela pendurada no pescoço, em um vídeo (vide acima) de pouco mais de dois minutos publicado na tarde desta sexta-feira, 24, em sua página no Facebook.

Segundo pessoas próximas ao ex-presidente, a iniciativa de fazer e publicar o vídeo partiu do próprio Lula. Depois de mais de seis décadas de vida sedentária, na qual o único exercício eram as peladas esporádicas disputadas em campos de terra na época em que era metalúrgico, o ex-presidente está encantado com os efeitos da atividade física na terceira idade.

Desde 2012, quando começou a se recuperar de um câncer na laringe, Lula chega todos os dias de semana pontualmente às 6h na academia de ginástica do São Bernardo Futebol Clube para uma sessão de treinos físicos que inclui corrida e musculação.

Segundo um dos preparadores que aparecem no vídeo, "o presidente chegou sedentário, sem um mínimo de condicionamento". Hoje, é capaz de correr vários minutos na velocidade de 10 quilômetros por hora. "Parece pouco mas para um velhinho como eu está de bom tamanho", diz Lula, que tem 69 anos.

No vídeo cheio de tiradas bem-humoradas Lula aparece correndo na esteira e puxando peso nos aparelhos do SBFC. "São 10 quilos aqui, viu?", gaba-se o petista enquanto faz uma série para fortalecer o bíceps.

Lula, que chegou a usar bengala depois do tratamento contra o câncer, dá destaque especial ao trabalho nas pernas, em tom de galhofa. "Uma das coisas importantes é fortalecer os músculos, sobretudo das pernas, porque é cada vez mais peso para as pernas carregarem", brinca o ex-presidente.

Segundo um auxiliar próximo, o vídeo não contem mensagens subliminares nem interesses políticos mas "quem quiser enxergar por um viés diferente pode encontrar o seguinte recado: 'estou pronto para a luta'". Nos últimos dias Lula tem falado da necessidade reverter o "mau humor" e entrar em uma agenda positiva. Além disso, o vídeo serve para afastar boatos sobre a volta do câncer. No ano passado, Lula chegou a interperlar judicialmente um jornalista que o acusou de esconder a doença.

Uma hora depois da veiculação, mais de 140 mil pessoas já tinham visto o vídeo no Facebook. O fato de estar encantado com a malhação não significa que Lula abandonou outros prazeres da vida. Na semana passada ele apareceu tomando cerveja durante a inauguração de uma fábrica da Itaipava em Pernambuco.

"Eu sei que às vezes é melhor ficar em casa vendo televisão", diz o ex-presidente.

Estado paga funcionalismo a partir de segunda-feira, 27

A partir de segunda-feira, 27, os funcionários públicos estaduais, da administração direta e indireta, começam a receber os salários de abril. Confira o calendário de pagamentos:

Dia 27 (segunda-feira) - Inativos militares e pensionistas civis / militares e inativos civis e pensões especiais da Sead.

Dia 28 (terça-feira) - Auditoria Geral, Casa Civil, Casa Militar, Defensoria Pública, Gabinete da Vice-governadoria, Procuradoria Geral, Sedap, Sectet, Sead, Sefa, Seplan, Semas, Secult, Seel, Sedeme, Sejudh, Sedop, Sespa, Seaster, Setran, Secom e Setur

Dia 29 (quarta-feira) - Corpo de Bombeiros, Polícia Civil, Polícia Militar, Segup, Adepará, Arcon, Asipag, Codec, Ceasa, Cohab, CPC Renato Chaves, Detran, EGPA, Emater, FCG, FCP, Fasepa, Funtelpa, Fapespa, Hospital de Clínicas, Hospital Ophir Loyola, Hemopa, Imetropará, Iasep, Igeprev, Imprensa Oficial do Estado, Iterpa, Jucepa, Prodepa, Santa Casa, Susipe, Uepa, Ideflor-Bio, CPH e NGTM

Dia 30 (quinta-feira) – Seduc (capital e interior)

Vai se aposentar? Veja algumas dicas e informações

Ter uma aposentadoria rentável e tranquila é o objetivo de grande parte dos brasileiros. No entanto, o que se observa na realidade é uma situação em que a maioria dos brasileiros passam por grandes dificuldades depois que conquistam esse direito.

Veja algumas dicas e esclarecimentos sobre o processo de aposentadoria no país:

1. Quais os tipos de aposentadorias existentes no Brasil?

Segundo o Regime Geral de Previdência Social, as aposentadorias disponíveis ao segurado do INSS são: Aposentadoria por Tempo de Contribuição; Aposentadoria por Idade, Aposentadoria Especial, Aposentadoria Especial do Deficiente Físico, Aposentadoria do Segurado Especial (Rural); Aposentadoria por Invalidez.

2. Quem pode solicitar o direito de aposentadoria?

Aqueles que preencheram os requisitos específicos do benefício pretendido. Para a mais comum, que é Aposentadoria por Tempo de Contribuição e Aposentadoria por Idade, os principais requisitos são:

Aposentadoria por Tempo de Contribuição: 35 anos de contribuição, se homem e 30 anos de contribuição, se mulher.

Aposentadoria por Idade: 65 anos de idade, se homem e 60 anos de idade, se mulher, mais o cumprimento do período de carência de 180 contribuições mensais.

3. Quais os maiores problemas relacionados à aposentadoria que são observados?

As maiores reclamações são com relação aos valores pelos quais se contribuiu e o resultado final da renda mensal do beneficio. Atualmente, a lei determina que seja feita uma média de todas as contribuições entre Julho de 94 até um mês antes do requerimento do benefício. No entanto, a maioria dos aposentados acreditava que seria mantido o valor aproximado do último salário que recebia antes de se aposentar. Isso sem contar a incidência do fator previdenciário, que reduz ainda mais a média final do benefício. Por fim, tem-se o fato de que este, uma vez concedido, sofre os reajustes anuais pelos índices oficiais do Governo que, nem sempre, acompanham a inflação média do período, o que gera inúmeras queixas sobre defasagem entre o poder de compra inicial do benefício e o atual.
4. O que é Aposentadoria Especial e quem tem esse direito?

A Aposentadoria Especial é o benefício destinado aos segurados que trabalharam expostos a agentes insalubres, sendo-lhes permitido se aposentar com redução do tempo mínimo necessário. De acordo com o tipo de agente insalubre a que esteve exposto o segurado, este pode requerer o benefício com 15, 20 ou 25 anos de contribuição. A mais comum é a aposentadoria especial com exposição a agentes insalubres pelo tempo mínimo de 25 anos. Mencionada exposição deve ter sido habitual e permanente, não ocasional nem intermitente durante todo o período de atividade laborativa.

5. É comum ver casos em que a pessoa recebe um valor muito menor em relação ao que ela contribuiu. Por que isso acontece?
Isso ocorre em razão do mecanismo de cálculo que utilizada a média dos 80% das maiores contribuições do segurado entre o período de Julho/94 até um mês antes do requerimento do benefício. Como mencionado, os segurados sempre esperam que o benefício tenha valor aproximado ao último salário percebido antes de se aposentar, sem ter a informação de que a Lei determina seja feita a média do Período Básico de Cálculo.

Ademais, um dos maiores vilões responsáveis pela redução das aposentadorias é o Fator Previdenciário que incide após a realização da média das contribuições, que já vem em valores reduzidos e ainda sofre considerável queda após a aplicação do fator redutor, que leva em conta o tempo de contribuição, a idade do segurado e sua expectativa de vida.

7. Sabe-se que a longevidade dos brasileiros tem aumentado e grande parte da população não realiza um planejamento financeiro para a aposentadoria. Qual o impacto que estes fatores geram para a população?

As pessoas não se preocupam com os recolhimentos previdenciários no momento em que estão na ativa, preferindo, em muitos casos a informalidade, para gerar ganhos mensais maiores, sem pensar que o período sem recolhimentos será imprescindível para a aposentadoria no momento mais avançado da vida. Isso faz com que as pessoas acabem tendo que trabalhar mais a fim de atingir o tempo necessário à concessão dos benefícios. Além disso, as contingências sociais (doença, acidentes de trabalho etc) estão presentes no dia-a-dia do trabalhador que não pode ficar desatento acerca do seu planejamento previdenciário, o que pode lhe causar desamparo no momento em que mais precisa da proteção social.

8. Quais os malefícios para as pessoas que não fazem um planejamento financeiro para sua aposentadoria?

Em alguns casos, o desamparo previdenciário, visto que sem o planejamento necessário o trabalhador pode se ver sem o benefício no momento em que mais precisar. Para aqueles que conseguem o benefício, a falta de planejamento financeiro gera, ainda, a necessidade cada vez mais gritante de o aposentado ter que continuar trabalhando mesmo após a concessão do benefício, para que possa manter condições dignas de sobrevivência, dado o valor reduzido das aposentadorias.  9. Quais as dicas para as pessoas não se decepcionarem com suas aposentadorias?
Efetivamente planejarem sua vida previdenciária, enquanto ainda estão em condições de fazê-lo, ou seja, enquanto estão com saúde e em condições de trabalhar, mantendo a regularidade das contribuições e evitando períodos de trabalho informal sem recolhimentos previdenciários.
(com informações da G Carvalho Sociedade de Advogados)

Dilma pode não discursar na TV no 1º de Maio

Sergio Lima/Folhapress: BRASÍLIA, DF, 23.08.2012: DILMA/TRANSITO -  A presidente Dilma Rousseff recebe o ex-piloto de Fórmula 1 e da Fórmula Indy, Emerson Fittipaldi e o presidente da FIA (Federação Internacional de Automobilismo), o francês Jean Todt, no Palácio do Planalto, em 
A presidente Dilma Rousseff avalia a possibilidade de não gravar o tradicional pronunciamento referente às comemorações do 1º de Maio, Dia do Trabalho. Segundo a avaliação de assessores próximos, a presidente só deve voltar a se expor com uma melhora no quadro político e econômico nacional.

De acordo com o jornal Folha de São Paulo, dentre os que são contrários a ideia do discurso estariam o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o marqueteiro João Santana e o ministro da Secretaria de Comunicação, Edinho Silva.

Uma das ideias em estudo aponta que a presidente poderá se pronunciar em algum evento oficial e deixe o discurso na televisão a cargo de algum ministro. Caso a presidente não grave o pronunciamento, esta será primeira vez em que Dilma deixará de aparecer na televisão durante o 1º de maio desde o seu primeiro mandato, iniciado em 2011. (Brasil 247)

Craques de sinuca

Santarém/década de 90: No Iate Clube de Santarém as disputas nas mesas (ainda existem?) de sinuca eram bastante concorridas, principalmente nas manhãs de domingo. A foto mostra seis habilidosos jogadores: Nelson Machado, Edilson, Ercio Bemerguy, José Maria Lobato, Wilson Uchoa e Dario Coimbra.

Professores: Greve continua

Professores não aceitam proposta e mantêm greve (Foto: Divulgação/Sintepp)
Os professores da rede estadual de ensino do Pará decidiram manter a greve da categoria em todo o Estado. A permanência da paralisação foi votada na tarde de ontem (23), durante uma assembleia que ocorreu em Belém, após uma reunião dos educadores com representantes do governo.

“Tivemos a reunião na Secretaria de Estado de Administração (Sead), onde o governo apresentou algumas novas propostas, o que consideramos como um recuo deles”, afirmou Sílvia Letícia, diretora do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Estado do Pará (Sintepp). “A lotação do regime de 200 horas de regência foi um avanço, por exemplo, já que só tínhamos garantido 150 até então”.

Entretanto, a avaliação do sindicato é que muitos pontos ainda foram insuficientes. “O governo propôs o pagamento do retroativo integral a partir de maio, em 18 meses, o que consideramos inviável, afirmou que ainda previsa discutir o Plano de Cargos, Carreira e Remuneração (PCCR) unificado e que apresentaria o calendário de reforma das escolas apenas no fim do mês”, continuou Sílvia.

A proposta foi apresentada aos professores e negada pela assembleia da categoria, realizada na escola Cordeiro de Farias. “Apesar de alguns avanços, outros ainda precisam ser melhorados”.

Nos próximos dias, o governo deve realizar algumas visitas à escolas e panfletagem nas ruas. Na terça-feira (28), será realizado um ato em frente ao Hangar, em Belém, durante o Seminário Internacional de Direitos Humanos.  (Dol)
 

Nova derrota
Enquanto Michel Temer está em viagem à Europa, a dupla Renan Calheiros-Eduardo Cunha resolveu empurrar para Dilma Rousseff a responsabilidade do aumento do Fundo Partidário de R$ 289,5 milhões para R$ 867,5 milhões, um escândalo apoiado por todos os partidos no Congresso. A Chefe do Governo, fragilizada, não teve condições de vetar esse verdadeiro acinte. O presidente do Senado ainda foi mais longe, reclamando que a Chefe do Governo deveria ter ouvido os apelos e vetado o aumento, que não se encaixa no panorama do ajuste fiscal. Detalhe: o PMDB sempre defendeu o aumento e em cima da hora, mudou de lado.
Adeus à bolha
Se houve, realmente, uma bolha imobiliária em São Paulo, já terminou no segundo semestre do ano passado. As imobiliárias estão encolhendo, dando descontos em imóveis novos, tipo liquidação e ninguém vende nada. Na região dos Jardins, há 110 casas à venda. Algumas, há quase 10 anos. Na rua Haddock Lobo, no trecho entre Oscar Freire e Estados Unidos, existem 25 imóveis para alugar. Nas ruas vizinhas (Bela Cintra, Mello Alves e Consolação), outras 63 lojas para alugar.
Metal forte
O economista José Roberto Afonso é quem faz a conta: os alemães investem 68% de suas reservas internacionais em ouro, enquanto o Brasil, no mês passado, tinha apenas 0,7% dos US$ 363 bilhões de suas divisas aplicadas no metal. E o próprio Afonso ironiza, dizendo que “quem sabe, os brasileiros são mais espertos do que os alemães”.
Lei é lei
A maioria dos réus da Operação Lava Jato (uma das exceções é o doleiro Alberto Youssef, que deverá cumprir três anos em regime fechado) é primaria. Seus advogados estão prevendo que, mesmo condenados, poderão recorrer em liberdade, conforme a lei em vigor. Deverá haver um estrilo nacional sem que a justiça possa tomar outro tipo de atitude.
Não vai parar
Os mais bem informados estão apostando que a Lava Jato vai chegar aos estados. Há obras estaduais com recursos federais e a Polícia Federal e o Ministério Publico estão abrindo novas frentes e remetendo outros casos para os PMs estaduais. Detalhe: muitas informações surgiram em depoimentos de delação premiada dos envolvidos no escândalo da Petrobras, especialmente empreiteiros. Alguns deles conhecem até operadores estaduais e não se furtaram de dar nomes. E até endereços, a propósito.
Craques no samba
A Beija-flor, campe
ã do carnaval deste ano, quer repetir a dose e está negociando o enredo com Ronaldo Fenômeno, que já foi homenageado pela Tradição em 2003. Marcus Buaiz, sócio da 9ine, está conversando com o patrono da escola, Anísio Abraão David. O enredo será sobre fenômenos do esporte, sendo Ronaldo o principal homenageado, mas contando com Gustavo Kuerten, Gabriel Medina e outros. Por outro lado, a Acadêmicos do Grande Rio vai homenagear Pelé e Neymar.
Arrependidos
Amigos de José Dirceu, de políticos a empresários bons de bolso e até mesmo correligionários fiéis, estão mais do que arrependidos por terem participado da vaquinha para a quitação da divida do mensaleiro de R$ 676 mil, depois de saberem que o petista tem muito dinheiro. Dirceu faturou R$ 39,1 milhões com sua consultoria de 2006 a 2013.
Não vai dar
José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, que criou o padrão Globo de qualidade, não esconde de ninguém: acha que Xuxa fez “uma besteira” em se transferir para a Record, que não conseguirá fazer sucesso e “vai sofrer grande desgaste”. E acentua: “Se não dava audiência na Globo, com todo seu poder, como vai dar audiência na Record?”

No site "O Antagonista"

A falência do futebol brasileiro
A maré está realmente ruim. O New York Times, depois de publicar reportagens e mais reportagens sobre os desastres políticos e econômicos do Brasil, agora resolveu se dedicar também aos desastres em nosso futebol:
"Menos de um ano após a sua derrota humilhante na Copa do Mundo, o futebol brasileiro tem uma nova crise em suas mãos.
Os times profissionais do Brasil estão afogados em dívidas, vendendo seus jogadores e jogando em estádios quase vazios. Oito dos 12 maiores clubes estão com salários atrasados; se fossem empresas, quase todas as equipes na primeira divisão estariam falidas.
Agora, com a economia brasileira em recessão, e com os patrocinadores e os torcedores cortando as despesas, as finanças dos clubes vão piorar ainda mais".
Ontem, professores da rede estadual de São Paulo, em greve há 42 dias, tentaram arrombar a porta da Secretaria de Educação e quebraram vidros do prédio histórico que hospedava a escola Caetano de Campos. Muitos deles estavam mascarados. É essa a gente que pretende dar exemplo a crianças?

Aos "mestres" sem carinho

Sessões do Plenário do STF não terão mais intervalo para lanche

As sessões do Plenário do Supremo Tribunal Federal terão novo rito. A partir da semana que vem, os ministros se comprometeram a respeitar o horário regimental para início do julgamento (14h) e fazer a sessão direto, sem intervalo para lanche.

Hoje, embora as sessões estejam marcadas para começar às 14h, nunca começam antes das 14h30. Nesta quinta-feira (23/4), por exemplo, o julgamento começou às 14h50, com apenas seis ministros. Os demais foram chegando ao longo da sessão.

A falta de pontualidade do Plenário é uma reclamação antiga do ministro Marco Aurélio. E foi ele quem sugeriu a mudança nos horários. É praxe no Supremo que a sessão seja interrompida por volta das 16h para um lanche. Só que esse intervalo também é usado por alguns ministros para receber advogados, ou memoriais de algum processo. E esse é o problema, segundo Marco Aurélio.

“Os intervalos estavam se projetando muito no tempo porque não se limitavam apenas ao espaço necessário para o lanche”, conta o vice-decano. O ministro só recebe advogados em seu gabinete, e critica que alguns colegas só iam lanchar depois de falar com os advogados. "O intervalo do lanche, que pelo Regimento é de 30 minutos, passou a ser de uma hora."

“Por isso ficou acertado que começaremos, como deveríamos começar, mas não começamos, às 14h e vamos direto, sem intervalo. E a bexiga que aguente”, brinca. “Mas claro que se houver um chamado fisiológico não haverá problema em se retirar momentaneamente da bancada do Plenário”, pondera.

Bispos do Brasil levarão ao Sínodo questão sobre acolhida a homoafetivos

Os quatro bispos eleitos nesta quinta-feira, 24, pela 53ª Assembleia Geral da CNBB para participar do Sínodo sobre a Família, em outubro, em Roma, vão propor que a Igreja discuta questões desafiadoras para a pastoral, como a situação dos casais divorciados que vivem uma segunda união e a acolhida aos homoafetivos. O bispo de Camaçari (BA), d. João Carlos Petrini, um dos delegados escolhidos, adiantou que esse não é o foco central, mas é um desafio que receberá atenção especial.

"Há uma expectativa de que o Sínodo dê uma resposta a essa questão, embora não se concentre nela", disse d. Petrini, até esta quinta presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família, cargo agora ocupado pelo bispo de Osasco, d. João Bosco Barbosa de Sousa. O Sínodo, acrescentou d. Petrini, deverá buscar uma resposta com equilíbrio. Sob a orientação do papa Francisco, os participantes do encontro refletirão também sobre a educação dos filhos de pais separados e a das crianças adotadas por homossexuais que vivem uma união estável.

Outro ponto a ser discutido é o acolhimento na comunidade de católicos divorciados que se casaram de novo. D. Petrini acredita que a Igreja venha a permitir que eles participem dos sacramentos, em circunstâncias especiais. "É possível que possam receber a eucaristia, com permissão do bispo, em alguns casos", observou d. Petrini.

O novo presidente da CNBB, d. Sérgio da Rocha, arcebispo de Brasília, também eleito delegado ao Sínodo, afirmou ao Estado que a Igreja quer dar mais atenção aos casais em situação difícil. "Esperamos que, no Sínodo, possamos encontrar luz, para não só iluminar genericamente, mas oferecer orientação de ordem pastoral. É um tema que nos está preocupando e que preocupa a todos, como o papa Francisco admitiu claramente", disse d. Sérgio. A Igreja quer acolher a todos, acrescentou o arcebispo, sem que ninguém fique excluído, mas ao mesmo tempo procura oferecer, à luz do Evangelho, os valores que vêm da palavra de Deus, que devem orientar a conduta de todo mundo.

"Quem vai participar do Sínodo precisa expressar aquilo que é o sentir da Igreja local, do episcopado, da Igreja no Brasil", adverte. Por isso, a assembleia procurou identificar, nos últimos dias, em Aparecida, quais são os grandes temas que devam receber destaque. Os delegados vão compilar as pospostas dos temas que devam ser levantados em Roma, com sugestões de encaminhamentos pastorais. Eles vão analisar as respostas dadas a um questionário do Vaticano que foi enviado a todas as dioceses e paróquias.

Além do cardeal d. Raymundo Damasceno, arcebispo de Aparecida, que será um dos presidentes nomeados por Francisco, participarão do Sínodo como delegados da CNBB o cardeal d. Odilo Scherer, de São Paulo, e o arcebispo de Mariana, d. Geraldo Lyrio Rocha. O papa poderá designar ainda outros brasileiros como seus convidados.

MEC prorroga prazo para renovação de Fies até 29 de maio

Com 16% dos contratos de Financiamento Estudantil (Fies) ainda sem renovação, o que representa 300 mil estudantes, o Ministério da Educação (MEC) decidiu prorrogar o prazo para aditamentos até o dia 29 de maio. Para a adesão de novas contratações, o prazo foi mantido até o dia 30 deste mês.

O Estado apurou que o teto de reajuste - de 6,4% para as mensalidades com contratos do Fies - tem impacto no fluxo de renovação. Quando há mensalidades com reajuste maior, a renovação fica com status preliminar e com pendência de avaliação por parte do Fundo Nacional de Desenvolvimento à Educação (FNDE). Isso, segundo as empresas, burocratiza o fim do procedimento.

Mas há casos de instituições que têm segurado os processos para tentar garantir um reajuste acima do teto. Segundo o FNDE, também há entidades com dificuldade de acesso ao sistema eletrônico. O MEC informou que a prorrogação foi feita para dar mais “segurança e tranquilidade” aos estudantes.

O ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro, pediu calma aos alunos. “O sistema está andando de forma eficiente. Fiquem calmos, todos os problemas serão resolvidos”, disse o ministro no programa Bom Dia, Ministro, da Rádio EBC.

O limite de reajuste, estipulado pelo MEC, abriu uma guerra entre a pasta e as instituições de ensino superior privadas. As empresas argumentam que já há lei que trata das regras para reajustar as mensalidades.

“A prorrogação foi uma decisão sábia do ministro e demonstra que ele está apoiando o programa e tem preocupação com os alunos”, diz Sólon Caldas, diretor executivo da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (Abmes). “O problema é que faltam informações do governo sobre muitas mudanças. Então fica todo mundo receoso sobre qual será o desfecho disso”, completa.

Na semana passada, a Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas) anunciou que não vai mais fazer novos contratos do Fies por causa das “incertezas e dificuldades”. Foi a primeira instituição a tomar essa decisão.

Ajuste - As mudanças no Fies foram feitas, sobretudo, para segurar os gastos. No ano passado, o programa consumiu R$ 13,7 bilhões - quase o dobro do ano anterior. Reportagens do Estado mostraram que o avanço nos gastos não se traduziu em expansão do ensino superior. O ritmo de matrículas até caiu desde 2010, ano que o programa teve alterações.

Até agora, cerca de 240 mil novos contratos de financiamento foram garantidos neste ano - o MEC tem priorizado cursos com boas avaliações e em regiões menos atendidas. Desde o dia 30, o sistema passou a exigir nota mínima no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para quem quiser o financiamento. (Estadão)

Termos "baitola" e "cabaço" podem virar patrimônio

Termos  
Parece piada, mas um deputado estadual do Amazonas apresentou um projeto que propõe transformar palavras como "piroca", "cabaço", "baitola", "pinguelo" e "xibiu" em patrimônio imaterial do Estado.

Membro da bancada evangélica em seu quarto mandato, Wanderley Dallas (foto) listou os termos junto a dezenas de outros, como "cabeça dura", copiados do livro "Amazonês", do acadêmico Sérgio Freire, que pesquisa a linguagem da região.

Embora seja de 2012, o projeto de lei só começou a tramitar em comissões da Casa este ano. No texto, ao lado de cada tópico, segue uma explicação, como: "Cabaço, O hímen. 'Essa aí tem cara de que já perdeu o cabaço'."

Após enfrentar críticas, o político voltou atrás e disse que retirará palavrões do projeto, mas atacou os colegas. "É um grupo de deputados que se constrange com a palavra 'cabaço', mas usa de boca cheia em qualquer local", disse.

A necessidade de analisar a viabilidade jurídica do projeto irritou o presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), Orlando Cidade que o considera "sem a menor consistência". "Ele (Dallas) já tentou transformar em patrimônio até a festa do repolho. Tem muito deputado que faz isso. Aí depois põe um outdoor dizendo que é o que mais apresentou projeto", disse.

Além do repolho, ele já tentou transformar em patrimônio as festas do Boto, do Pirarucu e da Soltura dos Quelônios. Um deputado no Amazonas ganha pouco mais de R$ 25 mil por mês.

Veja outras expressões que fazem parte do projeto de lei, listadas pelo deputado:
Bagaceira: noitada
Baiacu: pessoa gorda
Baitola: homossexual
Cabaço: hímen. "Essa aí tem cara de que já perdeu o cabaço"
Cabaçuda: mulher virgem
Cunhantã: garota. "Quem é essa cunhantã?"
Cunhã-poranga: mulher bonita. Parte do imaginário do boi-bumbá de parintins
Pinguelo: órgão sexual feminino.
Piroca: pênis
Xibiu: vagina

Todos os partidos me procuraram 'desesperados' por recursos, diz Jucá sobre fundo partidário

Relator da proposta orçamentária de 2015, Romero Jucá discursa no Congresso
 Romero Jucá
O aumento dos recursos do Fundo Partidário em tempos de ajuste fiscal se transformou em crise interna no PMDB. Desde a sanção do Orçamento pela presidente Dilma Rousseff sem veto aos R$ 867,5 milhões reservados para custear as legendas, lideranças da sigla deram declarações conflitantes sobre o assunto, rompendo um histórico recente de discurso mais coeso.

Após os presidentes do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), criticarem Dilma por não ter vetado a emenda que triplicou a verba, o relator do Orçamento, senador Romero Jucá (PMDB-RR), saiu em defesa da petista nesta quinta-feira, 23.

“Quero fazer aqui justiça: a presidente Dilma sancionou uma proposta de todos os partidos. Ela não tem responsabilidade quanto a isso. Essa foi uma posição do Congresso”, disse Jucá na tribuna. O senador afirmou que as legendas pediram que o acréscimo fosse de R$ 1,2 bilhão, mas, por causa da atual situação econômica, resolveu apresentar um valor menor.

“Fui procurado pela grande maioria dos partidos políticos, todos apavorados. Não havia recursos para que os partidos pudessem funcionar neste ano. Por conta de várias questões políticas, as doações empresariais cessaram”, afirmou Jucá, sem citar a Operação Lava Jato, apontada como principal motivo para a queda na arrecadação das legendas.

A falta de sintonia na cúpula do PMDB também opôs Renan e Cunha em relação à regulamentação da mão de obra terceirizada, aprovada pelos deputados e à espera de análise dos senadores. Na polêmica do Fundo Partidário, o vice-presidente Michel Temer foi obrigado a se corrigir, depois de dizer que Dilma contingenciaria a verba – o que é proibido.

Para remediar a confusão, Temer disse que o PMDB não vai usar 25% da verba que receber da União. O partido, porém, ainda estuda se e como poderá devolver os recursos. O tesoureiro do PMDB, senador Eunício Oliveira (CE), não quis comentar o caso.

Renan ameaça atrasar lei da terceirização no Senado e Cunha reage

Queda de braço: Renan e Cunha discordam sobre projeto da terceirização
Em queda de braço com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), disse a interlocutores que avalia "engavetar" o projeto que trata da regulamentação da terceirização no País. Renan não concorda com o texto abrangente aprovado na quarta-feira, 22, pelos deputados e, diante da ameaça de Cunha de que se o Senado alterar o projeto ele será restabelecido pela Câmara, a alternativa é segurar a votação no plenário ao menos durante a sua gestão em janeiro de 2017.

"Não vamos permitir pedalada contra o trabalhador. Não podemos permitir uma discussão apressada de modo a revogar a CLT", afirmou Renan. Um interlocutor direto do presidente do Senado resumiu a disposição de Renan. "Demorou 11 anos para passar na Câmara, se demorar cinco para tramitar no Senado está bom", afirmou, ao dizer que a proposta será votada "a gosto de Deus".

O presidente da Câmara reagiu imediatamente à possibilidade de o projeto dormitar nas gavetas do Senado. "Se eles podem segurar (projetos), a Câmara pode segurar também o que veio do Senado", ameaçou, após o Broadcast Político revelar a disposição de Renan. Perguntado se isso significa chumbo trocado, Cunha respondeu: "É óbvio que a Câmara tem o que segurar." Em resposta, Renan disse que não irá votar o projeto com "sofreguidão porque isso é ruim."

Segundo interlocutores, os dois não se falam há duas semanas, desde que a presidente Dilma Rousseff trocou o indicado de Renan pelo de Cunha no Ministério do Turismo. A divergência se agravou na terça-feira, quando Cunha mandou um recado público para Renan. "O que a Câmara decidir pode ser revisado pelo Senado. Mas a última palavra será da Câmara. A gente derrubaria a decisão se o Senado desconfigurar (o projeto)."

Como o projeto original, apresentado em 2004, é de autoria de um deputado federal, a Câmara tem a prerrogativa regimental de dar a palavra final sobre o texto. Isso significa que, mesmo se os senadores aprovarem mudanças ao texto, os deputados podem retornar ao teor que foi aprovado pela Câmara. Depois, a matéria segue para a sanção presidencial. Uma estratégia para "desacelerar" a tramitação do projeto é fazer com que ele passe por várias comissões permanentes no Senado, que sejam realizadas sessões e audiências públicas nas comissões e no plenário. Renan ainda tem a prerrogativa de nunca incluir o texto para votação no plenário.

Pelo texto aprovado na Câmara, praticamente todos os trabalhadores brasileiros que hoje têm carteira assinada poderão ser terceirizados, inclusive os que exercem a atividade-fim nas empresas. Essa é uma das maiores críticas ao texto feita não só pelo presidente do Senado, mas pelas centrais sindicais e pelo próprio governo. O governo também não gostou de os deputados rejeitarem incluir tributo de 5,5% sobre o faturamento das empresas como contribuição ao INSS.

Retaliação. Aliados de Cunha disseram que ele pode retaliar Renan atuando para segurar um projeto que é essencial para o Nordeste e especialmente Alagoas, estado governado pelo filho do presidente do Senado, Renan Filho. É a proposta que trata da anistia na concessão de incentivos fiscais dados por estados ilegalmente. O texto, aprovado pelo Senado no início do mês, terá de passar por duas comissões temáticas e pelo plenário da Câmara. Na primeira delas, a proposta será relatada por uma deputada aliada de Cunha, Soraya Santos (PMDB-RJ).

O presidente do Senado, contudo, conta com o apoio das duas maiores bancadas do Senado, o PMDB e o PT, e do Palácio do Planalto. "É um desastre para os direitos trabalhistas", resumiu um auxiliar palaciano em relação ao texto aprovado pela Câmara. A expectativa no governo é a de que Renan amenize a versão aprovada pela Câmara, promova um debate maior sobre a medida e ganhe tempo.

"A terceirização é importante, mas ela não pode ocupar o espaço fim de qualquer empresa", adiantou o líder do PMDB, senador Eunício Oliveira (CE), ao destacar que não vai permitir "nenhum açodamento" na discussão sobre o projeto. O líder do PT no Senado fez coro ao peemedebista.

" Ou ela sai do texto ou não votamos", afirmou Humberto Costa. "Não podemos dar lucro e produtividade para as empresas subtraindo direito dos trabalhadores", completou o líder do PT, ao dizer que isso é uma fórmula para disseminar mais "miséria".

Gilmar ataca Franklin: 'especialista em fraude'

:  
Franklin e Gilmar
O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) multou em R$ 30 mil a coligação da campanha de reeleição da presidente Dilma Rousseff por propaganda irregular no site Muda Mais, nas eleições de 2014. A página era comandada pelo ex-ministro Franklin Martins (Comunicação Social).

No julgamento, o vice-presidente do TSE, ministro Gilmar Mendes, atacou Franklin Martins: "São especialistas em fraude. Nós sabemos de todo o jogo sujo que se opera na internet. É um site conhecido por fornecer dados para blogueiros sujos, subsidiados por verbas estatais. Site coordenado por jornalista e ex-secretário de comunicação Franklin Martins, especialista nesse tipo de jogo", disse. Leia a matéria do Consultor Jurídico sobre o assunto.

Ex-mulher de Collor diz que realizou rituais de magia negra contra Silvio Santos

A ex-mulher de Fernando Collor de Mello, Rosane Malta revelou em entrevista (foto) a um programa da TV Record, ontem (23), que realizou rituais de magia negra contra o apresentador Silvio Santos.

Segundo ela, o ex-presidente, na época em campanha, acreditava que o dono do SBT era o único que poderia atrapalhar sua chegada ao Planalto, em Brasília, e que, por isso, recorreu aos serviços de "mãe" Cecília.

"Foi pedido um trabalho e aconteceu de ele [Silvio Santos] não ser candidato a presidente da República. A Cecília, ela fazia trabalho para todos [os adversários]. O objetivo era chegar à presidência da República", revelou Rosane Malta em entrevista ao "Balanço Geral.

"No começo era só matança de galinhas, coisas pequenas. Mas depois a gente começou a ir a um sítio, em Arapiraca, longe de Maceió, para ninguém ver. E eram com animais mais pesados. E eu sempre passava muito mal", detalhou.

Na época, Silvio chegou a ser apontado por institutos de pesquisa como um candidato favorito à presidência da República, mas teve a sua candidatura impugnada pelo Supremo Tribunal Eleitoral. Collor, então, enfrentou Luiz Inácio Lula da Silva em uma campanha difícil e polêmica, em 1989. Venceu as Eleições, assumiu o posto de presidente da República em 1990, mas sofreu impeachment cerca de dois anos depois após inúmeras denúncias de corrupção.

Rosane e Collor foram casados por mais de 20 anos, entre 1984 e 2005. Segundo ela, o casamento começou a desmoronar "quando ela percebeu que sofria de depressão e não recebeu apoio do marido".

BASA: Assalto no PAB-Capaf

O gerente (Hailton Paixão) de relacionamento do Posto de Atendimento Bancário (PAB) que funciona dentro da Caixa de Previdência Complementar do Banco da Amazônia (Capaf), na Avenida Generalíssimo Deodoro, centro de Belém, foi rendido na manhã de ontem (23) por dois criminosos quando se dirigia ao trabalho.

Segundo testemunhas a dupla aguardava pelo gerente do lado de fora do posto e assim que ele entrou no corredor que dá acesso ao PAB foi rendido pelos assaltantes.

A unidade ainda estava fechada, no local estavam outro gerente, o segurança e uma auxiliar de limpeza, que também foram rendidos enquanto a dupla recolhia todo o dinheiro da unidade.

Os idosos que aguardavam do lado de fora a abertura da unidade também tiveram que entrar. De acordo com testemunhas, até as moedas foram levadas. Ontem era dia de pagamento dos aposentados e pensionistas da Capaf.

Além do dinheiro foram levadas duas armas do vigilante. Câmeras de segurança registraram toda a ação e já foram repassadas à polícia que investiga o caso. 

“Infelizmente a situação da insegurança nos bancos está generalizada no Estado do Pará. A dura realidade de violência enfrentada nas unidades bancárias do interior é cada vez mais presente, como também aqui em Belém, onde está localizado o centro do governo. A inoperância do governo do estado na área de segurança é flagrante, assim como a omissão dos bancos nesse assunto. A luta por mais segurança, dentro e fora dos bancos, não pode ser apenas do nosso Sindicato, mas sim de toda a sociedade”, afirma o diretor do Sindicato dos Bancários do Pará, Gilmar Santos.
Sobre o assalto, Francisco Sidou, jornalista e colaborador deste blog, faz o seguinte comentário:
"Ontem (23) ocorreu um assalto no posto Basa-Capaf. Passei por lá pela manhã, mas a agência ainda estava fechada mesmo depois das 10 horas. Não deu para apurar detalhes. Mas alguns poucos aposentados que estavam lá ainda estavam assustados. Segundo me falaram, os assaltantes entraram na maior tranquilidade e de cara limpa, avisando: "Calma, vovôs e vovós, fiquem quietinhos que não vai acontecer nada com vocês.Nós só queremos o dinheiro do Banco, que vai receber depois tudinho do seguro. Eles não perdem nunca."
Um dos aposentados sustentava a versão de que, após a retirada da área de lazer dos aposentados pelo interventor da Capaf o local ficou mais vulnerável, pois no início da manhã quase não tem ninguém e o portão de acesso ao corredor abre às oito horas, favorecendo o acesso às dependências do Banco. Quando tinham acesso ao lazer, os velhinhos chegavam mais cedo e havia maior movimentação no local. Faz sentido."
Leia também >CAPAF: Ovo de Maldade

quinta-feira, 23 de abril de 2015

Sepultamento de Felício Pontes será hoje (24)

As despedidas e homenagens ao desembargador Felício de Araújo Pontes, falecido na manhã de ontem (22), no Rio de Janeiro, aos 82 anos, estão sendo realizadas na capela do Max Domini, à avenida José Bonifácio. O sepultamento está marcado para às 15h desta quinta-feira, 23.
Grata lembrança
Eu e o amigão Felício. Remistas de amor e paixão.

A prefeitura de Belém e o governo do Pará devem imitar

Um avião da Air Europa ligando duas das cidades mais visitadas do mundo – Madri e Paris – está com cores especiais: até o final do ano, a aeronave vai transportar passageiros para os principais destinos europeus com a marca de Salvador. Como contrapartida pelo patrocínio oficial do Carnaval, a medida tem como objetivo alavancar o turismo na cidade.

“Este é um passo muito importante porque há muito tempo Salvador não tinha um trabalho de promoção internacional. Além desse avião, que vai rodar toda a Europa, também teremos um conjunto de atividades para promover Salvador no continente, como anúncios em veículos especializados, e um intenso trabalho com o trade turístico”, afirmou o prefeito ACM Neto, que foi à capital espanhola para participar do lançamento da plotagem do avião. Nas alturas!