Fale com este blog

E-mail: ercio.remista@hotmail.com
Celular: (91) 8136-7941
Para ler postagens mais antigas, escolha e clique em um dos marcadores relacionados ao lado direito desta página. Exemplo: clique em Santarém e aparecerão todas as postagens referentes à terra querida. Para fazer comentários, eis o modo mais fácil: no rodapé da postagem clique em "comentários". Na caixinha "Comentar como" escolha uma das opções. Escreva o seu comentário e clique em "Postar comentário".

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

'Não precisa este afobamento', diz ministro sobre inscrição no Fies

O ministro da educação, Cid Gomes, disse nesta sexta-feira (27) que os estudantes que estão com dificuldades em se cadastrar no site do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) podem ficar tranquilos, mesmo com as dificuldades enfrentadas pelos alunos no momento da inscrição - na última quarta-feira (25) a página chegou a sair do ar, deixando alunos preocupados.

"O prazo do Fies é um prazo grande, portanto não precisa ter preocupação. Foi aberto no início desta semana, e irá ficar até 30 de abril. Podem ficar tranquilos. Eu fui pessoalmente visitar a base do Ministério da Educação onde estão os computadores, simultânemanente tinham cerca 80 mil pessoas na mesma hora, no mesmo instante. Isso era 21h de quarta-feira. Fiquem tranquilos", disse o ministro. "Não precisa este afobamento", concluiu.

Acesso ao ensino superior
Durante a visita ao Pará, Gomes elogiou os mecanismos de acesso ao ensino superior que utilizam a pontuação do Enem. "O Sisu se transformou no principal passaporte para o ensino superior. Foram 205 mil vagas só no primeiro semestre. O PROUNI ofereceu 2013 mil oportunidades através do Enem. Nós devemos, na próxima edição do Fies, ter no Enem o grande passaporte, além de avaliar a qualidade dos cursos oferecidos", exalta.

Apesar disso, o ministro não descarta que o exame sofra mudanças: de acordo com Gomes, hoje o Enem é uma "operação de guerra", devido aos custos e esforços necessários para que a prova seja aplicada com segurança e sigilo. Por isso, o ideal seria que o estudante fosse avaliado "O que nós queremos é transformar isto em uma estrutura usando a internet, usando os computadores,não em um dia só, na mesma hora", e para isto o MEC pretende abrir uma consulta pública para ouvir sugestões quie possam melhorar o Enem.
 Cid na UFPA
Cid na reunião com o prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho
Agenda em Belém
Gomes participou de uma reunião nesta sexta-feira (28) com o prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho, para discutir a aplicação do Pacto Nacional de Alfabetização na Idade Certa. Ele disse que espera visitar mais municípios para conhecer melhor e superar os desafios da educação.
Após o encontro com o prefeito, o ministro seguiu para a Universidade Federal do Pará, onde fará uma visita acompanhado de dirigentes da Secretaria de Ensino Superior e da Secretaria de Educação Tecnológica do MEC.

Na UFPA, estudantes receberam o ministro com faixas protestando contra o corte de verbas para educação. Cid Gomes recebeu os alunos e conversou sobre a situação do ensino superior, respondendo aos questionamentos dos alunos e reforçando que a docência exige vocação, e não apenas remuneração adequada.

Nova regra do seguro-desemprego vale para demitidos a partir de amanhã (28)

A nova regra do seguro-desemprego começa a valer para quem for demitido a partir deste sábado (28), segundo informou o Ministério do Trabalho. Portanto, as mudanças valerão para esses trabalhadores que darão entrada no pedido a partir desta segunda-feira (1º).

"A vigência da Medida Provisória [que estabelece as novas regras] começará 60 dias a partir da data da publicação. Sendo assim, as novas regras incidirão nos trabalhadores demitidos a partir do dia 28 de fevereiro de 2015", diz o Ministério do Trabalho.

Com as mudanças, o trabalhador que solicitar o benefício pela primeira vez deverá ter trabalhado por 18 meses nos 24 meses anteriores.

De acordo com as novas regras, na segunda solicitação do benefício, ele terá de ter trabalhado por 12 meses nos 16 meses anteriores e, a partir da terceira solicitação, terá de ter trabalhado, pelo menos, por seis meses ininterruptos nos 16 meses anteriores.

Em Santarém bancários protestam contra privatização da Caixa Econômica

Bancários da agência da Caixa Econômica Federal localizada na Avenida Tapajós, em Santarém, oeste do Pará, realizaram na manhã desta sexta-feira (27), um manifesto contra o projeto de privatização do banco. Os bancários se dizem a favor da Caixa ser totalmente pública e não querem mudanças. O manifesto aconteceu em todo o país.

O protesto foi através de um minuto de silêncio, faixas e camisas reforçando a vontade do banco permanecer público. "Acreditamos que este ato vai surtir efeito, se não surtir efeito aí sim será paralisada as agências bancárias de todo o Brasil. Nós não aceitamos porque hoje a caixa econômica ela exerce um papel fundamental na sociedade. E uma privatização seria danoso não só para os bancários mas para toda a sociedade que não teria seu atendimento", explica o diretor do Sindicato dos Bancários do Pará, Sandro Matos.

A Caixa é o maior banco totalmente público da América Latina, e torná-lo particular implica em várias mudanças, que podem alterar a forma de atendimento da população. "Isso pode implicar em um trabalho que a caixa está fazendo hoje e que pode prejudicar lá na frente. Hoje você vai na caixa entrega o penhor, as joias e recebe o dinheiro e os juros são pequenos, imagina isso na mão de um banco particular. Com certeza vão aumentar os juros", ressalta o diretor do Sindicato dos Bancários de Santarém, Joacir Pereira.

Ainda de acordo com o diretor do sindicato dos bancários do Pará, um contato já foi feito com o governo federal, através de um ofício. Um posicionamento deve ser recebido até o dia 5 de abril. "Caso ele mantenha a sua proposta de privatização aí sim vai haver um processo de fechamento das agências e uma greve geral na caixa econômica", conclui Matos.

Caixa Econômica Federal
A Caixa Econômica Federal, instituição financeira 100% pública, foi fundada em 1861. Além de ser o principal financiador da casa própria no Brasil, com com participação de mercado próxima de 70%, o banco também é responsável pela operacionalização do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), pelo Programa de Integração Social (PIS) e pelo seguro-desemprego. (OrmNews)

Governo aumenta impostos sobre a folha de pagamento

O governo publicou nesta sexta-feira a Medida Provisória 669 que eleva as alíquotas de contribuição para a Previdência das empresas sobre receita bruta, reduzindo a desoneração da folha de pagamentos, iniciada em 2011. A partir de junho deste ano, as empresas que tinham alíquota de 1% de contribuição previdenciária sobre a receita bruta terão de contribuir com 2,5%, enquanto as que tinham alíquota de 2%, terão de arcar com 4,5%, de acordo com a MP publicada no Diário Oficial da União (DOU).

A mudança vai atingir 56 setores produtivos, alguns contemplados com o benefício desde 2011 e outros desde o ano passado, quando o governo decidiu tornar permanente a medida. O objetivo era reduzir os gastos com a mão de obra, estimular o mercado de trabalho e, consequentemente, a economia.

A alíquota maior, de 4,5%, é voltada para o setor de serviços, que inclui, por exemplo, empresas de call center, de tecnologia de informação, empresas jornalísticas, além do setor de construção civil e de transporte rodoviário e metroviário de passageiros.

Já o recolhimento de 2,5% abrange empresas do comércio varejista e de vários segmentos da indústria, como têxtil, aves e suínos, móveis, brinquedos, medicamentos, fabricação de aviões, navios e ônibus, material elétrico, equipamentos médicos e odontológicos, pneus e câmaras de ar, tintas e vernizes, borracha, vidros, entre outros.

Em 2011, o governo passou a desonerar a folha de pagamento de alguns setores substituindo o imposto de 20% sobre o salário por uma alíquota cobrada do faturamento das empresas, que variava de 1% a 2%, dependendo da companhia. Agora, este imposto sobre o faturamento aumentou.

A decisão faz parte do esforço do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, para alcançar a meta de superávit primário em 2015. (G1)

MPF questiona passagens para cônjuges de parlamentares

:  
O Ministério Público Federal vai abrir procedimento para investigar a existência de malversação de dinheiro público na concessão de passagens aéreas para as esposas e maridos dos deputados federais, restrito a parlamentares e assessores, cuja extensão foi aprovada pela Câmara Federal na última quarta-feira (25).

De acordo com o procurador da República no Distrito Federal Frederico Paiva, a utilização do benefício por parte dos cônjuges dos congressistas equivale a bancar interesses particulares com verbas públicas. Segundo o Correio Braziliense, o pedido pode até mesmo resultar em um processo por improbidade administrativa contra a Mesa Diretora da Câmara.

Após a reação negativa em torno da medida, o presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), teria dito que pode rever a decisão. "Não vejo nada demais (na regalia), mas, se a Mesa Diretora quiser rever, é um direito dela. Na próxima reunião, ela que trate (do tema). Não tem problema nenhum da minha parte", disse.

Clube Militar chama Lula de "agitador de rua"

:  
O Clube Militar criticou de maneira dura o discurso feito pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em durante o ato em defesa da Petrobras, na última terça-feira (24), no Rio de Janeiro. A nota, publicada no site da associação, chama o ex-presidente de "agitador", além de considerar "inadmissível um ex-presidente da República pregar, abertamente, a cizânia na Nação".

A nota do Clube Militar, formado por oficiais da reserva, também critica o ex-presidente que disse que os petistas também sabem brigar, "sobretudo quando o Stédile (João Pedro Stédile, um dos líderes do MST) quer colocar o exército dele nas ruas". A frase foi dirigida aos militantes presentes ao evento. Stédile também participou do ato em defesa da estatal.

"Neste País sempre houve e sempre haverá somente um exército, o Exército Brasileiro, o Exército de Caxias, que sempre nos defendeu em todas as situações de perigo, externas ou internas", diz a nota. O texto também faz referências a Operação Lava Jato da Polícia Federal que investiga denúncias de desvios e corrupção na Petrobras. "O que há mais por trás disso? Atitude prévia e defensiva de quem teme as investigações sobre corrupção em curso?", questiona a publicação. Abaixo, integra da nota:

O BRASIL SÓ TEM UM EXÉRCITO: O DE CAXIAS!
Ontem, nas ruas centrais do Rio de Janeiro, pudemos assistir o despreparo dos petistas com as lides democráticas. Reagiram inconformados como se só a eles coubesse o “direito” da crítica aos atos de governo. Doeu aos militantes petistas, e os levou à reação física, ouvir os brados alheios de “Fora Dilma”.

Entretanto, o pior estava por vir! Ao discursar para suas hostes o ex-presidente Lula, referindo-se a essas manifestações, bradou irresponsáveis ameaças: “ ..também sabemos brigar. Sobretudo quando o Stédile colocar o exército dele nas ruas”. Esta postura incitadora de discórdia não pode ser de quem se considera estadista, mas sim de um agitador de rua qualquer. É inadmissível um ex-presidente da República pregar, abertamente, a cizânia na Nação. Não cabem arrebatamentos típicos de líder sindical que ataca patrões na busca de objetivos classistas.

O que há mais por trás disso? Atitude prévia e defensiva de quem teme as investigações sobre corrupção em curso? Algum recado?

O Clube Militar repudia, veementemente, a infeliz colocação desse senhor, pois neste País sempre houve e sempre haverá somente um exército, o Exército Brasileiro, o Exército de Caxias, que sempre nos defendeu em todas as situações de perigo, externas ou internas.
Fonte: Brasil 247

Luiz Neto toma posse no desembargo

 
Luiz Neto discursa após assinar termo de posse
Em sessão solene do Tribunal de Justiça do Pará, foi empossado nesta quinta-feira, 26, o novo desembargador do Judiciário paraense, Luiz Gonzaga da Costa Neto, que chega à instituição através do Quinto Constitucional, em vaga pertencente à Ordem dos Advogados do Brasil, Seção do Pará. Contando 52 anos de idade, o magistrado assume a nova função após 30 anos de exercício advocatício, e ocupará a cadeira que pertenceu ao desembargador João José da Silva Maroja, que se aposentou em setembro do ano passado. O novo magistrado também foi agraciado com com a comenda Ordem do Mérito Judiciário, a maior condecoração do Judiciário paraense, no grau Grã Cruz. A sessão teve à frente o desembargador Constantino Augusto Guerreiro, presidente do TJPA.

Os representantes do Ministério Público, procurador geral de Justiça, Marcos Antonio das Neves, e da OAB, advogado Jarbas Vasconcelos, manifestaram-se na cerimônia para homenagear o novo desembargador. “Tenho convicção de que o seu amor pelo Direito e pela Justiça há de continuar iluminando a sua alma e o seu espírito. O MP está satisfeito e orgulhoso da sua escolha para o desembargo. E tenha certeza: nada lhe faltará para ter uma carreira brilhante neste Judiciário”, ressaltou o procurador geral de Justiça.

Jarbas Vasconcelos ressaltou que o momento é de felicidade e de muita representatividade para a classe dos advogados do Pará. “Este é o dia da igualdade, pelo qual nós lutamos e sonhamos”, disse, destacando que, na escolha de Luiz Neto para a composição do Judiciário, “triunfou o talento, a competência, o trabalho e o compromisso com a Justiça. Vossa Excelência chegou ao desembargo pelo seu trabalho, honra e dignidade. Hoje, todos chegamos ao Quinto Constitucional junto com Vossa Excelência”.

Em seu discurso, o novo desembargador agradeceu a participação dos presentes e a confiança depositada em seu nome, afirmando que assume o “alto posto na magistratura paraense com a certeza de que estou preparado e de que me preparei para o exercício do mister”. Ressaltou ainda que “mais que o ideal de atuação corporativa, assumo o desembargo, cônscio, mais do que nunca, de que sem a valorização da Advocacia, não há como realizar o conceito de cidadania. Em verdade, o advogado, público ou privado, representa o veículo primário da realização da justiça e satisfação dos princípios e direitos fundamentais do nosso ordenamento constitucional”.

O desembargador Luiz Neto afirmou ainda, “que não se chega a este Tribunal por acasos da vida. Chegar aqui, para mim, é retribuir à sociedade tudo o que ela proporcionou a um de seus mais humildes integrantes”. Aos magistrados, frisou que “chego com muita disposição ao trabalho. Com muita vontade para contribuir para o aperfeiçoamento da entrega da prestação jurisdicional à população, que postula através da advocacia e de procedimentos que possam resolver os problemas do Judiciário como um todo e, notadamente, aqueles que dizem respeito à advocacia”.

Finalizou seu discurso rogando “que a cada dia possa ser um agente público de construção de uma sociedade melhor, mais fraterna, com níveis mais elevados de paz social, atuando, como bem conceituou Amartya Sen, como verdadeiro elemento de aprimoramento de desenvolvimento humano e das relações sociais, eis que sem o homem desenvolvido não há que se falar em liberdade. E sem liberdade, não há justiça”. (Site do Tje-Pa)

Capaf reabriu sala de lazer dos aposentados

 
 
As críticas foram muitas e a revolta dos ´velhinhos` foi grande. Este blog fez postagem sobre o fato >Basa paga amanhã aposentados e pensionistas da Capaf. Daí, o interventor (Nivaldo) da Capaf  adotou providências para que fosse reaberta a sala localizada nos fundos da sede da entidade na avenida Generalíssimo Deodoro, a qual havia sido fechada com cadeado na porta, o que impedia o acesso de quaisquer pessoas.

A partir de hoje, quem estava acostumado a jogar sinuca ou dominó (foto), poderá voltar a frequentar o referido local, aliás, ponto de encontro de aposentados e pensionistas do Basa. Mas, é preciso lembrar ao interventor, que faça o serviço completo, ou seja, disponibilizar aos frequentadores, uma garrafa térmica com café e instalar um aparelho de ar condicionado, como era antes.

Erro em lista de classificados no vestibular não gera dano moral

Se uma instituição de ensino erra a lista de classificados do vestibular, os candidatos que apareceram por engano como aprovados não têm o direito de receber indenização. Assim entendeu a Turma Recursal do Tocantins ao negar pedidos de dois estudantes que chegaram a ter o nome divulgado entre os classificados da Universidade Federal do Tocantins (UFT) em 2012, mas depois acabaram desclassificados.

Eles diziam ter sofrido danos morais porque passaram pelo constrangimento de comunicar a seus amigos de familiares a aprovação, para depois informar que a história não era bem assim. Já a Advocacia-Geral da União argumentou que a universidade retificou o resultado depois de detectar uma falha no sistema de processamento de dados. O defeito impediu que fossem desclassificados quem teve nota inferior a 3 na prova de redação, como determinava o edital.

O pedido de indenização foi negado em primeira instância, e a decisão foi mantida pela Turma Recursal. Segundo o juiz federal Bruno Apolinário, relator do caso, cabe à universidade corrigir erro na divulgação do seu processo seletivo, “sem que isso importe constrangimento àqueles que figuraram erroneamente na lista anterior”.Ele avaliou não haver qualquer evidência de que os autores tenham sofrido abalo de conceito, reputação ou prestígio no meio em que vivem, por causa do episódio. “Mero constrangimento não enseja danos morais (...) Não havendo prova de qualquer ato ilícito, não há que se falar em indenização”, afirmou.  (Conjur)

Removendo o passado: casamento de Alberto/Nazaré Mussi

Casamento da professora Nazaré Demetrio e Alberto Mussi. Na foto, os noivos, as damas Alegria Serruya e Henriqueta Brandão, o pajem Servando Cardoso e a daminha Ainah Gonçalves.

"PEC da Bengala tem objetivo pouco republicano", diz Apamagis

Por Sérgio Rodas - Conjur
Embora seja apresentada como uma medida para refletir o aumento da expectativa de vida dos brasileiros no funcionalismo público, a PEC da Bengala (PEC 457/2005), que pretende aumentar para 75 anos a idade para a aposentadoria compulsória no serviço público, tem um objetivo mais simples: diminuir a influência do PT nas nomeações dos membros de tribunais superiores. Essa é a opinião do presidente da Associação Paulista de Magistrados (Apamagis), Jayme de Oliveira.

“A mudança tem um objetivo pouco republicano, que é de impedir a presidente Dilma Rousseff de indicar novos ministros, especialmente para o Supremo Tribunal Federal. Não se pode mudar a Constituição Federal de forma casuística, por uma circunstância política”, afirma Oliveira.

Foi derruba decisão que tirava o WhatsApp do ar

Logo do Whatsapp visto no fundo de um painel enquanto um homem acessa o Facebook através de um smartphone
O desembargador Raimundo Nonato da Costa Alencar, do Tribunal de Justiça do Piauí (TJ-PI), derrubou ontem, 26, a decisão do juiz Luiz Moura Correia, que determinava a suspensão do aplicativo WhatsApp em todo o território nacional. Alencar alegou que a decisão era 'sem razoabilidade', já que o ato afetaria milhares de pessoas.

O desembargador Raimundo Alencar afirma que a decisão derruba a suspensão do serviço, mas não desobriga o WhatsApp de atender a solicitação exigida pela justiça.

Caso - A intenção de tirar o aplicativo do ar foi foi divulgada na quarta-feira por meio de um comunicado do Núcleo de Inteligência da Secretaria de Segurança do Piauí, que informou a existência de um mandado judicial expedido pelo juiz há duas semanas.

Assinado por três delegados da Polícia Civil, o comunicado afirma que o serviço de mensagens vem descumprindo decisões da Justiça desde 2013. Segundo as autoridades, a empresa responsável pelo aplicativo não tirou de circulação imagens de crianças e adolescentes expostos sexualmente depois de uma investigação sobre casos de pedofilia feita pela Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente de Teresina

O Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal (SindiTelebrasil) divulgou nota em que considerava a medida de suspensão do serviço em território nacional desproporcional.

Vitória de Moro: Camargo Corrêa fará delação

:
O juiz Sergio Moro, do Paraná, venceu a Camargo Corrêa pelo cansaço. Com seus executivos presos há mais de três meses, a empreiteira aceitou fazer um acordo de delação premiada e irá revelar esquemas de corrupção em outras áreas do governo federal, como o setor elétrico e rodoviário. Ao que tudo indica, nada será questionado sobre a atuação da Camargo nos governos estaduais. O furo é do jornalista Kennedy Alencar. Leia abaixo:

A Camargo Corrêa decidiu fechar um acordo de delação premiada com o juiz Sérgio Moro e os procuradores da Operação Lava Jato. A expectativa dos investigadores é que a empresa dê informações sobre seus negócios com a Petrobras, mas também a respeito de outros setores da economia, como obras nas áreas de energia e estradas.

Na segunda-feira, o ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal, negou pedido de liberdade feito pela defesa de dois executivos da empresa. Foi a gota d’água para a companhia optar pela delação, caminho que já vinha analisando. (Brasil 247)

'Governo vai aumentar impostos do andar de cima'

:  
Dilma e Nelson Barbosa
O governo planeja aumentar a tributação sobre grandes fortunas nas próximas medidas de ajuste fiscal. É o que sinalizou o ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na quarta-feira (25), em uma reunião no Planalto com a bancada do PT no Senado.

Segundo a senadora Gleisi Hoffmann (PR), em reportagem da ‘Folha de S. Paulo’, Barbosa disse que haverá ação sobre os mais ricos.

"Nós colocamos que essas medidas eram importantes, que achávamos que deviam ser feitas algumas adequações [nos ajustes já anunciados], mas que seria muito importante que tivéssemos também medidas que atingissem quem tem renda maior na sociedade, seja na área de impostos ou outras medidas."

"E ele [Barbosa] disse o seguinte: estamos estudando e vai haver medidas que vão atingir o andar de cima." A medida faz parte das reivindicações do PT para apoiar o pacote fiscal do governo. O partido se mostra reticente à revisão da concessão de direitos trabalhistas, como o seguro-desemprego e o abono salarial

Senado Federal rejeita limitação de peso em mochilas escolares

O Plenário do Senado Federal rejeitou ontem (26) o projeto que estabelecia uma limitação para o peso das mochilas escolares de estudantes dos ensinos fundamental e médio (PLC 66/2012). O texto votado foi um substitutivo da relatora, senadora Ângela Portela (PT-RR). A matéria será arquivada.

O texto, de autoria do deputado Sandes Júnior (PP-GO), dispunha que um aluno não poderia carregar na mochila material que pesasse mais do que 15% de seu peso corporal. Previa também que o peso corporal fosse declarado à escola pelos pais ou responsáveis, no caso da educação infantil e do ensino fundamental, ou pelos próprios estudantes, no caso do ensino médio.

O senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) manifestou-se contra o projeto no Plenário. Apesar de destacar a boa intenção, ele argumentou que a medida incorre em “excesso de ambição legislativa” e não teria efeitos práticos.

"É como se pudéssemos, por decisões do Congresso, moldar relações que escapam à disciplina legal. Não há sanção [para o descumprimento], então o projeto é inócuo. Penso que devemos rejeitá-lo com a perspectiva de que o assunto possa vir a ser tratado mais adequadamente no futuro" ponderou.

Papa manda enterrar mendigo no Vaticano

Willy Herteleer, um dos mais conhecidos sem-teto do Vaticano, é o primeiro mendigo na história a ser enterrado no Cemitério Teutônico, ao lado príncipes, nobres e cavaleiros de origem germânica e de benfeitores da Igreja. A decisão, revelada quarta-feira, 25, pelo jornal Il Messaggero, foi tomada pelo papa Francisco, que já havia mandado instalar duchas para os sem-teto e criado uma barbearia para cuidar desses habitantes que circulam pelas colunatas de Bernini, na Praça de São Pedro.

Com cerca de 80 anos, Willy era de origem holandesa e vivia fazia 30 anos em Roma - depois de perder o emprego. Religioso, o mendigo frequentava toda manhã a missa das 7 horas na Capela de Sant'Anna. Dormia com os colegas sem-teto no túnel do estacionamento e tentava convertê-los. Era conhecido da Guarda Suíça, que o chamava de "Aralto de Sant'Anna" e amigo de clérigos, como o monsenhor Amerigo Ciani, jurista e pintor, que retratou o mendigo em dois quadros - rezavam juntos. Willy costumava convidar os jovens a ir à missa e a rezar.

Em dezembro, o mendigo sumiu do Vaticano. O frio em Roma o fez adoecer. Pedestres viram sua agonia e chamaram uma ambulância, que o levou ao Hospital Santo Spirito. Com o sumiço do amigo, Ciani passou a procurá-lo até descobrir, no começo de janeiro, que ele havia morrido no dia 12 de dezembro. Willy estava no necrotério do hospital. Ninguém sabia onde enterrá-lo. "Santidade, não sabem onde enterrá-lo", disse o monsenhor ao papa. "Vamos dar-lhe uma sepultura digna no Vaticano", respondeu Francisco, segundo Il Messagero.

E assim, no dia 9 de janeiro, houve a cerimônia no cemitério presidida pelo monsenhor Ciani. A informação foi confirmada pela Sala de Imprensa do Vaticano e pelo pároco da Igreja de Sant'Anna, Bruno Silvestrini. "Nunca vi tanta gente bater à minha porta para saber quando seriam os funerais... Não pedia nunca, mas era uma pessoa que te falava e te suscitava, por meio de perguntas sobre a fé, um caminho espiritual", disse o padre Silvestrini à Radio Vaticano.

Vale a pena ler: O piano de cauda - Por Maria Helena Rubinato


Você prestou atenção nas palavras de Lula no inacreditável encontro petista com o objetivo insidioso de salvar a Petrobras: “A nossa companheira Dilma Rousseff tem que deixar o negócio da Petrobrás para a Petrobrás, a corrupção para o ministro da Justiça ou para a Polícia Federal. A Dilma tem que levantar a cabeça e dizer eu ganhei as eleições.”?

Ganhar as eleições, para Lula, é um passaporte para tudo, é o mesmo que uma escritura de posse. Importante, nessa defesa de fancaria, era enfatizar para a companheira Dilma que ela precisa tomar verdadeiramente posse e segurar quentinha a cadeira até 2018.

O dono do partido que fez da Petrobras um celeiro de malfeitos, arregimentou companheiros para, segundo disse, defender e salvar a empresa! Defender de quem? Salvar de quem? Da Imprensa. E onde ele disse isso: na sede da Associação Brasileira de Imprensa!

Mas Lula não contava com a paixão de dona Dilma pelo poder. Apaixonou-se de tal forma que reencarnou Luís XIV e sai por aí dando a entender que ela é o Estado. Como agora em Feira de Santana onde ela fez uma declaração muito definidora de como se acha poderosa. A Agência Moody’s, segundo a sabe-tudo dona Dilma, rebaixou a nota da Petrobrás por falta de conhecimento correto do que está acontecendo na empresa. “Não tenho dúvida que a Petrobrás vai ser uma empresa com grande capacidade de recuperar isso”. Isso? É. Isso.

O que será que leva dona Dilma a tardar tanto na escolha do 11º ministro do STF? Será que é para impedir novos julgamentos como o do mensalão? Os ministros do STF se ressentem da falta do 'ministro do desempate', vital para o bom funcionamento da corte.

(Por falar no STF, eu só queria entender porque Renato Duque está em liberdade baseado no pressuposto de que ele não parece querer sair do país e Kátia Rabello está presa. Ela tem dois filhos e nada indica que queira se afastar deles para sempre... Justiça injusta!).

Você por acaso acha que o Legislativo salva a Pátria? Doce ilusão... Enquanto nós estaremos enforcados, com pouco dinheiro para levar uma vidinha tranquila, os nossos prezados parlamentares não ficarão duas noites por semana sem seus parceiros! Seria um sacrifício abominável. Podem ficar tranquilos: diminuiremos a feira semanal, mas vamos pagar as passagens aéreas para que os casais possam dormir abraçadinhos e assim, trabalhar melhor no dia seguinte.
 
Deixei para o fim a notícia mais incrível da semana. O juiz da 3ª Vara Federal do Rio, que tomou a si o cuidado de zelar pelos carros de Eike Batista, cuidou também de achar um teto para o piano de cauda da família do réu. Pensei que ele fosse ser sumariamente expulso da magistratura, indiciado, julgado e condenado! Mas qual! Nem tão cedo ele vai tocar piano numa delegacia...
 

No blog do GIBA UM:

Ainda a bengala
O ministro Pepe Vargas, das Relações Institucionais, conseguiu que a PEC da Bengala, que aumenta para 75 anos de idade a aposentadoria compulsória de ministros do Supremo, não fosse votada tão rapidamente. Só que o PMDB vê sua votação, que será feita em março, sem novos adiantamentos, como um de seus trunfos para evitar que Dilma Rousseff nomeie outros três ministros da Alta Corte. Este ano, ela deverá apresentar o substituto de Joaquim Barbosa e antes do final do ano, de Celso de Mello.
Beijos de estreia
Se depender do texto de Gilberto Braga, Ricardo Linhares e João Ximenes, o beijo gay entre as personagens de Fernanda Montenegro e Nathália Timberg, que serão duas lésbicas que vivem juntas há muitos anos, acontecerá logo no capítulo de estreia da novela Babilônia. Contudo, a idéia ainda não foi apresentada à cúpula da Globo.

Empreiteiros queriam Joaquim Barbosa como advogado

No blog do Claudio Humberto
A ousadia dos empreiteiros envolvidos na Operação Lava Jato chegou ao ponto de pretenderem contratar para sua defesa o ministro aposentado e ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa. Agora advogado atuante e palestrante, Barbosa no entanto reagiu à consulta prévia com um indignado “não!”, muito embora reconheça que quaisquer acusados têm direito pleno de defesa. ++  Os empreiteiros pagariam a Joaquim Barbosa o que ele pedisse, para vê-lo atuando em sua defesa, mas o ministro aposentado recusou.

Com um a menos, Supremo não conclui julgamento e ministros criticam Dilma

Incompleto há sete meses, o Supremo Tribunal Federal (STF) enfrentou ontem, 26, mais um problema gerado pela ausência de um dos integrantes da Corte. O julgamento de uma ação direta de inconstitucionalidade não pôde ser finalizado, pois o placar ficou empatado.

O decano da Corte, ministro Celso de Mello, reclamou da demora na indicação do novo membro do Supremo. "Essa omissão irrazoável e abusiva da presidente da República (...) já está interferindo no resultado no julgamento", disse o ministro, após o empate.

O julgamento desta quinta ficou com quatro votos a favor da validade de uma lei de Minas Gerais que estabelece normas para a venda de títulos de capitalização no Estado e quatro votos contrários.

"Novamente, adia-se um julgamento, porque nós estamos realmente experimentando essas dificuldades que vão se avolumando. É lamentável que isso esteja ocorrendo", completou Celso de Mello.

O ministro Marco Aurélio concordou: "Veja como é nefasto atrasar-se a indicação de quem deve ocupar a cadeira".