Fale com este blog

E-mail: ercio.remista@hotmail.com
Celular: (91) 8136-7941
Para ler postagens mais antigas, escolha e clique em um dos marcadores relacionados ao lado direito desta página. Exemplo: clique em Santarém e aparecerão todas as postagens referentes à terra querida. Para fazer comentários, eis o modo mais fácil: no rodapé da postagem clique em "comentários". Na caixinha "Comentar como" escolha uma das opções. Escreva o seu comentário e clique em "Postar comentário".

segunda-feira, 25 de julho de 2016

Suplicy é detido durante reintegração de posse

O ex-senador Eduardo Suplicy (PT), candidato a vereador em São Paulo, foi detido na manhã desta segunda-feira, 25, durante reintegração de posse na zona oeste da capital, por desobediência e obstrução à Justiça, segundo o capitão Eliel Pontirolli, da Polícia Militar. Suplicy se deitou na rua para impedir a reintegração de posse e chegou a ser carregado por policiais militares.

A PM cumpre desde às 5 horas reintegração de posse de um terreno ocupado por cerca de 350 famílias há pelo menos três anos na Cidade Educandário, na região da Rodovia Raposo Tavares. Suplicy foi levado para o 75º Distrito Policial (Jardim Arpoador).

Houve confronto e troca de tiros entre moradores que protestavam contra a ação e policiais militares. Segundo os moradores, o confronto começou porque uma criança que morava no bairro foi atingida por uma bomba de gás lacrimogêneo, o que causou revolta. Alguns moradores revidaram, queimaram pedaços de madeira e atiraram contra os agentes. Um PM que estava de colete foi atingido.

Em nota, a Prefeitura informou que a área ocupada é municipal e apresenta risco elevado de desabamento, "o que inviabiliza construção de moradia popular". "A Defesa Civil do município estudou a possibilidade de retirar apenas parte dos barracos, mas concluiu que isso colocaria os demais barracos em risco, por causa da fragilidade estrutural do conjunto", informou.

De acordo com a prefeitura, a reintegração de posse é uma determinação judicial e os moradores foram avisados previamente sobre a desocupação.

Decreto formaliza antecipação de metade do 13º dos aposentados em agosto

O governo federal editou decreto que formaliza o pagamento antecipado da primeira metade do 13º dos aposentados e pensionistas do INSS em agosto. O decreto está publicado no Diário Oficial da União (DOU) desta segunda-feira (25).

De acordo com o texto, o abono anual será efetuado em duas parcelas: a primeira corresponderá a até 50% do valor do benefício do mês de agosto e será paga juntamente com os benefícios do mês; e a segunda corresponderá à diferença entre o valor total do abono anual e o valor da parcela antecipada e será paga juntamente com os benefícios do mês de novembro.

Parabéns aos escritores

Minha homenagem ao meu saudoso e querido mano Emir Bemerguy, escritor e poeta dos bons.

Chamego de neta

Ontem, por conta do "Dia dos Avós" que será comemorado amanhã (26), a minha netinha Maya deu uma chamegada no Vô Ercio. Que coisa boa!

Papa Francisco reza por vítimas de ataques em Munique e Cabul

Na tradicional oração do Angelus, na Praça São Pedro, o papa Francisco lembrou ontem as vítimas do ataque em um centro comercial de Munique, na última sexta-feira, que matou dez pessoas, e do atentado terrorista em Cabul, no Afeganistão, no sábado, que deixou 80 mortos.

Ao rezar pelas vítimas, o pontífice disse que “quanto mais insuperáveis parecem as dificuldades e mais obscuras são as perspectivas de paz e segurança, ainda mais insistente deve se ser nossa oração”.
 
Em telegrama enviado ao Arcebispo de Munique, cardeal Reinhard Marx, o papa manifestou solidariedade às vítimas do ataque ao centro comercial e disse que “compartilha a dor dos sobreviventes e expressa sua proximidade no sofrimento”.

No telegrama, o secretário de Estado do Vaticano, Pietro Parolin, diz que Francisco recebeu “com consternação” as notícias do ataque e que “manifesta sua profunda solidariedade a todos os que foram atingidos no atentado e agradece às forças de socorro e ordem pelo trabalho atento e generoso”.

Clonando Pensamento

"Dilma aprendeu com Lula: não sabia da roubalheira na Petrobras, não sabia do caixa 2 na campanha e também não sabia governar." 
(Claudio Humberto)

Galeria de amigos: FRANCISCO COIMBRA LOBATO

Francisco (Chico) Coimbra Lobato, na foto com a filha Zuila Von e esposa Elinor, além de  competente empresário, sempre foi um apaixonado torcedor do São Francisco Futebol Clube, tendo sido, na década de 70, um de seus presidentes, sempre contando ao seu lado na diretoria do Leão Azul santareno, com Edenmar Machado (Machadinho), Didimo Souza, Otávio Pereira e muitos outros azulinos de paixão. Atualmente, o meu amigo Chico e esposa residem em São Paulo, mas sempre visitam Santarém para rever familiares e seus muitos amigos. Gente boa, gente bacana, gente querida, taí.

Vale a pena ler: Juro zero é lenda, não se engane: peça desconto à vista

Parcelamento sem juros é lenda; veja dicas de como barganhar desconto no pagamento à vista 
Folha de SP
Será que alguém acredita, de verdade, que pode comprar e pagar em 12, 14, 18 vezes sem juros? Em uma economia como a brasileira, que pratica a taxa de juros mais alta do planeta, que cobra absurdos juros de 15% ao mês dos desafortunados que parcelam a fatura do cartão de crédito?

Será que existe o bom samaritano que faz o favor de te emprestar dinheiro para comprar à vista e parcelar em 12 vezes ou mais, correndo o risco de não receber todas as parcelas, sem cobrar nada por isso?

É evidente que existe uma taxa de juros embutida no preço parcelado a perder de vista. Ela não é aparente, não é declarada, mas está lá, sorrateiramente embutida nas parcelas que o consumidor acredita será capaz de pagar.

O consumidor que não tem dinheiro para comprar à vista, por um preço menor, se agarra a essa oferta enganosa para realizar seu sonho de consumo. Afinal ele não pode esperar, precisa comprar mais uma peça de roupa hoje. Precisa comprar outro par de sapatos, de que não está precisando, só porque está em liquidação. Ou a versão mais recente do smartphone.

Quem está enganando quem aqui nesta história? O comerciante engana o consumidor dizendo que ele pode comprar um produto pelo mesmo preço do pagamento à vista. Dessa forma, aumenta muito a probabilidade da venda. Omite o preço da venda à vista porque, se assim o fizer, sua história de juro zero será desmascarada. Teima em dizer que o preço é o mesmo apesar de sabermos que isso é impossível em uma economia como a nossa.

O consumidor engana a si mesmo porque acredita nessa história e acha que está fazendo um ótimo negócio. Ele nem tenta negociar um preço melhor para pagar à vista porque não tem dinheiro e assim acaba por validar a estratégia dos comerciantes.

Entrei no site de um grande varejista e encontrei diversos produtos sendo oferecidos com pagamento parcelado, sem juros. Escolhi um eletrodoméstico cujo preço acaba de ser reduzido, vejam só, de R$ 2.229 para R$ 1.928. E o mais incrível é que você pode pagar em nove parcelas, sem juros, de R$ 214! Avanço mais um passo e o site informa que o preço cai para R$ 1.832, desconto de 5%, se o pagamento for feito em uma vez no cartão ou boleto bancário. É isso, desconto de 5% que você nem pediu nem precisou negociar.

Com um pouco de resistência da sua parte, se o comerciante perceber que você vai escapar, vai olhar outras lojas antes de decidir, prepare-se para receber um desconto melhor, de 10% ou mais, dependendo do produto e do valor da compra.

Minha estratégia é pesquisar muito na internet antes de comprar. Pesquisa feita, sei quanto vale o produto e quem tem o melhor preço. Vou à loja para ver o produto de perto, comparar com outras marcas. Separo a negociação em duas partes. Na primeira demonstro incerteza, relutância se quero mesmo comprar, digo que vi o produto por preço melhor em outra loja, que a mesma loja vende o produto mais barato pela internet, enfim, faço o comerciante reduzir o preço para conseguir o negócio.

Depois de conseguir um desconto e deixar o vendedor contente, inicio a segunda negociação, que diz respeito à forma de pagamento. Eu não pergunto se tem desconto para pagar à vista. Pergunto de quanto é o desconto para pagar à vista. Parto do princípio de que existe um desconto que será maior ou menor dependendo da forma de pagamento. Assim, consigo ampliar o desconto e reduzir o preço final.

O comerciante não cede, insiste em que o preço à vista é igual ao preço em dez vezes sem juros? Diga que desistiu da compra e saia da loja. Nessa hora o vendedor provavelmente vai tirar a ultima carta da manga para não perder a venda. Se o comerciante não ceder, não faz mal. O mercado está cheio de concorrentes vendendo o produto pelo mesmo preço ou até melhor. Não tem nada de errado em comprar a prazo. Tudo bem financiar a compra de itens necessários e parcelar o pagamento ao longo do tempo, devidamente planejado no orçamento. O que não pode é fazer isso acreditando que não existe juro embutido nessa transação. O que está errado é comprar só porque uma atraente (e falsa) oferta de financiamento sem juros induz o consumidor ao erro de comprar o que ele não precisa, no lugar errado, na hora errada, pelo preço errado. Fique atento!

domingo, 24 de julho de 2016

Cogresso Eucarístico em Santarém

De 12 a 15 de dezembro de 1974, foi realizado o II Congresso Eucarístico da Prelazia de Santarém,  O meu mano Emir fez a letra e o maestro Wilson Dias da Fonseca (Isoca) fez a melodia para o Hino Oficial do referido evento, que mostramos abaixo.

Tudo é de todos ao nascer a Igreja!
Como se amam! Vede que união!
Deus quer que assim ainda seja:
Uma só alma, só um coração!

Conosco o Cristo quis ficar presente
No Pão da Vida - divinal manjar!
Agradecemos tal milagre, ó gente:
Vamos ao Rei Universal louvar!

Quando a nudez do teu irmão recobres,
Ardente prece a Jesus Cristo elevas.
Se repartires o teu pão com os pobres,
A tua luz há de brilhar nas trevas!

Quem recebeu tem o dever sublime
De dividir com seus irmãos os dons.
A caridade ao pecador redime:
Deus pede sempre que sejamos bons.

Em Emaús o Cristo foi notado
Quando partiu, em certo instante, o pão.
O próprio Deus em nós é contemplado
Se estamos dando amor ao nosso irmão.

Não basta apenas ao cristão viver
Distribuindo pães de trigo, a esmo:
Não há esmola igual à de fazer
A doação constante de si mesmo.

Nem só de pão a vida se mantém,
Mas na Palavra que o Senhor envia.
Do céu nos veio este supremo bem:
Cristo a Se dar no Pão da Eucaristia!

Do blog do Padre Sidney Canto 
Por ocasião da realização do Segundo Congresso Eucarístico da Prelazia de Santarém, a pedido de Dom Tiago Ryan, os Maestros Wilson Fonseca (Isoca) e Wilde Fonseca (Dororó) organizaram um coral com remanescentes do antigo Coro da Catedral, acrescido de novos membros, dando assim, origem ao “Coral de Santarém”. Na foto abaixo podemos ver parte do grupo, tendo ao Órgão o maestro Isoca. 

sábado, 23 de julho de 2016

Um legado de Dilma

Editorial - Estadão
A ironia é irresistível: como é que esse pessoal tem coragem de fazer isso com uma mulher honesta? Essa deve ser a pergunta que estão fazendo os estupefatos brasileiros que tomaram conhecimento da surpreendente revelação de que havia caixa 2 nas campanhas eleitorais de Dilma Rousseff. É inacreditável, porque Dilma, a honesta, e o PT não se cansam de repetir que todos os recursos financeiros que passam por suas campanhas eleitorais são “recebidos na forma da lei e registrados na Justiça Eleitoral”. Mas a fonte é insuspeita: o marqueteiro João Santana e sua mulher e sócia, Mônica Moura, que acham tudo isso muito feio, mas confessaram ao juiz Sérgio Moro que tiveram que fazer o que fizeram porque, senão, “vem outro e faz”. Não por coincidência, é assim que pensam também os políticos gananciosos, bem como os maus empresários que antes preferem competir à margem da lei, pelo atalho da corrupção, do que pelo aumento da qualidade e a redução dos custos e dos preços de seus produtos e serviços.

O cinismo e a hipocrisia dos depoimentos prestados em Curitiba, no âmbito da Operação Lava Jato, pelo marqueteiro oficial das últimas campanhas presidenciais do PT e por sua companheira e cúmplice, ao trazerem a público aquilo que todo mundo sempre soube e doravante a honesta Dilma não poderá continuar negando, evidenciam a completa deterioração dos padrões de moralidade naquilo que a política tem de mais vital: o jogo eleitoral. Não se pode dizer, numa República que teve suas primeiras décadas marcadas pela ampla manipulação do resultado das urnas, que a fraude eleitoral seja uma novidade. Mas há pouco mais de 35 anos entrou em cena um partido que, apresentando-se como dono da verdade e da virtude, logrou tornar-se a mais importante força política graças à anunciada disposição de lutar “contra tudo isso que está aí”.

Pois é exatamente esse, o Partido dos Trabalhadores, que aliado ao que há de pior na vida pública e privada – do coronelismo nordestino ao banditismo sindical e empresarial – cometeu um escandaloso estelionato eleitoral em 2014. Por força do exagero da sede com que foi ao pote, o PT acabou prestando à democracia brasileira o favor de facilitar a tarefa das investigações policiais que lancetaram o tumor da corrupção e deixaram vazar a secreção pútrida das práticas mentirosas e ilegais das campanhas eleitorais.

Se permanecesse fiel a suas promessas de moralizar a política, o PT poderia ter usado o grande poder político de que por algum tempo dispôs para pelo menos minimizar as práticas criminosas que comprometem a lisura das urnas. Em vez disso, as campanhas eleitorais se tornaram cada vez mais caras e contaminadas por práticas ilegais, como admitiu João Santana em seu depoimento ao juiz Moro: “Acho que é preciso rasgar o véu da hipocrisia que cobre as relações políticas eleitorais no Brasil e no mundo”.

Mônica Moura, que era responsável pela administração financeira da dupla, admitiu ter recebido, “como caixa 2, mesmo”, US$ 4,5 milhões relativos à campanha presidencial de 2010. E explicou: “Os partidos não querem declarar o valor real que recebem das empresas e as empresas não querem declarar o quanto doam. Ficamos no meio disso. Não era uma opção minha, mas uma prática não só do PT, mas de todos os partidos”.

O casal tentou fazer crer que não contou nada no interrogatório que se seguiu à prisão, no início do ano, porque tinha a intenção de preservar a imagem de Dilma Rousseff: “Eu achava que isso poderia prejudicar a presidente Dilma”, afirmou o publicitário. “Eu que ajudei, de certa maneira, a eleição dela, não seria a pessoa que iria destruir a presidente.” Mônica Moura acrescentou: “Para ser sincera, eu não quis incriminá-la, porque achava que ia piorar a situação. Queria apenas me poupar de piorar a situação”. Pelo jeito, nenhum dos dois entende que haja agora alguma maneira de impedir que a “situação” de Dilma piore. Os marqueteiros de Dilma não deixam dúvidas: a corrupção faz parte do catastrófico legado dela.

Para ouvir e lembrar do Cinema Olímpia


Quem frequentou o Cinema Olímpia, em Santarém, certamente lembra desta música. Era tocada antes do início da exibição dos filmes.

Aguardem!

Logo mais, às 10h, novas postagens neste blog.

Moro diz que grampos poderiam justificar prisão de Lula



Em despacho de quinze páginas, o juiz federal Sérgio Moro fulminou, um a um, os argumentos da defesa do ex-presidente Lula que pedia sua suspeição para continuar na condução das investigações sobre o petista. Moro decidiu, taxativamente, não abrir mão do caso e disse que ‘falta seriedade’ à argumentação da defesa.

O magistrado afirmou ainda que os grampos que pegaram o ex-presidente em março deste ano, na Operação Aletheia, poderiam justificar a prisão temporária de Lula, mas que na ocasião, acabou-se optando por ‘medida menos gravosa’, no caso, a condução coercitiva do petista. As interceptações telefônicas mostraram um Lula irado com a Lava Jato.

“Não há nenhum fato objetivo que justifique a presente exceção, tratando-se apenas de veículo impróprio para a irresignação da defesa do excipiente (Lula) contra as decisões do presente julgador e, em alguns tópicos, é até mesmo bem menos do que isso. Rigorosamente, apesar do direito à ampla defesa, não se justifica o emprego da exceção de suspeição sem que haja mínimos fatos objetivos que a justifiquem.”
Leia mais aqui >Moro e a prisão de Lula

Último fabricante de videocassetes no mundo encerra produção

This picture shows a VHS videocassette recorder in Tokyo on July 22, 2016. The world's last videocassette recorder is set to roll off the factory line as a Japanese manufacturer ends production of the once booming home-theatre technology. Funai Electric, which says it is the world's last VCR manufacturer, pointed to a sharp decline in demand and trouble sourcing parts. / AFP PHOTO / KAZUHIRO NOGI ORG XMIT: KN220 
O fabricante japonês de aparelhos eletrônicos Funai anunciou ontem (22) que vai encerrar a produção de videocassetes, deixando assim de ser a única empresa do mundo que ainda fabricava esses aparelhos.

A Funai Electronics fabrica videocassetes desde 1983, tanto com sua própria marca, como também com o logotipo de outras empresas, como Sharp, Toshiba, Denon ou Sanyo. A Funai era a única que continuava a fabricar gravadores e reprodutores para um formato audiovisual considerado obsoleto, o VHS, depois de a Panasonic ter encerrado sua produção, há quatro anos.

A Funai, com sede em Osaka, no oeste do Japão, chegou a vender cerca de 15 milhões de videocassetes por ano durante a época de maior popularidade do produto, entre meados dos anos 1980 e 1990, mas em 2015 vendeu apenas 750 mil. Atualmente, as unidades são produzidas na China.

Obrigado, leitores(as)!

Independente, sem fins lucrativos e sem lado político/partidário, este blog vem atingindo a média diária de 4.000 acessos neste mês de julho. O nosso sentimento é: GRATIDÃO!

Eles merecem ser cumprimentados. Salvam vidas!

João Santana diz que fila do caixa dois do Brasil concorreria com a muralha da China

Dilma, João Santana e Lula
Em seu depoimento prestado quinta-feira (21) à Justiça, em que admitiu o uso de caixa dois na campanha de Dilma Rousseff, o publicitário João Santana afirmou que "com generosidade e com conhecimento de causa, eu digo que 98% das campanhas no Brasil utilizam caixa dois. Que isso envolve das pequenas às grandes campanhas. Que centenas de milhares de pessoas –quase certo que milhões– de todas as classes sociais e de dezenas de profissões são remuneradas com dinheiro de caixa dois. Mais que isso: o caixa dois é um dos principais –senão o principal– centros de gravidade da política brasileira".

Ele afirma ainda que "se tivessem o mesmo rigor que está tendo comigo em relação a essas questões, sairia uma fila atrás de mim aqui ininterruptamente que iria bater em Brasília e Manaus. Podia ser fotografada de satélite porque são milhares e milhões de pessoas que passam por isso."

Depois do depoimento a Moro, Santana revisou a transcrição do que disse e entregou o texto a seus advogados com pequenas alterações, acrescentando o seguinte trecho: "Seria uma muralha humana capaz de concorrer com a muralha da China. Capaz de ser fotografada por qualquer satélite que orbita em torno da terra".

Santana ressalta ainda que, apesar disso, não defende a prática e que ele e a mulher estão dispostos a pagar por seus erros. Leia abaixo o texto do marqueteiro.

"Nos últimos meses, eu vi destruídos, um trabalho e uma imagem pessoal que construí, com muito esforço, ao longo de mais de 20 anos. Eu entendo porque isso aconteceu. Primeiro porque escolhi uma profissão fascinante, mas cheia de riscos e incompreensões. Segundo porque me transformei em um profissional de destaque nacional e internacional. Terceiro porque meu trabalho esteve ligado, nos últimos anos, a um grupo político que está hoje sob severo questionamento. O que eu não entendo e não me conformo é com o fato de eu e minha mulher estarmos sendo acusados, injustamente, de corrupção, formação de organização criminosa e de lavagem de dinheiro. De estarmos sendo tratados como criminosos perigosos. E de estarmos servindo, involuntariamente, aos interesses dos que sempre tentaram ligar o marketing político a atividades obscuras e antiéticas.

O marketing eleitoral não cria corrupção, não corrompe, e não cobra propina. Não somos a causa de práticas eleitorais irregulares. Elas são consequência de um sistema eleitoral adulterado e distorcido em sua origem. Isto é assim aqui e na maioria esmagadora dos países. E atinge todos os partidos, sem exceção. Com generosidade, e com conhecimento de causa, eu digo que 98% das campanhas no Brasil utilizam caixa 2. Que isso envolve das pequenas às grandes campanhas. Que centenas de milhares de pessoas - quase certo que milhões - de todas as classes sociais e de dezenas de profissões são remuneradas com dinheiro de caixa 2. Mais que isso: o caixa 2 é um dos principais - senão o principal - centros de gravidade da política brasileira.

Se todos que já foram remunerados com caixa 2 no Brasil fossem tratados com o mesmo rigor que eu, era para estar aqui, atrás de mim, uma fila de pessoas que chegaria a Brasília. Uma muralha humana capaz de concorrer com a muralha da China. Capaz de ser fotografada por qualquer satélite que orbita em torno da terra.
Mas estaria eu aqui a defender o caixa 2? Jamais!

Erramos e estamos dispostos a pagar pelo nosso erro. Mas não somos corruptos nem lavadores de dinheiro.

Pelo que já foi apurado, há fortes indícios de que os crimes da Lava-Jato não estão circunscritos ao caixa 2 eleitoral. Mas no nosso caso nada foi apurado - e nunca será - que não esteja circunscrito ao caixa 2. Mas estamos presos, tivemos nossa reputação arruinada, nossos bens bloqueados, nosso patrimônio líquido sequestrado, nossas empresas, no Brasil e no exterior, ameaçadas de fechar. Tudo, sem que ninguém até hoje duvide, que aquilo que conseguimos na vida é fruto exclusivo do nosso trabalho.
Somos os únicos presos, neste país, por caixa 2. Não queremos ser símbolos. Nem bodes expiatórios. Não quero clemência, nem piedade. Não espero perdão. Espero apenas proporcionalidade. Espero que Vossa Excia. possa resolver esta grave distorção, e possa darmos, a mim e a minha mulher, a exata medida da nossa responsabilidade. É isto - apenas isto - que esperamos da justiça."

Ararinhas podem salvar políticos honestos da extinção

Folhinha: Ararinha-azul em cativeiro do Brasil. ***DIREITOS RESERVADOS. NÃO PUBLICAR SEM AUTORIZAÇÃO DO DETENTOR DOS DIREITOS AUTORAIS E DE IMAGEM*** 
Por Ruy Castro - Folha de SP
Alvíssaras! O Ministério do Meio Ambiente anunciou que a ararinha-azul (Cyanopsitta spixii), extinta na natureza há 15 anos, está prestes a voltar à caatinga do norte da Bahia, seu habitat natural. Uma porcentagem de filhotes dos 128 espécimes ainda existentes no mundo em cativeiro — a grande maioria sob a guarda de criadores fora do Brasil — começará a ser solta na região em 2019. Elas serão monitoradas e, a depender de sua evolução, haverá uma segunda e definitiva soltura em 2021.

Algo parecido poderia ser tentado com os políticos brasileiros. Os honestos entre eles são tão poucos que também estão ameaçados de extinção na natureza. E, por motivos óbvios, não se consegue fazê-los reproduzir em cativeiro. A alternativa seria reunir um grupo deles ainda no primeiro mandato e, antes que se deixassem contaminar pelo ambiente, confiná-los fora de Brasília e submetê-los a cursos intensivos de ética, moral, cidadania, administração, direito público e outras matérias inerentes.

Feito isto, esses políticos seriam libertados e mandados para seus burgos de origem. Mas de forma controlada, para se ver como reagem diante da oferta de propinas, desvios de verbas, maquiagem de orçamentos e acordos espúrios com secretários de Estado e tesoureiros de partidos. E só então os melhores entre eles seriam devolvidos a Brasília com plena autonomia de voo. Pode dar certo. Mas, mesmo assim, eu não dispensaria as argolinhas em seus tornozelos.

sexta-feira, 22 de julho de 2016

Me engana que eu gosto... : Dilma diz que não autorizou caixa 2 em campanha

Dilma e Lula sempre dizem que não fizeram nada de errado, que não sabem de nada, enfim, que é uma dupla honesta. Você acredita, leitor(a)?
A presidente afastada, Dilma Rousseff, afirmou nesta sexta-feira (22) que não autorizou pagamento de caixa dois durante suas campanhas eleitorais e que, se houve esse tipo de acerto, não foi com seu conhecimento.

"Não autorizei pagamento de caixa dois para ninguém. Se houve pagamento, não foi com o meu conhecimento", disse Dilma em entrevista para a rádio Jornal Commercio.

A declaração da petista aconteceu um dia após o publicitário João Santana e sua mulher, Mônica Moura, afirmarem em depoimento à Justiça que receberam dinheiro de caixa dois para fazer a campanha de Dilma em 2010. O total, segundo eles, chegou a US$ 4,5 milhões.

Os relatos de Santana e Mônica, assumindo a prática de caixa dois como recorrente em campanhas eleitorais, deixaram a cúpula do PT preocupada. Isso porque, presos há cinco meses em Curitiba pela Lava Jato, ambos negociam um acordo de delação premiada, para tentar atenuar suas penas.

Petistas acreditam que as delações em série podem estimular o ex-tesoureiro do partido João Vaccari Neto a também colaborar com a Justiça. Ele tem sido pressionado por familiares a contar o que sabe.

A mulher de João Santana, que cuidava das finanças do casal, disse que, após a campanha de Dilma em 2010, o PT não pagou tudo o que devia e protelava uma dívida de R$ 10 milhões.

Mônica afirmou que tentou resolver o caso "de várias formas" junto a Vaccari, que a orientou a procurar Zwi Skornicki, representante no Brasil do estaleiro asiático Keppel Fels, com negócios com a Petrobras.

Ficou acertado então que o débito seria saldado por Zwi em dez parcelas, em uma conta não declarada no exterior.

Na entrevista nesta sexta, Dilma, por sua vez, disse que as declarações do publicitário e de sua mulher não a preocupam mas, nos bastidores, aliados temem repercussões negativas diante do já bastante difícil cenário para tentar reverter o impeachment no Senado.

Leitorado: Fordlândia é "fantasma"?

De Sandro N. G - Bairro Pedreira - Belém
"Ultimamente tenho visto no facebook muita gente postando fotos de Fordlândia, mostrando só ruínas, como se fora um local ´fantasma`. Sou filho daquela aprazível localidade, habitada por pessoas hospitaleiras e trabalhadoras. Ao invés de mostrarem só coisas negativas, os fotografos, os visitantes, deveriam indicar como chegar lá, onde se hospedar, o que desfrutar de bom, como a culinária, por exemplo. No Pará, as pessoas adoram falar mal de suas cidades, principalmente em época de eleição. Vamos valorizar o que é nosso!"