Fale com este blog

E-mail: ercio.remista@hotmail.com
Celular: (91) 8136-7941
Para ler postagens mais antigas, escolha e clique em um dos marcadores relacionados ao lado direito desta página. Exemplo: clique em Santarém e aparecerão todas as postagens referentes à terra querida. Para fazer comentários, eis o modo mais fácil: no rodapé da postagem clique em "comentários". Na caixinha "Comentar como" escolha uma das opções. Escreva o seu comentário e clique em "Postar comentário".

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Descrença estimula 'justiça com as próprias mãos', diz Cármen Lúcia

A presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, fala no 10° Encontro Nacional do Poder Judiciário 
A presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministra Cármen Lúcia, disse ontem (5) que a sociedade precisa acreditar no Judiciário para que não faça "justiça com as próprias mãos".

"Toda sociedade tem um momento que se vê em uma encruzilhada. Ou a sociedade acredita em uma ideia de Justiça, que vai ser atendida em uma estrutura estatal, e partimos para o marco civilizatório, ou a sociedade deixa de acreditar nas instituições e por isso mesmo opta pela vingança", disse Cármen durante a abertura do 10º Encontro Nacional do Poder Judiciário, em Brasília.

Para a ministra, o Judiciário precisa se recriar institucionalmente para que tenha a confiança da sociedade.

Quando as demandas da sociedade não são atendidas, a "não resposta da Justiça" gera sentimento de vingança, afirmou Cármen.

"Não esperamos, servidores, que a sociedade precise desacreditar a tal ponto que resolva fazer justiça com as próprias mãos, que é a vingança, que é a negativa da civilização", afirmou.

"Não esperamos que a sociedade precise desacreditar a tal ponto", ressaltou a ministra. O evento reúne servidores, presidentes e corregedores dos tribunais e conselhos de Justiça. Durante dois dias, eles vão se reunir para aprovar as metas nacionais a serem cumpridas pelo Judiciário em 2017, além de divulgar o desempenho parcial dos tribunais no cumprimento das metas deste ano.
Leia também > “Ou a democracia ou a guerra”, diz presidente do STF

Nenhum comentário:

Postar um comentário