Fale com este blog

E-mail: ercio.remista@hotmail.com
Celular: (91) 8136-7941
Para ler postagens mais antigas, escolha e clique em um dos marcadores relacionados ao lado direito desta página. Exemplo: clique em Santarém e aparecerão todas as postagens referentes à terra querida. Para fazer comentários, eis o modo mais fácil: no rodapé da postagem clique em "comentários". Na caixinha "Comentar como" escolha uma das opções. Escreva o seu comentário e clique em "Postar comentário".

domingo, 28 de junho de 2015

Félix Robatto apresenta sua guitarrada pop

A barba de Félix Robatto, de repente, não era mais a moldura bem-comportada que só conseguia envelhecê-lo uns dois anos. De repente, o guitarrista do Pará viu seus pelos se rebelarem em direção ao umbigo e saírem dos padrões, ganhando vida própria. Um dia, chamaram Robatto de ZZ Top pela rua sem que ele nem soubesse o que era ZZ Top. Foi pesquisar e gostou da banda de blues rock do Texas liderada por duas barbas e uma guitarra tão selvagens quanto a sua.

A Belém de Félix Robatto é, antes de tudo, uma festa regada a cerveja. Depois de dar algumas vitórias ao grupo La Pupuña, que criou em 2004 e com o qual tocou nos festivais South by Southwest, nos Estados Unidos, e Wasser Musik de Berlim, na Alemanha, e de produzir o primeiro disco de Gaby Amarantos, Treme, de 2011, ele faz sua estreia em um álbum com a própria foto na capa. Equatorial, Quente e Úmido é o registro de um dos nomes importantes da neoguitarrada, um estudioso que agora quebra algumas formas da linguagem defendida pelo La Pupuña para se movimentar mais em direção ao pop. Antes de tudo, seu disco é para se dançar.

“ZZ Top da Amazônia” soa como uma referência bem-humorada mais ao visual, embora a pegada de Robatto, como guitarrista, cantor e compositor de nove das doze faixas do disco, coloque um peso e alguns riffs que, em geral, a guitarrada não traz. Sua música tem rudimentos dos mestres Vieira, Solano e Manoel Cordeiro e desmembrá-la é entrar no universo de uma escola que o Brasil ainda não catalogou.

Os mistérios da guitarrada começam com o fato de que ela, como ritmo, não existe. “Não há uma batida própria para ela, você não pede para um baterista ‘tocar uma guitarrada’. Eu digo que guitarrada não é um gênero, é um sotaque”, diz Félix Robatto. Ele pesquisou e cursou música na Universidade do Estado do Pará, mas evitou ‘cerebralizar’ seu trabalho. “Gosto de fazer música para ser cantada.”

'Amazônia Big Rave' e 'Eu Quero Cerveja', gravada em português e espanhol, indicam algumas apropriações pop de gêneros amazônicos. Nenhuma poesia em letras como “Não importa onde eu for / Aonde quer que eu esteja / Peço um favor, que não me falte cerveja”, o que o coloca em sintonia com uma cultura que antecede os próprios anos 1980: a de se cantar sem falsas riquezas de linguagem. Outra das faixas, o merengue 'Baiuca’s Bar', de uma das forças maiores da música paraense, Paulo André Barata (que tem como parceiro constante seu pai, Ruy Barata), narra o clima de um bordel que cheira a Royal Briar, o perfume popular impregnado nos lençóis de baixo meretrício. Fafá de Belém a gravou em 1978, no disco 'Banho de Cheiro', cheia de cordas. Agora, Félix Robatto divide vocais com os graves de Paulo André e a preenche com mais guitarras e teclados.

A guitarrada vem das mãos de Mestre Vieira, mais precisamente no disco 'Lambada das Quebradas', de 1978. Se a lambada como gênero de massa só iria aparecer em meados dos anos 1980, há alguma história aí que precisa ser contada. Vieira, uma referência de Robatto, teve regravada sua faixa Loirinha. Um tema que traz a surf music da guitarra com pedal de reverb (eco) e flashes de Dick Dale, o mestre do gênero. “Eu convidei o Dick para gravar no disco, mas ele não pôde por questões de saúde”, conta. O encontro seria história pura. Sabe-se lá por qual porta a surf music, direto do Sul da Califórnia, dos Beach Boys, entrou na caldeirada paraense.  (Estadão)

Nenhum comentário:

Postar um comentário