Fale com este blog

E-mail: ercio.remista@hotmail.com
Celular: (91) 8136-7941
Para ler postagens mais antigas, escolha e clique em um dos marcadores relacionados ao lado direito desta página. Exemplo: clique em Santarém e aparecerão todas as postagens referentes à terra querida. Para fazer comentários, eis o modo mais fácil: no rodapé da postagem clique em "comentários". Na caixinha "Comentar como" escolha uma das opções. Escreva o seu comentário e clique em "Postar comentário".

quarta-feira, 10 de maio de 2017

#MexeuComUmMexeuComTodos

Por Vera Magalhães - Estadão
Rodrigo Janot pode ter conseguido algo difícil ao arguir o impedimento de Gilmar Mendes no caso Eike Batista: construir uma unanimidade dos ministros do Supremo Tribunal Federal a favor do colega – que já se envolveu em controvérsias com vários deles. Isso se a presidente do STF, Cármen Lúcia, não indeferir de ofício seu pedido, sem nem submeter ao pleno, uma possibilidade bem concreta.

Normalmente vistos como 11 ilhas isoladas e incomunicáveis, os juízes da Corte Suprema, nesse tipo de caso, são absolutamente ciosos de suas prerrogativas, e veem na atitude inédita do procurador-geral da República uma brecha que, se aberta, deixará todos eles vulneráveis a questionamentos do mesmo tipo.

A avaliação dos ministros é de que Janot agiu “para o público interno”, ao buscar apoio dos procuradores em meio a um conturbado processo de sucessão no cargo máximo do Ministério Público Federal, no qual enfrenta oposição de mais de um postulante ao seu lugar.

Já pessoas próximas ao procurador-geral dizem que era necessário que a “tese” do impedimento fosse levada à discussão do STF. Ainda que Janot seja derrotado, dizem esses interlocutores, a iniciativa pode ter efeito futuro no comportamento dos próprios ministros na hora de decidir sobre a própria suspeição para julgar casos em que haja relações questionáveis com réus ou advogados das partes.

A intenção também teria sido jogar um holofote da sociedade sobre o papel do Supremo na Lava Jato, algo que já vinha sendo objeto de questionamento desde a concessão de habeas corpus ao ex-ministro José Dirceu, na semana passada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário